Categoria: Curiosidades

É a vez delas: conheça o MBA “Women in Leadership”

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 9 0

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo. Para chegar lá, é preciso se destacar e se especializar, ainda mais quando se é mulher. Segundo um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres com ensino superior são a maioria no mercado de trabalho. No entanto, elas recebem em média 64,2% do salário de um homem. 

 

Mas como mudar essa desigualdade que desmotiva profissionais, cansadas de receberem menos e trabalharem até 2x mais? O primeiro passo é falar sobre o assunto. Precisamos discutir mais sobre a igualdade de gênero, desde a escola ao ambiente de trabalho. Para a representação feminina aumentar cada vez mais, iniciativas devem ser tomadas por empresas.

 

Buscar uma especialização também é uma opção para crescer no mercado de trabalho. Nada mais bonito do que uma mulher que compartilha o que sabe e inspira outras mulheres – e homens, por que não? Depois da graduação é possível fazer uma pós-graduação, um MBA e até mesmo um mestrado e doutorado.

 

Quer dar um UP na carreira? Os Master in Business Administration (MBAs) são cursos mais focados em conhecimentos de gestão e administração, estimulando novas habilidades e auxiliando os profissionais a pensarem de forma criativa e prática. Além, claro, de trazer confiança para o profissional se posicionar no mercado de trabalho. 

 

Uma das opções  que você encontra na TravelMate é o MBA “Women in Leadership”. Um curso que estimula mulheres a se tornarem líderes, tanto no ambiente de trabalho quanto em suas vidas. É oferecido pela Kaplan Business School, na Austrália, nas cidades de Adelaide, Brisbane, Melbourne, Perth, Sydney e também pode ser feito de maneira online.

 

O curso tem o objetivo de auxiliar mulheres a crescerem profissionalmente, por meio do reconhecimento de que as organizações que são caracterizadas pela diversidade provaram ser muito mais bem-sucedidas do que as organizações definidas pela uniformidade. Esse curso também ajudará mulheres a entenderem como podem criar um ambiente de trabalho focado na valorização das profissionais, na justiça e na equidade.

 

Além disso, o MBA Women in Leadership foi premiado a nível global na PIEoneer Awards 2020, uma premiação que visa reconhecer ações inovadoras e conteúdos focados no futuro dentro da área de educação internacional.

 

Que tal aproveitar a oportunidade para descobrir aonde você quer e pode chegar e também conhecer as belezas da Austrália? Entre em contato conosco e comece agora mesmo a planejar seu intercâmbio para 2021!

Especialização no Canadá

Especialização no Canadá: conheça o curso de E-commerce e Gerenciamento de Negócios Online do Trebas INstitute

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 79 0

Se tem uma coisa que médias e grandes empresas gostam é de ter colaboradores com experiências e especializações internacionais. Seus recrutadores enxergam nisso um grande diferencial, pois isso demonstra que o candidato passou por uma experiência extremamente enriquecedora, tanto em quesitos técnicos, quanto comportamentais. Pensando nisso, cada vez mais os brasileiros procuram se especializar no exterior antes de iniciar seu crescimento profissional por aqui. No entanto, a escolha do curso e o país de destino podem dar um peso ainda maior para essa questão, e por isso muitas pessoas ficam na dúvida de qual opção escolher. Fazer intercâmbio em um país reconhecido pela qualidade de ensino, como o Canadá, por exemplo, bem como escolher um curso relevante para o mercado de trabalho, serão a certeza de uma boa escolha. Por isso que, no artigo de hoje, vamos falar sobre a especialização em e-commerce do Trebas Institute, do Canadá.

 

CANADÁ: ENSINO E CULTURA

 

Fazer uma especialização no Canadá é uma experiência que traz enormes vantagens para o currículo profissional e também para a vida pessoal do intercambista. Um profissional que se qualifica nesse país tem grandes chances de se destacar no mercado de trabalho brasileiro, não somente pela questão do ensino, mas pelo fato de que se aventurar em uma jornada acadêmica canadense agrega valores que vão muito além do diploma: comprometimento, capacidade de adaptação e proatividade são apenas alguns deles. 

O Canadá é um destino multicultural, e é um local onde você provavelmente terá contato com pessoas de várias outras nacionalidades no dia a dia. Então, uma coisa é certa: dá pra retornar com uma visão cultural ampla e até mesmo uma rede de contatos super diversificada. 

Mas, o que realmente torna o país atrativo para o upgrade profissional é o fato de possuir, como dissemos mais acima, uma qualidade de ensino excelente em todos os níveis educacionais, e, não à toa, isso faz com que as instituições canadenses sejam mundialmente reconhecidas. Então, dá pra entender porque pensar em fazer uma especialização no Canadá pode alavancar sua carreira, não é mesmo?

E, por isso, hoje nós queremos te apresentar um Diploma em E-commerce e Gerenciamento de Negócios Online oferecida pelo Trebas Institute, que fica localizado em Montreal, no Canadá. Nós resolvemos falar sobre esse curso pois ele abrange uma das áreas que mais cresce no mercado global nos últimos meses: o comércio eletrônico! 

Se você pensa em se especializar e expandir seus horizontes pessoais e profissionais, essa pode ser uma alternativa muito interessante para você. Confira!

Por que fazer um Diploma em E-commerce e Gerenciamento de Negócios Online no Trebas Institute de Montreal?  

 

Cada vez mais os negócios online estão ganhando força e o próprio comportamento de compra dos consumidores está totalmente direcionado para o digital. Apesar de isso não ser algo novo, com os últimos acontecimentos, as pessoas passaram a fazer tudo – ou quase tudo – sem sair de suas casas, e a nossa nova realidade potencializou (e muito!) esse processo de migração para o on-line. Comprar, trabalhar, estudar: tudo passou a ser feito pela internet. 

Assim como as pessoas modificaram o seu comportamento, as empresas também tiveram que se adequar e, com isso, fazer negócios online se tornou indispensável. Não somente as vendas online propriamente ditas, mas também precisou-se adaptar as redes sociais, sites e outros meios capazes de aproximar a empresa de seu público. 

Com essas modificações, o setor de e-commerce no Brasil passou a representar 8,48% dos sites na internet brasileira, o que, durante os cinco anos anteriores, não representava mais do que 2,65%. Esses são dados da pesquisa “Perfil do E-Commerce Brasileiro”, realizada pela PayPal e pela plataforma BigData Corp. O mesmo estudo também apontou um crescimento significativo na abertura de lojas online: 40,7% no último ano. Essa foi a maior alta registrada desde 2015. 

Esse mercado exponencialmente promissor abre portas para os profissionais que tenham interesse em contribuir com seu crescimento e, claro, que estejam capacitados para assumir essas responsabilidades. Nesse sentido, o Diploma de E-Commerce e Gerenciamento de Negócios Online do Trebas Institute pode ser o empurrão que faltava em direção ao seu sucesso. Essa especialização no Canadá torna os profissionais altamente qualificados em estratégias de marketing digital, gerenciamento de mídia social e administração de negócios online. 

O Instituto Trebas é uma boa opção? 

Uma das nossas principais preocupações é garantir que todos os intercambistas TravelMATE tenham a melhor experiência em suas viagens. Por isso, sempre nos comprometemos em firmar parcerias apenas com instituições sérias e que sejam reconhecidas pelos governos dos países em que estão localizadas. 

Os programas do Instituto Trebas são credenciados pelo Ministério de Educação Superior da província do Quebec, e isso já garante ser um local com a qualidade esperada para uma especialização no Canadá, já que eles são bem rígidos quanto a educação como um todo. As aulas são ministradas por professores renomados e experientes em suas áreas, para que, além de aprender a parte teórica, você esteja alinhado com a realidade atual do mercado.

Se você quiser saber mais sobre o Trebas e sobre o curso de E-Commerce e Gerenciamento de Negócios Online, indicamos que entre em contato com um de nossos consultores. Eles poderão dar informações mais detalhadas e explicar tudo o que é preciso para fazer essa especialização no Canadá. Ah! Eles ainda podem te contar mais sobre as condições imperdíveis de pagamento para você tirar o seu sonho do papel. 

Já vamos adiantar um pouco do que preparamos para você: 

 

  • Flexibilidade: você pode remarcar seu intercâmbio sem multas, para quando achar mais conveniente 
  • Facilidade de pagamento: você pode parcelar com entrada + 60 dias para começar a pagar 
  • Aulas de inglês gratuitas para nossos intercambistas
  • Fechando seu intercâmbio em 2020, você pode embarcar em até dois anos pelo mesmo valor 

 

São condições realmente imperdíveis e você não pode perder essa oportunidade! Fale agora mesmo conosco clicando na imagem abaixo e deixe a gente ser seu parceiro nessa experiência que é pra vida toda.

Você já pensou em fazer uma faculdade no exterior?

Faculdade no exterior: você já pensou em fazer?

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 89 0

Você já pensou em como seria interessante ter em seu currículo uma graduação internacional? Por meio de uma experiência de estudo internacional, você entra em contato com professores, metodologias, colegas e conhecimentos que podem ser seus principais diferenciais no mercado de trabalho.

Um dos principais motivadores que levam os estudantes a pensarem em fazer faculdade no exterior é a qualidade de ensino, somada à bagagem enriquecedora que a experiência pode proporcionar. Então, se você quiser saber como é possível estudar fora do país, acompanhe nosso artigo de hoje. 

Vale a pena fazer faculdade no exterior?

 

Vale a pena fazer faculdade no exterior?

Esse é um dos questionamentos que mais aparece quando alguém cogita fazer uma faculdade no exterior. Isso é muito normal, até mesmo porque existem muitas dúvidas relacionadas principalmente ao custo de estudar fora do país. 

Na média, esse valor pode até ser maior se comparado ao custo de uma universidade aqui no Brasil. Contudo, isso varia muito de um local para outro, e também vai depender do curso e da universidade de interesse. Aqui na TravelMATE nós preferimos utilizar a palavra investimento, já que é exatamente isso o que acontece quando você faz uma faculdade no exterior: você investe em sua carreira profissional, obviamente, mas, acima de tudo, investe em seu crescimento pessoal. E, por falar nisso, o retorno dessa experiência é incalculável. Então, sim! Sempre vai valer a pena fazer um faculdade no exterior e nós vamos te dizer o porquê: 

Fluência no idioma

Mesmo que você já tenha pleno domínio de outro idioma, nada se compara com a vivência em outro país, afinal de contas, terá que fazer tudo em uma língua que não é a sua, e isso fará com que aprimore ainda mais essa questão. E cá entre nós: não precisa ser nenhum especialista para saber que os profissionais que falam inglês, por exemplo, se destacam e conseguem as melhores vagas nas empresas. 

Leia também: O que fazer antes de entrar na faculdade 

Desenvolvimento pessoal

Fazer uma faculdade no exterior exige que você se adapte totalmente a uma nova cultura. Você precisa estudar em outro idioma, se habituar com os costumes do país e, muitas vezes, aprender uma nova metodologia de ensino. São várias as situações que tiram você da zona de conforto e que fazem com que você, mesmo sem perceber, tenha um grande desenvolvimento pessoal. Autonomia, segurança, proatividade e independência são as principais habilidades responsáveis por proporcionar seu crescimento. 

Soft Skills: 5 dicas para desenvolver no Intercâmbio

Networking internacional

Networking por si só já é muito importante. Agora, já imaginou se sua rede profissional for internacional? Hoje em dia essas relações são fundamentais para a carreira profissional de qualquer pessoa.  A troca de informações cria uma visão mais ampla e de diferentes perspectivas sobre os desafios da jornada profissional. Criar uma boa rede de contato faz com que você tenha acesso a mais oportunidades. Dentro de um networking, existe a premissa de apoio e confiança, e é normal que uns ajudem os outros. É por isso que tanto se fala nisso hoje em dia. Como existem alguns destinos que possibilitam trabalhar durante o período no país, é bem provável que você consiga criar uma rede super legal, que pode até ser uma referência para sua carreira futuramente. 

Como fazer uma faculdade no exterior?

 

Você pode ter essa experiência através de um intercâmbio de Higher Education pela TravelMATE. Nessa modalidade, todos os cursos disponíveis são considerados de nível superior. Existe a possibilidade de direcionar o estudo para área profissional ou para área mais acadêmica, isso depende do objetivo e perfil de cada um. 

As regras e exigências são diferentes para cada destino. Dependendo do sistema educacional de cada país, é possível optar por cursos de menor duração, que são considerados cursos de nível superior técnico, ou, então, cursos mais longos, como os de bacharelado, pós-graduação ou mestrado. 

Apesar das diferenças, alguns requisitos valem para qualquer destino: 

É necessário ser proficiente no idioma

Independente do destino escolhido, é preciso ter proficiência. Contudo, há mais de uma forma de comprovar o seu nível no idioma, e, em alguns lugares, não é necessário apresentar o tradicional TOEFL ou IELTS. Caso você não saiba, esses são os exames de proficiência em língua inglesa internacionalmente reconhecidos, sendo o IELTS o mais aceito internacionalmente. 

Em alguns países como o Canadá, Estados Unidos e Reino Unido, por exemplo, é possível fazer um curso preparatório. Por meio dele, você comprova o seu nível de inglês e dispensa a necessidade de fazer um exame oficial, entretanto, o nível exigido, tanto para ingressar no preparatório, quanto para sair dele, também pode variar conforme a instituição escolhida. 

Não sabe onde se encaixa o seu nível no idioma? Então conheça o Quadro Europeu de Línguas

Documentação

Quem pretende fazer uma faculdade no exterior deve ter em mente que há uma série de documentos necessários. Histórico de desempenho escolar, comprovação financeira, solicitação do visto, passaporte.. enfim, existem diferentes solicitações e exigências, de acordo com o país e instituição escolhida. Porém, é importante ficar de olho em toda a documentação necessária para que não falte nada no momento que você precisar. O mais indicado é ter acesso a uma lista de tudo aquilo que você poderá precisar e começar a reunir essas informações o quanto antes, mas fica tranquilo(a) que a TM pode te ajudar com tudo isso, tá bem?

 

Por onde começar para fazer uma faculdade no exterior? 

O mais indicado é que você busque todas as informações necessárias sobre o programa que pretende fazer antes mesmo de qualquer planejamento. Para isso, ter o auxílio de uma agência de intercâmbio especializada é fundamental. A experiência que os profissionais dessas empresas possuem torna o processo muito mais simples, agradável e eficiente. 

Além disso, empresas comprometidas oferecem todo o suporte necessário, desde a orientação acadêmica, cursos preparatórios até a colocação universitária, ou seja, uma assistência completa do início ao fim do processo. 

Então, caso você pense em viver a experiência de fazer uma faculdade no exterior,  entre em contato com nossos consultores. Eles terão o maior prazer em explicar sobre as possibilidades existentes e regras de cada um dos destinos disponíveis. Você pode escolher entre Austrália, Canadá, Estados Unidos, IrlandaPortugal, Reino Unido ou Nova Zelândia para concretizar o seu plano de fazer um ensino superior fora do país e decolar sua vida profissional.

Entre em contato com a TravelMATE pelo WhatsApp , solicite informações sobre o  Higher Education e comece a se preparar para estudar em uma das melhores instituições de ensino superior do mundo. 

 

Onde é mais barato fazer intercâmbio?

Uma das primeiras questões que aparecem na hora de escolher o destino para seu programa de educação internacional é a melhor relação custo X benefício. E pela lógica, parece mais vantajoso optar por países onde a moeda tem o câmbio mais baixo. É muito comum ouvir nossos futuros mates dizerem “Quero Canadá pois o dólar canadense é mais baixo” ou, sob a mesma ótica, “Meu sonho é ir para o Reino Unido, mas não consigo, pois a libra é muito alta”.  Essa lógica faz até algum sentido, porém você verá a seguir que o câmbio em si não é o principal fator determinante na hora de escolher o seu destino e analisar o preço do intercâmbio.

Mas se o euro vale mais que o dólar, como é possível que essa lógica não seja verdadeira?

 

Antes de continuar, é importante saber que os preços, seja para o que for, são formados através de uma mescla de vários outros fatores locais de cada país: impostos, abundância ou escassez do item no local (ou seja, é produzido localmente ou é necessário importar?), custo de vida local, questões trabalhistas, preços praticados no mercado imobiliário, entre muitos outros. 

Uma banana no Brasil tem um preço bem mais acessível do que, digamos, na Islândia. Um vinho francês no Brasil custa mais que um vinho nacional, enquanto que na França o vinho nacional (que, no caso, vem a ser francês!) pode ser encontrado por preços infinitamente menores. Deste modo, tudo é muito relativo.

Sabe aquela história do amigo que comprou um i-Phone nos EUA pois o preço lá é muito melhor?  Ou o casal que foi para Miami comprar o enxoval do bebê que está para chegar? Pela lógica do câmbio, já que o dólar é mais alto que o real, não faria sentido fazer uma viagem internacional para comprar um telefone ou roupinhas de bebê – pois se o real vale menos, aqui em tese seria mais barato! 

Tudo faria sentido se os preços fossem exatamente os mesmos em qualquer parte do mundo, ou seja, se um determinado item custasse 1000 moedas locais, por exemplo.  Então na Inglaterra seriam 1000 libras, na União Européia 1000 euros, nos EUA 1000 dólares americanos, no Canadá 1000 dólares canadenses, e assim por diante. 

E deste modo tudo no Japão custaria uma bagatela – a cotação do iene está sempre na casa dos poucos centavos em relação ao real brasileiro.  Percebe que na prática a coisa não funciona bem assim?  Cada item de consumo tem números diferentes e por isso simplesmente fazer a conversão não mostra a realidade dos fatos!

E como isso tudo funciona em relação ao preço do intercâmbio?

Qual o preço do intercâmbio?

 

Um programa de intercâmbio pressupõe alguns itens básicos que compõem o preço do curso.  Acomodação também é um fator mega importante, pois envolve também custo de hospedagem que varia muito conforme a localização.  Mas vamos nos ater apenas à parte que diz respeito ao curso propriamente dito.

Como em qualquer escola do mundo, existe um componente que é a taxa de matrícula – que nada mais é que o primeiro passo para inscrição em um curso, seja ele qual for.  Vamos comparar este único item aqui, sem entrar em pormenores. Como referência, vamos nos basear numa mesma escola parceira, que oferece cursos na maior parte dos destinos mais populares para intercâmbio. Para facilitar a compreensão, colocamos a conversão para reais ao câmbio do dia em que este post foi escrito. 

Taxas de matrícula de uma mesma escola em diferentes destinos:

Claro, esta é apenas uma pequena parte do todo, mas serve para ilustrar que o câmbio mais alto ou mais baixo não é o que deverá guiar a escolha.  Se seu sonho é ir à Inglaterra, não deixe se intimidar pelo preço da libra, você poderá se surpreender positivamente.  Se sua escolha é o Canadá só porque ouviu falar que “ preço do intercâmbio no Canadá é mais barato por causa do dólar canadense”, compare outras opções também.

Moral da história: “Quem converte não se diverte”

O objetivo aqui não é de forma alguma incentivar ou desincentivar um ou outro  destino para seu intercâmbio. Temos um portfolio bem abrangente e você poderá fazer sua escolha.  Mas antes de decidir, ouça primeiro seu coração. Se seu desejo é fazer seu curso na Europa, vá em frente.

Se seus olhos brilham mais pelo Canadá, vá em frente também. Coloque tudo na balança e você verá que o preço do intercâmbio será o último dos fatores que te ajudarão a decidir pelo destino. Ainda na dúvida? Clique aqui e fale conosco, será um prazer participar dessa decisão com você! Ou mande uma mensagem em nosso WhatsApp

Estudar e trabalhar no Canadá: tudo o que você precisa saber

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 206 0

Ah, o Canadá! País que fala duas línguas, com suas paisagens radicais e de tirar o fôlego – assim como o frio de até 40 graus negativos. Economia forte e centro de encontro para diversas culturas do mundo inteiro. Esses são alguns dos motivos que transformaram esse país da América do Norte em um destino muito procurado pelos brasileiros. Aliás, está cada vez maior o nosso interesse em estudar e trabalhar no Canadá. Você também está nessa?

Porque você deve considerar estudar e trabalhar no Canadá 

 

 

Estudar no Canadá é incrível! Você deve considerar o lugar especialmente pela qualidade de ensino, segurança e por todo o seu multiculturalismo que demonstra o quanto as pessoas sentem prazer em compartilhar suas experiências de vida. 

Isso tudo faz com que o país seja acolhedor e faça com que estudantes de diversas partes do mundo se sintam em casa. 

Então, para os que sonham em passar uma temporada no exterior, fazer um intercâmbio que permite estudar e trabalhar no Canadá tem ótimas vantagens. Apesar de processo para entrar no país ser um pouco mais exigente do que o de outros países como IrlandaAustrália por exemplo. É um “esforço” que vale muito a pena! 

Então, nós vamos explicar tudo o que você precisa saber, se escolheu – ou pretende escolher – o Canadá como destino do seu intercâmbio. 

 

Língua oficial

Bem, sem dúvidas essa é uma das questões de destaque, já que o Canadá é bilíngue.  Isso mesmo! No país existem dois idiomas oficiais: o inglês e o francês. Porém, a maioria das pessoas fala o inglês, principalmente em Vancouver e Toronto.

As duas cidades estão localizadas em diferentes províncias: Toronto fica na província de Ontário, com um centro comercial completo, áreas verdes incríveis e pontos turísticos dignos de serem conhecidos, como a Yonge-Dundas Square a famosa “Time Square” de Toronto.Já Vancouver fica na província de Colúmbia Britânica e é uma típica cidade  de cartão postal, de um lado rodeada pelo mar e de outro cercada por montanhas nevadas que proporcionam paisagens naturais incríveis.  

Contudo, quem decide ir para Quebec ou Montreal – situadas na província de Quebec – vai se deparar com a 80% das pessoas falando o francês, que é, inclusive, a língua oficial da província.

Ou seja, isso é realmente um grande atrativo para quem pensa em estudar e trabalhar no Canadá. 

Economia 

A moeda local é o dólar canadense (CAD) e o salário mínimo é diferente em cada região. Para que se tenha noção, na província de Ontário até setembro de 2020, o salário mínimo é de 14 dólares canadenses por hora. Entretanto, a partir de outubro está previsto um reajuste que aumentará ainda mais esse valor. Já na província de Quebec o salário mínimo é de 13,10 dólares canadenses por hora de trabalho.

Os programas que permitem estudar e trabalhar no Canadá dão direito ao estudante 20h semanais de trabalho. Com isso, a estadia no país é ainda mais tranquila, já que dá pra custear os gastos.  

Mas, nós precisamos ser sinceros! O custo de vida pode variar muito de região para região, e até mesmo dentro da mesma cidade. As mais procuradas Vancouver e Toronto, por exemplo, tem o custo mais alto do que em Edmonton e Montreal. A boa notícia é que nos locais em que o valor pago por hora é menor, o custo de vida também é mais baixo. E vice e versa!

Clima

Está aí algo que o estudante deve estar preparado, pois o clima é muito diferente do Brasil. As temperaturas são muito baixas, o vento é cortante e há muita neve em determinados locais. Para quem gosta de frio é o pacote ideal! 

Em algumas regiões como em Alberta, Saskatchewan e Manitoba, no inverno as temperaturas geralmente beiram os  – 15ºC, podendo chegar a – 40ºC (sim, congelante!). E essas temperaturas podem permanecer assim por até seis meses. Por isso, é importante estar ciente que as coisas serão bem geladas por lá. 

É claro que as casas, o transporte e o comércio possuem sistemas de aquecimento, mas mesmo assim pode ser um choque para alguns brasileiros ter que enfrentar essa alteração climática. 

 

Cultura Canadense 

 

Como nós citamos anteriormente o país é multicultural. Com isso, além dos próprios canadenses é possível, e até bem provável, ter contato com pessoas de outras nacionalidades no dia a dia. Aliás, é muito comum criar uma rede de contatos com muita diversidade cultural. 

Além dos idiomas oficiais, as diferentes nacionalidades permitem que você entre em contato com pessoas que falam outras línguas como espanhol, italiano e até algumas asiática. Já pensou voltar do Canadá sabendo também algumas palavras em japonês? No mínimo inusitado. 

Em contrapartida, os canadenses costumam ser mais reservados, o que não quer dizer que a receptividade com os brasileiros não seja boa.  Muito pelo contrário. As pessoas são extremamente educadas – característica marcante –  o que torna tudo muito convidativo para os imigrantes. 

Outro aspecto positivo são os festivais culturais que acontecem no país. Essa é uma ótima oportunidade de conhecer mais sobre a nação e a mistura entre os povos europeus e os nativos..  

Uma data muito importante para o país é o 1º de julho, feriado nacional que é comemorado o Dia do Canadá. A data marca a união de três províncias coloniais: Canadá, Nova Escócia e Nova Brunswick, que resultaram na formação do país. 

Além disso, o país é riquíssimo em belezas naturais. Existem muitos parques e o Canadá é o lugar com maior número de lagos do mundo. Tanto no verão quanto no inverno é possível aproveitar uma variedade de passeios ao ar livre.

E como é possível estudar e trabalhar no Canadá? 

estudar e trabalhar no Canadá

Antes de qualquer coisa é preciso dizer que o país é referência em qualidade de ensino. Justamente por isso acaba sendo o destino ideal para quem pretende estudar no exterior. Isso acontece devido ao fato do país ser um dos que mais investe em educação. Tanto que a taxa de analfabetismo é quase nula. Para que se tenha ideia no Brasil em 2019 essa taxa era de 6,6%. 

E assim como em relação a alfabetização, a taxa de desemprego é quase zero. O que favorece muito as possibilidades para quem pretende encontrar um emprego. 

 

Intercâmbio

Lembra que lá em cima, na abertura do post, nós dissemos que o processo para quem pretende ir pro Canadá é um pouco mais complicado? Pois bem! A primeira questão é que, diferente de outros países, só é permitido estudar e trabalhar no Canadá se o aluno estiver matriculado em cursos profissionalizantes ou superior com duração mínima de 24 semanas. 

Com isso, o aluno tem permissão para trabalhar 20 horas semanais em paralelo ao curso. O trabalho ou estágio pode ou não ser remunerado, e o salário varia conforme a atividade e o nível de inglês do estudante.

 

Como obter o visto para estudar e trabalhar no Canadá?

Para que o estudante consiga o visto com permissão de trabalho é necessário estar matriculado em um curso profissionalizante ou superior com duração maior do que 6 meses em alguma das instituições aprovadas pelo governo Canadense. 

Antes até era possível trabalhar no país através de cursos de idiomas, mas isso foi suspenso e, como dito, é necessário atender a alguns requisitos básicos diferentes do que os exigidos em outros países.  

Outra possibilidade de trabalhar no Canadá é a convite de alguma empresa. Mas para isso é necessário o Labour Market Impact Assessment (LMIA), documento emitido pelo Human Resources Canada, que é como o Ministério do Trabalho aqui no Brasil.

Através dele a empresa canadense tem direito de contratar um funcionário estrangeiro quando comprova que não conseguiu encontrar um nativo ou algum profissional que resida no país para ocupar o cargo. Porém, esse processo além de ser complexo é muito caro para as empresas. 

 

O que é necessário para aplicação do visto: 

Inglês avançado: Como falamos, cursos de idioma não permitem mais trabalhar. Com isso, é necessário ter domínio da língua para que se possa absorver o que será ensinado. No entanto, caso o nível não esteja de acordo, o aluno pode estudar o idioma até conseguir chegar ao nível desejado. Porém, durante esse período fica proibido de trabalhar. 

Tem dúvidas em relação ao seu nível de idioma? Confira o post sobre o Quadro Europeu de Línguas. 

Comprovação financeira: Isso é importante para que eles tenham certeza que o estudante tem condições de se manter no país durante o período do curso. Por isso, é preciso comprovar capacidade de pagar os estudos em sua totalidade, incluindo acomodação, alimentação e a passagem para voltar ao país de origem. 

Exame médico: É exigido exame médico para quem vai permanecer mais do que 6 meses no Canadá. Para isso, é necessário consultar com um dos médicos brasileiros aprovados pelo governo canadense. Ele emitirá seu exame diretamente para o governo do Canadá, que irá verificar se está de acordo com os requisitos da imigração. 

Declaração de motivação: Sim! É necessário convencer o governo que sua motivação para ir estudar no Canadá não é apenas uma desculpa para viver no país. Eles irão avaliar as razões e decidir se elas são verdadeiras ou não. Aliás, é importante deixar claro que há intenções de retornar ao Brasil. Se os oficiais acharem que o estudante pretende ficar por lá, podem negar o visto. 

Informações sobre o curso: É essencial saber todas as informações referentes ao curso escolhido: duração, localização da instituição, tipo de curso, período das aulas. Como o governo é muito exigente, quanto mais informações, maior a probabilidade do visto ser aprovado. 

 

Quais opções de cidades para estudar e trabalhar no Canadá?

Existem diversas opções para quem quer se aventurar e desfrutar de todas as maravilhas que um intercâmbio no país oferece. Os principais destinos são:

 

Ottawa

 

Ottawa é a capital do Canadá, mas muitas pessoas acham que a capital é Toronto. Para quem busca uma imersão total na cultura do país é uma excelente opção! Cerca de 80% da população é nativa. A “capital nacional da alta tecnologia”, como é conhecida, possui muitas empresas voltadas ao segmento. Por isso para os profissionais da área de Tecnologia da Informação é o destino ideal, já que por lá existem grandes empresas do ramo. 

Na capital também estão localizadas grandes áreas verdes que proporcionam uma paisagem exuberante. No verão as temperaturas podem alcançar 30º enquanto no inverno pode ser até 2ºC negativos. 

 

Toronto 

 

Por ser a maior cidade do Canadá as pessoas acabam se confundindo e achando que é a capital do país. Mundialmente conhecida pela beleza do Lago Ontário, a cidade já foi escolhida como uma das melhores do mundo para se viver. Isso se dá, principalmente, pela questão do baixo índice de criminalidade. 

Toronto é um local de mente aberta! Tanto que é super comum ver profissionais qualificados fazendo um freela aos finais de semana para garantir aquela graninha extra.

A cidade também é conhecida pelo seu multiculturalismo e receptividade com imigrantes. Também há muitas oportunidades de emprego e ótimas instituições de ensino. O modelo de educação do país é referência e por conta disso atrai diversos estudantes do mundo todo.

O clima em Toronto tem as estações bem definidas. O verão é quente com máximas que podem chegar aos 30ºC e no inverno a temperatura média fica entre 0ºC e – 4ºC. 

 

Vancouver

A cidade recebe milhares de turistas todos os anos e isso faz do turismo a segunda maior fonte de emprego (a primeira é a indústria madeireira). O turismo em Vancouver ficou em maior evidência após os Jogos Olímpicos de Inverno de 2010, que foram realizados na cidade e na região metropolitana. Os jogos chamaram a atenção para as lindas paisagens e para os programas de esportes na neve que ocorrem por lá.

Se você quer se especializar em comércio exterior, Vancouver é o destino perfeito! O porto de Vancouver é o maior da América do Norte, e gera grande parte da receita da cidade. Devido ao tamanho e a importância do porto a cidade recebeu vários traços culturais do mundo todo, principalmente vindos da Europa e da Ásia.

Além disso, Vancouver tem uma veia cinematográfica muito expressiva e perfeita para quem tem interesse em o aperfeiçoar o inglês para linguagem de roteiro, por exemplo. 

No inverno as temperaturas ficam entre 0ºC e 8ºC e no verão as máximas geralmente não ultrapassam os 22ºC. 

 

Montreal 

A cidade é a maior da província de Quebec e um dos principais centros comerciais, culturais e industriais da América do Norte.

Para os amantes do francês sem dúvidas é a cidade ideal, pois segunda maior que tem o francês como língua oficial. Depois de Paris, é claro! Mesmo assim, muitas pessoas falam o inglês por lá o que torna a cidade totalmente bilíngue.

Além disso, é uma ótima opção para os universitários que encontram por lá 2 duas universidades que têm como idioma principal e outras duas em que o inglês é a língua utilizada. Além disso existem mais de 12 faculdades o que torna Montreal uma cidade com excelentes possibilidades para quem pretende estudar e trabalhar no Canadá. 

 

Diferença entre College e University: você sabe como funciona o ensino superior no Canadá?

 

Para os estrangeiros que dominam mais de um idioma é um prato cheio, já que o setores de tecnologia e turismo são muito fortes na cidade e estão sempre preparados para empregar profissionais qualificados

O clima varia muito! No inverno o frio é intenso e no verão o clima é bem agradável. As temperaturas variam em média entre -13 e 26 graus durante o ano. 

Quebec City

A capital da província de Quebec é conhecida pelo seu clima tranquilo e pela neve, muita neve! 

 

Por ser uma cidade em que a economia está em expansão e com pessoas mais velhas, há menos pessoas ativas profissionalmente, isso favorece muito as oportunidades de emprego, principalmente para os estrangeiros que chegam com muita disposição para trabalhar. 

Porém, o francês é o idioma principal e o inglês acaba sendo mais notado em pontos turísticos. 

Existe outro detalhe muito importante que precisa ser considerado: Bota antiderrapante e casacos impermeáveis são indispensáveis. A grande vantagem desse frio todo é que durante o inverno acontece um festival incrível que movimenta a cidade. Inclusive é quando é possível ver o Ice Hotel, uma estrutura feita completamente em gelo e neve. 

A cidade é uma escolha interessante para os profissionais da tecnologia, pois lá está situado um dos polos tecnológicos mais expressivos e que recruta profissionais de outros países. 

No verão as temperaturas chegam aos 25ºC e no inverno podem marcar até – 15ºC. 

 

Como encontrar um emprego no Canadá

 

Os estrangeiros que vão estudar e trabalhar no Canadá podem trabalhar 20 horas semanais durante o curso. 

Como já citado, o salário mínimo varia entre as regiões, mas fica em torno de 14 dólares canadenses por hora trabalhada. O pagamento não é feito mensalmente como estamos acostumados no Brasil. É calculado de acordo com a quantidade de horas trabalhadas durante o mês. Fica a critério do empregador definir se a quantia será paga uma vez ao mês, quinzenalmente ou semanalmente. 

O requisito básico para sair em busca de um emprego, sem dúvidas, é o conhecimento do idioma. Depois, é claro, criar uma rede de contatos interessante com quem seja possível ter acesso às vagas disponíveis e até mesmo conseguir uma indicação. 

Demonstrar interesse pela busca de um oportunidade também é importante. Esse comprometimento para encontrar um emprego é visto com bons olhos. Mesmo que não se tenha muita experiência é essencial deixar claro que há muita vontade e disposição em aprender novas funções. 

 

Principais vagas de emprego para intercambistas 

 

Uma coisa é certa: quanto melhor você dominar o idioma, melhores serão as ofertas de emprego. 

Mas, de um modo geral, os estudantes brasileiros no Canadá costumam trabalhar em serviços de atendimento ao público e hotelaria. As principais funções são como atendente de loja, caixa de estabelecimentos comerciais, garçom, barista, auxiliar de cozinha. Ou seja, vagas mais operacionais que sempre tem alta demanda. 

Além dessas opções o aluno matriculado em cursos profissionalizantes tem a opção de fazer um estágio co-op, que faz parte da matriz curricular e, portanto, é obrigatório para a conclusão do curso. Mesmo durante o esse período é possível trabalhar no turno inverso, já que os estágios podem não ser remunerados. 

Há também o Post Grad Work Permit, uma permissão de trabalho para o aluno que concluir uma graduação em uma das instituições aceitas pelo governo. A solicitação do visto pode ser feita ao terminar o estudo e nem todos os programas se enquadram nessa possibilidade.

Programas disponíveis para estudar e trabalhar na Canadá

 

Bom, nós trouxemos várias razões que tornam o país muito atrativo para o intercâmbio. O programa ideal para quem quer estudar e trabalhar no Canadá é o Study&Work. Com duração mínima de 24 semanas é possível encontrar cursos em diversas áreas como Administração, Negócios, Turismo, Gestão de Projetos, TI, Marketing, entre outras. Para isso, é essencial ter conhecimento prévio no idioma. 

Com as 20h semanais que o visto de estudante permite que o aluno trabalhe dá pra ajudar a manter o custo de vida e ainda adquirir conhecimentos que nenhum curso ensina, por mais qualificado que seja.  

As habilidades adquiridas são um grande diferencial para a vida pessoal e profissional. Quem vai estudar e trabalhar no Canadá volta com um currículo super valorizado e consegue reconhecimento no mercado pela experiência de ter morado fora. 

Contando com a TravelMATE, mesmo que o processo seja mais burocrático, você pode se dedicar em sua escolha profissional enquanto nós auxiliamos em todos os detalhes que você precisa. 

E então, vamos embarcar nessa experiência única?  Clique aqui e fale com um de nossos consultores! 

 

Quadro Europeu de Línguas: O que é e para que serve?

Todos aqueles que se matricularam em cursos de idiomas alguma vez na vida já se depararam com diferentes nomenclaturas para descrever o seu nível: Livro 1, Livro 2, Básico, Intermediário, Avançado, Starter, Progress, etc. Algumas ainda subdividem os níveis já existentes: Básico 1, Básico 2, Pré-Intermediário, Pós-Intermediário e por aí vai. E não há nada de errado nisso. Ao se transferir de uma escola para outra, com nomenclaturas diferentes, pode gerar alguma confusão, mas não chega exatamente a ser um problema. O que importa, na real, é o quanto cada um consegue se expressar em outro idioma. Justamente por isso, foi criado o Quadro Europeu de Línguas.

Por que o Quadro Europeu de Línguas foi criado? 

Com a unificação da Europa e a criação de um espaço de Livre Comércio e circulação entre os países integrantes desta União, os cidadãos passaram a assumir posições de trabalho e residência em países vizinhos – o que na Europa geralmente envolve uma nova língua.

Imagine a situação: ao se acertarem os detalhes de um processo de seleção numa empresa belga, cujo melhor candidato é espanhol, aparece a grande pergunta: “Você fala francês?” “Sim, estou no nível intermediário!” O que isso quer dizer?

A menos que a resposta fosse um redondo ‘não’, qualquer outra resposta seria igualmente evasiva: o que significa exatamente estar no nível intermediário? Se incluirmos as possíveis variáveis, a dúvida é ainda maior. Qual a diferença entre pós-intermediário e pré-avançado, na prática? E como saber se é isso mesmo?

Para resolver a questão e padronizar o entendimento, o Conselho Europeu instituiu uma régua mais objetiva que demonstra o que um falante de língua estrangeira consegue produzir. Com isso, procurou dar mais ênfase ao que ele de fato consegue produzir no segundo idioma.

Esta padronização foi apelidada de “Can Do (ou seja, “Consegue fazer”). E assim surgiu o Quadro Comum Europeu de Referência para Línguas, ou Common European Framework of Reference for Languages (CEFR). Inicialmente idealizado para resolver uma questão entre as línguas da Europa, o quadro foi sendo aos poucos reconhecido e adotado ao redor do mundo.

Leia: O que ninguém te contou sobre o que fazer antes de entrar na faculdade

quadro europeu de línguas

Como funciona o Quadro Europeu de Línguas?

O CEFR abrange basicamente 3 patamares principais: falante básico, independente e proficiente. Se você consegue se expressar, compreender e ser compreendido sobre a boa parte dos assuntos que fazem parte do seu dia-a-dia, ainda que de maneira simples, podemos concluir que você é um falante que “transita” pelo patamar da base necessária para se expressar num idioma.

Se além dessa habilidade você tem um repertório de vocabulário um pouco mais abrangente e específico para cada situação, maior desenvoltura, consegue acompanhar pensamentos um pouco mais complexos, mesmo com alguns eventuais deslizes, você pode se considerar um falante independente.

Discurso mais elaborado, vocabulário mais preciso e nuances idiomáticas mais sutis (como ironia e humor negro, por exemplo) são características que demonstram que um aprendiz de idiomas é proficiente.

Para simplificar e agilizar a conceituação, chama-se de A o falante básico, B o independente, e C o proficiente. Como pode haver diferenças significativas dentro de um mesmo patamar, foi estipulado dividi-los em 2 subníveis cada, representadas pelos números 1 e 2.

E assim surgiram os famosos níveis no Quadro Europeu: A1, A2, B1, B2, C1, C2. Portanto, mesmo que você não fale uma palavra de alemão, é possível estimar o que um estudante de alemão é capaz de produzir quando ele diz que é B1, por exemplo. Esta classificação mostrou-se bastante útil em processos seletivos de empresas e principalmente em processos de admissão em instituições de nível superior ao redor do mundo.

Todas as escolas de idiomas utilizam essa classificação?

Muitas escolas de idiomas já utilizam essa classificação para nivelar seus alunos enquanto outras continuam utilizando outras nomenclaturas. Porém todas, sem exceção, têm a devida correspondência ao Quadro Europeu. Assim, se na escola onde você estuda inglês você está no nível Progress 2, informe-se com a equipe pedagógica e saiba a qual nível do CEFR seu estágio corresponde.

Os exames TOEFL, IELTS e Cambridge também tem diferentes metodologias para apresentar resultados, mas todos eles convergem a uma equivalência aos níveis do CEFR. Assim fica muito mais fácil saber em que ponto estamos e quanto falta para atingir nossos objetivos, né?

Ficou curioso sobre a descrição de cada um dos 6 níveis? Veja aqui o que a Wikipedia diz a respeito do CEFR.

 

Estudar e trabalhar na Austrália: tudo que você precisa saber

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 115 0

Se você já pensou alguma vez em estudar e trabalhar na Austrália, não pode deixar de conferir este artigo. Nele, você encontrará as informações mais importantes para que possa colocar esse pensamento em prática! 

Afinal, realizar aquilo que você quer para sua vida, só depende de você, não é mesmo? 

Estudar e trabalhar na Austrália: um sonho de muitos! 

A Austrália sem dúvida alguma é um dos destinos mais procurados por quem pensa em fazer um intercâmbio. E isso acontece pelo fato do país ter muitas coisas a oferecer para quem escolhe viver lá. 

Aliás, quem nunca imaginou poder ver grandes nomes do surf bem de perto em praias paradisíacas e conhecidas mundialmente por suas ondas perfeitas? Convenhamos, só isso já torna o lugar muito atrativo. 

Mas, se você não é do tipo que se importa com surf, saiba que existem muitas outras coisas a serem exploradas no país. Vai dizer que não seria mágico um mergulho em meio aos corais de um mar cristalino? 

A grande verdade é que estudar e trabalhar na Austrália é uma ótima oportunidade! A diversidade cultural, somada à receptividade dos australianos, tornam o local ideal para quem pretende se aventurar mundo afora para aprender ou aprimorar o inglês. Melhor ainda tendo a possibilidade de trabalhar e conseguir juntar uma graninha pra poder se manter e aproveitar todos os benefícios – e muitas belezas naturais – que o país proporciona. 

 

Língua oficial 

 

O idioma falado na Austrália é o inglês. Porém, o sotaque dos australianos costuma ser bem peculiar e pode variar de acordo com a região. O que não significa que não seja fácil de entender. Existem muita gírias e inicialmente pode ser mais complicado saber como usá-las, mas conforme você vai se acostumando, tudo flui naturalmente. 

E esse é um dos grandes diferenciais de aprender um idioma em outro país! Além do suporte das aulas do curso de inglês, é possível vivenciar a cultura local e assim aprender o que não é ensinado em sala de aula. 

 

Economia

Se você pretende estudar e trabalhar na Austrália, é bom saber o mínimo sobre a economia de lá, que é bem diversificada. O país é conhecido como um grande exportador de alimentos e minérios. Contudo, o setor que mais gera empregos na Austrália é o turismo, o que inclusive facilita que o intercambista encontre um emprego, já que há maior demanda para serviços operacionais em locais como bares, hotéis e restaurantes.

A moeda local é o dólar australiano (AUD), que inclusive é a oitava moeda mais utilizada no comércio estrangeiro. 

O salário mínimo é de 19,49 dólares australianos por hora trabalhada, mas algumas funções podem pagar até AU$ 30,00/hora. 

De acordo com os últimos dados divulgados pelo Departamento de Imigração e Cidadania da Austrália, o custo de vida de um estudante é de aproximadamente AU$1.690,00 mensais. Considerando que geralmente os estudantes recebem mais que o salário mínimo e contando com uma jornada semanal de 20 horas, dá tranquilamente para se manter no país

Clima 

Esse é um dos grandes atrativos para os brasileiros que pretendem estudar e trabalhar na Austrália, já que o clima é bem parecido com o que temos aqui no Brasil. 

Como nós falamos antes, praias australianas são uma ótima pedida para os amantes do surf, sol e águas cristalinas. Mas, mesmo no inverno é possível curtir as maravilhas naturais das cidades australianas. O sol brilha bastante! Por isso até em dias de temperaturas mais  baixas o clima fica muito convidativo para quem adora uma aventura.  

 

Cultura Australiana 

 

Os australianos são muito simpáticos e receptivos e uma das características do povo é o multiculturalismo. Por ter tantas pessoas das mais variadas etnias, é considerado um dos países com a maior diversidade cultural do mundo

A maior parte da população é jovem e os brasileiros se sentem muito à vontade com os australianos. E acredite, esse clima acolhedor facilita muito o processo de adaptação!

Entretanto, não somente de belezas naturais o país é feito! Algumas regiões tem uma vida cultural bem ativa. Existem muito parques temáticos, de diversão, restaurantes, bares, casas noturnas, cassinos. Lá também você poderá encontrar montanhas impressionantes, mergulhar em lindas cachoeiras e ver os famosos cangurus! 

E assim como um bom brasileiro, os australianos valorizam muito os momentos de lazer. Apreciam um bom churrasco, adoram tomar uma cerveja e compartilhar bons momentos. Não precisa nenhum motivo especial para reunir os amigos em casa ou em algum outro lugar.

E como é possível estudar e trabalhar na Austrália? 

Agora que você já sabe o principal sobre o país, vamos ao que interessa: como você pode fazer para estudar e trabalhar na Austrália!

O que não foi dito até agora é que outro ponto de destaque é a qualidade do sistema de ensino do país. Falando em universidade, por exemplo, das 200 melhores no ranking mundial, 7 são australianas. 

E isso reflete na qualidade do ensino como um todo. É possível encontrar excelentes opções de instituições que oferecem um ensino de alta qualidade! Portanto, o intercâmbio que une estudo e trabalho é certamente a melhor maneira de chegar até lá! 

 

Intercâmbio 

O intercâmbio para quem pretende estudar e trabalhar na Austrália deve ser ter uma duração mínima de 14 semanas. Uma das grandes vantagens é a possibilidade de trabalhar, mas para isso, é necessário estar matriculado em um algum curso de inglês, profissionalizante ou superior.

O fato de poder trabalhar enquanto faz o intercâmbio ajuda, inclusive, com que você consiga se manter por mais tempo no país. Além disso, fazendo um bom planejamento é possível guardar dinheiro para viajar para outros lugares, até mesmo para se aventurar por alguns dos locais mágicos do sudeste Asiático!

 

Como obter o visto para estudar e trabalhar na Austrália 

Para entrar no país é necessário fazer a solicitação do visto antes da viagem. O mais indicado é que o visto seja solicitado com um mínimo de 2 meses de antecedência do embarque. Isso porque alguns processos podem demorar mais que do que outros.  

O visto que deve ser aplicado para que se possa estudar e trabalhar na Austrália é o visto de estudante. Soa um pouco estranho, mas é justamente esse o visto que permite trabalhar enquanto estuda. Para isso, é necessário ter mais de 18 anos, estar matriculado em um curso com duração acima de 14 semanas, como já citamos, e então você terá permissão para trabalhar 20h por semana. O consulado normalmente concede 4 semanas extras de férias depois que o curso termina e nesse período a jornada de trabalho pode ser de até 40h semanais

O processo é feito obrigatoriamente online através de um sistema. Nele, você responderá seus dados pessoais, familiares, histórico acadêmico, profissional, detalhes sobre o curso que você pretende realizar no país e, claro, a comprovação financeira de que você consegue se manter lá durante o período do curso. 

 

Confirmation of Enrolment (COE)

 

Antes mesmo de iniciar o processo de aplicação do visto, é necessário estar matriculado e ter realizado o pagamento integral do curso. Com isso, a instituição que você escolher emitirá o COE (Confirmation of Enrolment), muito importante para o processo dar certo. 

 

Genuine Temporary Entrant (GTE)

 

O critério GTE é utilizado para garantir que o estudante realmente se matriculou no curso para aprender, não apenas como porta de entrada para permanência do país. O candidato deve fazer uma carta justificando o  motivo pela qual pretende estudar na austrália e que o objetivo é permanecer no país temporariamente, pelo tempo de duração do curso. 

Seguro saúde e exame médico 

Quem pretende aplicar o visto para estudar e trabalhar na Austrália, precisa ter o seguro saúde obrigatório do governo australiano o Overseas Student Health Cover (OSHC). Assim como o curso, no momento em que o visto for aplicado é necessário comprovar o pagamento. 

Além do seguro saúde, o governo australiano exige exame médico para os intercambistas que pretendem ficar no país por um período superior a seis meses. Se o tempo de permanência for menor, o exame pode, ou não, ser solicitado.  

E você deve estar se perguntando: mas e seu eu quiser ficar mais tempo que o previsto, é possível? 

Sim! Além de ser possível, é o que geralmente acontece. A Austrália e toda a hospitalidade dos australianos encantam a qualquer um. Então é bem provável que você queira ficar ainda mais tempo por lá. Aliás, o próprio consulado já identificou que 70% dos intercambistas brasileiros não retornam no tempo previsto. 

 

Quais opções de cidades para estudar e trabalhar na Austrália

Uma das características do país é a sua versatilidade em atender bem a diferentes perfis de intercambistas que pretendem estudar e trabalhar na Austrália. Por isso, não vai ser difícil encontrar um lugar que esteja mais de acordo com seu estilo de vida. 

 

Os principais destinos são: 

 

Brisbane

 

Estudar e trabalhar na Austrália

Brisbane é a única capital subtropical da Austrália, com isso, seus dias são ensolarados e as noites são refrescantes. A cidade tem como apelido ‘Cidade do Sol’.

Ou seja, é a escolha certa para quem não curte muitos dias de chuva, já que são, em média, 300 dias de sol ao ano! Dessa forma, para quem gosta de aproveitar a vida ao ar livre, dificilmente a chuva irá atrapalhar o programa. Por lá há muitos festivais e apresentações em locais públicos e privados.

 

Melbourne

Estudar e trabalhar na Austrália

Melbourne é a segunda cidade mais populosa do país. Diferente de Brisbane, Melbourne é um local mais frio e no inverno costuma chover bastante. Mas não se preocupe! As chuvas costumam ser tão rápidas que em muitos casos nem dá tempo de desmarcar o programa. 

A cidade é um importante centro internacional de artes cênicas e visuais. E não por menos é considerada a capital cultural da Austrália.  

Seja para morar, estudar ou trabalhar, Melbourne possui a combinação perfeita de uma cidade urbana, moderna e com lindas praias. 

 

Gold Coast

 

Estudar e trabalhar na Austrália

A “Costa Dourada” é o destino ideal para os amantes do das ondas. Inclusive a primeira etapa do Circuito Mundial de Surf acontece por lá. Não precisa nem dizer o quanto esse evento movimenta a cidade, não é? 

Além das belezas naturais e da presença de animais nativos como wallabies (pequenos cangurus), koalas e  iguanas, a vida noturna é bem agitada! Por lá você encontra muitos pubs, baladas e festas que começam ao entardecer. Então, se você tem alma jovem, Gold Coast é o seu destino! 

Em relação a economia, é a cidade que mais se desenvolveu em 2019. Se você é da área de marketing, fotografia ou design, é bom saber que existe uma alta demanda desses profissionais lá!  

 

Perth

Estudar e trabalhar na Austrália

 

Perth é conhecida por ser uma cidade muito organizada! Em todos os bairros existe um centrinho comercial com os mais diversos serviços: restaurantes, cabeleireiros, cafés… 

É uma cidade mais diurna e o estilo de vida é muito tranquilo. Você conseguirá perceber que o easy-going style é bem presente na cidade. Inclusive é super comum ver os nativos andando descalços pelos mais variados lugares. 

Durante o inverno apresenta chuvas frequentes. Mas caso sua ideia seja fugir um pouco dos conterrâneos, pode ser uma boa opção. Já que comparada aos outros locais tem menos brasileiros

 

Sidney

Sidney

Diferente do que a maioria pensa, Sidney não é a capital da Austrália! A capital australiana é Camberra. 

Porém sem dúvidas é a cidade australiana mais multicultural. Para quem gosta de opções, lá é possível encontrar diversos lugares legais pra visitar, baladas para curtir e diversas lojas para fazer umas comprinhas. Mesmo assim, não perde a tranquilidade da natureza, já que existem mais de 70 praias com águas cristalinas.

 

Como encontrar um emprego na Austrália

 

Nós sempre dissemos que a Austrália, em relação ao mercado de trabalho, é o destino ideal para pessoas proativas e que não têm vergonha de ir atrás de um emprego.

Imprimir um currículo e bater de porta em porta ainda é a maneira mais eficiente para conseguir um emprego. É claro que com a facilidade da internet essa busca pode ser feita online. Mas a dica é encontrar as oportunidades e, sempre que possível, tentar ir pessoalmente se oferecer para a vaga. 

Até porque é muito comum que os contratantes peçam para que o candidato faça um trial. Então, além de ir atrás da oportunidade é importante já estar preparado, caso surja essa possibilidade. 

Em relação ao trabalho na Austrália, um dos atrativos é o salário mínimo, que em 2020 é de 19,49 dólares australianos por hora. Apenas para ter noção, no Brasil o valor da hora trabalhada é de R$ 4,54. Bem diferente, não é mesmo?

Porém, antes de sair em busca de uma oportunidade você deverá emitir o seu Tax file Number, que equivale ao CPF aqui no Brasil, e será solicitado pelo empregador. Ele é importante para que o contratante possa descontar o imposto do seu salário e pagar sua Superannuation, que é como o fundo de garantia.

A solicitação é feita online, leva cerca de 20 minutos e não tem custos.  

 

Principais vagas de emprego para intercambistas 

 

Uma das coisas que costumamos dizer aqui na TravelMate, é que o intercambista é quem faz o intercâmbio! E se desafiar é uma das principais maneiras de crescer, tanto pessoalmente quanto profissionalmente! 

Desse modo, é importante estar disposto a sair da zona de conforto e experimentar funções que talvez você nunca tivesse imaginado fazer! 

Se você não tem muito domínio da língua, inicialmente irá trabalhar em atividades que não exijam muita comunicação. Auxiliar na cozinha de um restaurante, trabalhar com limpeza, ser ajudante de construção, trabalhar com jardinagem… Essa última, por sua vez, dentre as citadas, é a função com melhor remuneração podendo chegar a 30 dólares australianos por hora. 

Conforme você for ficando mais familiarizado com o idioma poderá realizar atividades de maior contato com o público, o que é ótimo para colocar em prática o que está sendo ensinado em sala de aula. 

Para aqueles que pretendem trabalhar em uma área específica é essencial focar muito no aprendizado do idioma! 

 

As formas de remuneração podem ser: 

 

Part- time 

É como um emprego fixo que você trabalha às 20 horas semanais permitidas. Esse tipo de trabalho oferece os mesmos direitos que um trabalho em tempo integral, como férias e afastamento em caso de doença. O pagamento geralmente é feito quinzenalmente (ou a cada 40h de trabalho) e sempre via depósito na conta do estudante. É importante saber que desse pagamento já será descontado o imposto referente ao salário.  

 

Casual 

Normalmente acontece quando o trabalho é em eventos, bares e não acontece todos os dias, sendo normalmente mais comum aos finais de semana. 

Em alguns casos é possível trabalhar as 20 horas dessa forma, mas quem não consegue, geralmente tem um segundo emprego para completar a jornada. 

Nesse caso, o valor é pago via depósito em conta, já descontando o imposto, ou em cash hand.

 

Cash Hand

Nesse tipo de remuneração, a pessoa recebe o pagamento em dinheiro assim que conclui o serviço ou semanalmente. É o tipo de remuneração mais comum oferecida pelos empregadores. 

 

Programas disponíveis para estudar e trabalhar na Austrália 

 

Com tudo o que dissemos até agora, a maior certeza é que quem faz intercâmbio traz na bagagem competências e conhecimentos que vão muito além do aprendizado de outro idioma. 

Inclusive, todas as habilidades conquistadas, como independência, segurança e capacidade de se adaptar a diferentes situações, serão muito importantes quando você retornar. Qualquer desafio começa a ser encarado com muito mais confiança e tranquilidade. Sejam eles quais forem! 

O Study&Work é o programa destinado para quem pretende estudar e trabalhar na Austrália. Ele é destinado justamente para quem pretende aprender ou aperfeiçoar o idioma e ainda poder trabalhar em outro país. 

Nós sabemos que existem muitos detalhes a serem observados para que tudo dê certo no projeto de intercâmbio, mas não se preocupe! Nosso papel é justamente auxiliar para que todo o processo ocorra conforme deve ser! Para embarcar na maior vivência de sua vida solicite mais informações para nossos consultores através do WhatsApp.  

Estudar e trabalhar na Irlanda: tudo o que você precisa saber

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 289 0

Estudar e trabalhar na Irlanda é uma das possibilidades para quem pretende fazer um intercâmbio. Aliás, o país é um dos destinos mais escolhidos pelos brasileiros. Isso porque, além das questões relacionadas à segurança e qualidade de vida, outro grande atrativo é que lá é permitido trabalhar enquanto estuda. Ou seja, é possível fazer um curso de inglês, por exemplo, e conseguir se manter financeiramente no País.

Como existem muitas informações sobre estudar e trabalhar na Irlanda, nós elaboramos esse conteúdo com tudo o que você precisa saber antes de começar a planejar a sua viagem. 

Um pouco sobre o País 


Se você pensa em estudar e trabalhar na Irlanda, certamente já ouviu falar sobre os Leprechauns, a famosa cerveja Guinness, do St. Patrick’s Day, pubs e, claro, do U2! 

 

Morar na Ilha Esmeralda tem diversas vantagens. As pessoas são muito hospitaleiras por lá! Principalmente na capital, Dublin, que por ser uma cidade turística atrai milhares de pessoas de diferentes lugares durante o ano. A simpatia dos irlandeses e toda magia do folclore local faz do país o destino ideal para quem pretende fazer um intercâmbio. 

Aliás, para os que têm espírito aventureiro, a Irlanda é uma excelente oportunidade para realizar a Eurotrip dos sonhos! Se você tiver o visto Stamp 2 – falaremos mais adiante sobre ele – poderá aproveitar um período de férias depois do curso. E vai dizer que somente isso já não é um ótimo motivo para estudar lá? 

Outro grande atrativo para quem quer estudar e trabalhar na Irlanda é o fato de o país ter um dos salários mais altos da Europa, que em 2020 é de 10,10 euros por hora. Com isso, é ainda mais fácil se manter e economizar para fazer um mochilão ou até mesmo investir em outras qualificações.

Língua oficial

 

O país tem dois idiomas oficiais: o gaélico irlandês e o inglês. Porém, apenas 2% da população fala o gaélico como principal língua. Quase todos estão localizados em Conamara e nas Aran Islands, ambas no condado de Galway. 

O restante da população local tem, ao menos, noções básicas do idioma, já que seu ensino continua sendo obrigatório nas escolas. Aliás, todas as placas da cidades estão escritas nas duas línguas

 

Economia

 

Na Irlanda o mercado mais promissor está relacionado a tecnologia e serviços, inclusive é uma das principais exportadoras de software do mundo. O imposto corporativo lá, é de 12,5% o que torna o país muito procurado pelas empresas para instalação de suas sedes. Dessa forma, a economia foi alavancada e inclusive houve redução na taxa de desemprego.  

Atualmente o Euro é a moeda oficial da Irlanda, porém, antes do euro ser introduzido, em 1999, a moeda utilizada no país era a Libra Irlandesa.

 

Clima

Se você pretende estudar e trabalhar na Irlanda, é importante saber que o clima geralmente é úmido e ameno. Apesar de não serem intensas, a região apresenta altas probabilidade de chuva. 

O inverno é bem menos rigoroso do que em outras partes da Europa. Portanto, as menores mínimas costumam ser de 4 ou 5ºC. Mesmo no verão, entre julho e agosto, as temperaturas não costumam subir muito: ficam na faixa dos 25ºC. Claro que em alguns dias o termômetro pode subir um pouco mais! 

 

Cultura da Irlanda

O país é cheio de tradições históricas e os irlandeses se preocupam muito em preservar seus aspectos culturais

Saint Patrick’s Day certamente é a tradição mais conhecida de lá. O “dia de São Patrício”, padroeiro do país, é comemorado em 17 de março. A grande festa em que todos saem às ruas vestidos com as cores verde, branco e laranja, geralmente dura uma semana. Há muitas apresentações de artista locais e claro, a tradicional cerveja irlandesa. . 

Durante as comemorações é bem provável se deparar com imagens de duendes espalhados pelas cidades. Isso porque os irlandeses, pelo folclore local, acreditam que eles vivem no país bem antes da chegada dos celtas.  Segundo a lenda, eles se escondem e protegem potes de ouro e quem conseguir capturá-los poder fazer três pedidos. 

Outra presença marcante na cultura irlandesa é a música. Aliás, não por menos o símbolo oficial do país é justamente uma harpa. Existe uma grande influência celta no estilo musical irlandês. 

Frequentar os pubs também é algo bem cultural. São nesses locais que os irlandeses se reúnem para confraternizar e tomar uma cerveja. Aliás, a Guinness é a cerveja irlandesa mais conhecida. Produzida desde 1759, é considerada um símbolo no país.

E como é possível estudar e trabalhar na Irlanda? 

Bom, agora que você já sabe as principais informações sobre o país, vamos partir para o próximo ponto: como estudar e trabalhar na Irlanda! 

O país é realmente uma opção incrível para quem deseja fazer um intercâmbio. Lá existem diversas – e excelentes – opções de cursos de inglês, além de ótimas universidades para quem pretende fazer um curso superior na Irlanda.

Se você está buscando um programa de longa duração com permissão de trabalho, a Irlanda com certeza será um dos países com opções de melhor custo/benefício, e menos burocracia.

 

Intercâmbio

 

Através de um intercâmbio de estudo e trabalho no país, você conseguirá um visto de estudante que dará permissão de trabalho.

 

Para isso, é necessário ter mais do que 18 anos e estar matriculado em um curso com duração mínima de 25 semanas. Ou seja, o estudante estrangeiro só terá o direito de trabalhar se estiver matriculado em um curso com duração igual ou superior a essa carga horária, em cursos de inglês, profissionalizantes ou cursos de ensino superior, com no mínimo 15 horas semanais.

O aluno tem permissão para trabalhar 20 horas semanais durante o período do curso, e até 40 horas semanais no período de férias (que ocorram entre os meses de Junho a Setembro, e 15/12 a 15/01).

Como obter o visto para estudar e trabalhar na Irlanda

 

O processo de obtenção de visto de estudante na Irlanda é relativamente simples, como não há uma análise do perfil do estudante e a necessidade de aplicação prévia antes do embarque, o aluno precisará apenas preencher alguns requisitos que serão comprovados na imigração do aeroporto ao desembarcar na Irlanda (quando o estudante recebe um visto provisório para permanência no país), e, posteriormente, no escritório do GNIB para emissão do IRP (visto) propriamente dito, são eles:

– Matrícula em curso de inglês com duração mínima de 25 semanas, e carga horária de 15 horas semanais.
– Emissão do seguro de saúde obrigatório (incluso na maioria dos pacotes de intercâmbio)
Acomodação por no mínimo uma semana (sugerimos que você contrate no mínimo duas)

  • Passagem de retorno ao país de origem
  • €3.000 euros
Uma informação importante: se você realizar o seu intercâmbio em Dublin, precisará realizar o agendamento online de um horário na imigração para realizar a emissão do visto.

Indicamos que você comece a tentar agendar o visto em média 30 dias antes do embarque (sim, nem todos conseguem realizar o agendamento de primeira, como são pouquíssimos horários, é preciso muita paciência), e selecione um horário em média 30 dias após sua chegada na Irlanda, isso porque você precisará realizar uma série de processos antes de ir à imigração emitir seu visto – como por exemplo, encontrar um endereço definitivo na Irlanda.

A taxa de emissão do visto é de €300 euros, e pode ser abatido dos €3.000 que você precisa comprovar através de extrato bancário e/ou Postal Money Order. O pagamento dessa taxa ocorre apenas através de cartão de crédito/débito ou VTM.

Além desse valor, é importante que você tenha também uma reserva extra de em média €1.500 euros para as despesas iniciais, já que você não poderá utilizar os 3.000 euros até solicitar seu visto.

E antes de ir até a imigração precisará encontrar uma acomodação definitiva (pagando aluguel e um depósito caução que normalmente é cobrado)

É esse o visto que dará o direito de trabalhar 20 horas semanais durante a duração do curso e 40 horas semanais quando estiver de férias. Ele possibilita que o estudante permaneça legalmente no país por até 8 meses, período que posteriormente pode ser renovado

 

Cartão IRP

Desde 2017, o cartão GNIB, antigo certificado de registro, foi substituído pelo Irish Residence Permit (IRP). A função do cartão é comprovar que o titular registrou sua permissão para permanecer na Irlanda.

 

Nele constam informações como:

  • Informações pessoais: nome, foto, data de nascimento e número de registro;
  •  Uma breve descrição da sua permissão de imigração, incluindo o número do seu Stamp (no caso de estudantes Stamp 2);

 

Quais opções de cidades para estudar e trabalhar na Irlanda

 

As principais cidades para realizar um intercâmbio na Irlanda são: 

 

Dublin

 

estudar e trabalhar na irlanda

Dublin é a capital e maior cidade da Irlanda. O nome em inglês deriva da palavra irlandesa “Dubhlinn”, que significa “Lago Negro”. Localiza-se na província de Leinster próxima ao ponto mediano da costa leste da Irlanda, sendo cortada pelo Rio Liffey e o centro da região de Dublin. 

É fácil movimentar-se pelo centro de Dublin, levando-se em consideração que a maioria dos monumentos e os principais pontos turísticos da cidade são acessíveis a pé e estão situados em uma área relativamente pequena. Por isso, não é necessário nenhum meio de transporte para ir até o centro da cidade. 

No entanto, se o visitante quiser chegar um pouco mais longe, poderá utilizar a ampla rede de transportes públicos de Dublin. Além disso, Dublin é uma das cidades mais seguras do mundo. Para que se tenha ideia, a polícia de lá sequer usa armas.

Dublin possui um clima temperado marítimo, caracterizado por invernos frios e verões suaves. No entanto, contrariamente à crença popular, Dublin não tem experiência com alta pluviosidade como no Oeste da Irlanda, que chove duas vezes mais do que em Dublin. A capital irlandesa tem menos dias chuvosos, em média, do que Londres. A temperatura média máxima em Janeiro é de 8 °C, a temperatura média máxima em Julho é de 19 °C.

Estudar e trabalhar na Irlanda

Cork 

Cork é a segunda maior cidade da República da Irlanda e a terceira mais populosa da ilha da Irlanda. É a capital e a principal cidade do condado de Cork e também a maior cidade de Munster. 

O clima de Cork é bastante agradável com verões frescos e invernos modestos. A sua temperatura média durante o Inverno é de 9 °C e 20 °C nos meses mais quentes de Verão. A temperatura mais alta registada em Cork foi de 29 °C e a mais baixa de -9 °C.

A vida cultural de Cork é palpitante. Música, teatro, dança e cinema desempenham um papel importante na vida da cidade. A Escola de Música de Cork e o Crawford College of Art and Design proporcionam constantemente uma uma lufada de ar fresco, assim como os muitos grupos de teatro da Universidade.

Distante apenas 2 km da cidade de Cork, foi construído o Blackrock Castle no século XVI. Hoje em dia é um dos principais cartões postais da cidade e está aberto para visitação.

O sotaque de Cork tem um tom diferente dos seus concelhos vizinhos. Os vikings e os normandos elisabetanos deixaram uma marca registrada sobre os hábitos e linguagem do povo de Cork. 

 

Galway

estudar e trabalhar na Irlanda

Galway é uma das cidades com uma das melhores e mais tranquilas atmosferas da Irlanda, fazendo do destino um ótimo lugar para estudar inglês. Com cerca de 70 mil habitantes, é a terceira maior cidade da República da Irlanda. 

Apesar de ser pequena, é vibrante como uma grande cidade, especialmente graças ao seu clima boêmio. A região oferece muitos cenários espetaculares, como a região de Connemara ou a belíssima costa do Oceano Atlântico.

Conhecida como a “capital cultural da Irlanda”, Galway é casa de diversos festivais ao longo do ano. O “The Galway Arts Festival” acontece em julho e recebe peças teatrais, performances circenses, comédia, artes visuais e música de todos os estilos. Já o Galway Film Fleadth acontece junto com o festival e é considerado um dos maiores festivais de cinema da Irlanda.

 

Limerick

estudar e trabalhar na irlanda

A cidade se encontra na região Centro-Oeste da Irlanda, no estuário do rio Shannon, na província de Munster e é a segunda maior da província. Possui uma localização privilegiada próxima de quase todos os pontos turísticos do país. 

Limerick possui indústrias, atividades comerciais, agrícolas, tecnologia, e turismo.Outro fato interessante é que o centro da cidade é dividido em duas áreas. A “English Town”, que fica na metade sul, e a “Irish Town”, que inclui a região mais antiga da cidade e a mais moderna, onde fica o atual centro econômico de Limerick. 

As principais atrações turísticas da cidade são o castelo de King John’s, de 1212, e a Catedral de St Mary, de 1168. 

A temperatura média anual em Limerick é 11 °C. Durante o verão, o sol nasce às 5h da manhã e se põe apenas depois das 21h. Já no inverno, o sol nasce perto das 9 horas da manhã e se põe antes das 17 horas.

 

Waterfordestudar e trabalhar na irlanda

 

Conhecida como a cidade mais antiga da Irlanda, foi fundada em 914 pelos Vikings, e hoje é a quinta maior cidade do país. 

Além disso, a cidade está crescendo e se desenvolvendo bastante, e com isso atraindo estudantes de todo o mundo! 

É a cidade mais ensolarada da Irlanda, com belas praias e fábricas de cristais. Além de ser considerada uma cidade universitária

Lá fica o Museu Medieval que conta a história da cidade e guarda alguns objetos medievais que foram conservados ao longo da história. E também a  “Reginald’s Tower”. Uma torre construída em 1003 considerada o edifício cívico mais antigo do país.

Como encontrar um emprego na Irlanda 

Existem diversas formas de encontrar uma oportunidade de trabalho na Irlanda. Porém, a forma mais eficaz é conversar com outros estudantes sobre essa busca de emprego. Isso porque os que já estão a mais tempo no país, sempre conseguem dar um direcionamento mais correto sobre locais e possibilidades. 

E claro, utilizar as redes sociais também é uma excelente alternativa. A própria atualização de região e interesse de área no Linkedin poderá apresentar opções de vagas disponíveis. 

É possível, também, cadastrar o currículo em sites especializados em empregos do país. 

 

estudar e trabalhar na irlanda

Principais vagas de emprego 

Geralmente, os intercambistas costumam conseguir um emprego entre 4 e 8 semanas. As oportunidades, normalmente, são para atividades mais operacionais em pubs, lojas de conveniência, restaurantes, hotéis, hostels, casas de família e supermercados. 

 

Programas disponíveis para estudar e trabalhar na Irlanda

Fazer um intercâmbio é sem dúvidas a melhor experiência para quem quer ter uma vivência única e cheia de aprendizados, tanto para a vida pessoal, quanto para a vida profissional. 

O Study&Work é o programa destinado para quem buscam além do aprendizado do idioma, uma oportunidade de trabalho. O objetivo é fazer com que o aluno possa aprender ou aperfeiçoar a língua enquanto coloca na prática – através do trabalho – o que aprende nas salas de aula.

Com esse programa de longa duração, você irá se aprofundar ainda mais na cultura local! 

Não fique fora dessa! Solicite aqui mais informações para nossos consultores e comece a arrumar as malas para a maior aventura de sua vida

 

sliema

Intercâmbio X Coronavírus | Malta: Grupos de quatro pessoas ou mais serão multados em € 100 cada!

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 149 0

Restrições aumentam para impedir a propagação do coronavírus

 

Grupos de quatro ou mais pessoas capturadas em público pela polícia serão multadas em € 100 cada, sob a introdução de novas leis para aplicar medidas de distanciamento social do coronavírus.

A multa, que será introduzida por aviso legal, foi anunciada pelo ministro dos Assuntos Internos, Byron Camilleri, na segunda-feira.

Camilleri disse que todo o gabinete concordou com a nova medida, que reduz o tamanho dos grupos autorizados a se reunir em público em até três do limite anterior de cinco.

Famílias que fazem parte da mesma família são isentas e multas podem ser apeladas.

A polícia, que já tem autoridade para dispersar grupos de pessoas, agora também multará os infratores em 100 euros cada. Um grupo de seis pessoas, por exemplo, levará à emissão de seis multas de € 100. Anteriormente, a lei não incluía nenhuma medida punitiva.

As paradas de ônibus estão isentas dessa nova medida, no entanto, os passageiros precisam manter uma distância de dois metros um do outro. Os serviços Wi-Fi em locais públicos, como hortas comunitárias, serão desativados.

A cavalaria da polícia e os setores caninos vão explorar as áreas rurais na terça-feira para garantir que as pessoas não fiquem em grupos de quatro ou mais, acrescentou Camilleri.

Perguntado se o exército também seria preso, ele disse que a força policial poderia lidar atualmente, mas não excluiu a possibilidade no futuro.

O ministro alertou que as multas aumentarão se as pessoas não cooperarem.

Malta confirmou 156 casos de COVID-19, com cinco novos casos identificados no domingo.

Camilleri disse que o enfureceu ao ver grupos de pessoas se reunindo em locais públicos no domingo, desrespeitando os regulamentos introduzidos na semana passada.

“A maioria está cooperando. Mas precisamos legislar para impedir a minoria ”, afirmou.

“No momento, colocar-se em perigo significa colocar os outros em perigo e pôr em risco o nosso sistema de saúde”, disse ele.

Sunday Times de Malta informou que um plano de contingência para o surto de COVID-19 incluía medidas que aumentariam drasticamente a presença da polícia nas ruas e o possível fechamento de delegacias.

Partes do plano já estão sendo implementadas, com a polícia começando a instruir o público a arquivar quaisquer relatórios policiais remotamente a partir de quarta-feira.

 

https://timesofmalta.com/articles/view/watch-live-home-affairs-minister-announces-new-coronavirus-measures.782042

Intercâmbio X Coronavírus | Canadá: Equipe de pesquisa isolou o vírus COVID-19!

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 190 0

Uma equipe de pesquisadores da Sunnybrook, da Universidade McMaster e da Universidade de Toronto, isolou o coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), o agente responsável pelo tratamento surto de COVID-19.

Graças à colaboração ágil, a equipe conseguiu cultivar o vírus a partir de duas amostras clínicas em uma instalação de contenção de nível 3.

“Precisamos de ferramentas-chave para desenvolver soluções para essa pandemia. Embora a resposta imediata seja crucial, soluções de longo prazo vêm de pesquisas essenciais para esse novo vírus ”, disse Samira Mubareka , microbiologista e médica em doenças infecciosas de Sunnybrook.

O vírus isolado ajudará pesquisadores no Canadá e em todo o mundo a desenvolver melhores testes de diagnóstico, tratamentos e vacinas e a entender melhor a biologia, evolução e derramamento clínico de SARS-CoV-2.

“Os pesquisadores dessas instituições de classe mundial se reuniram de maneira popular para isolar com sucesso o vírus em apenas algumas semanas”, disse o Dr. Rob Kozak, microbiologista clínico de Sunnybrook. “Isso demonstra as coisas surpreendentes que podem acontecer quando colaboramos”.

O Dr. Arinjay Banerjee, pós-doutorado do NSERC na Universidade McMaster, disse que sabe que a colaboração não vai parar por aí.

“Agora que isolamos o vírus SARS-CoV-2, podemos compartilhar isso com outros pesquisadores e continuar esse trabalho em equipe”, disse ele. “Quanto mais vírus são disponibilizados dessa maneira, mais podemos aprender, colaborar e compartilhar”.

Parabéns aos pesquisadores dessas três instituições canadenses: Dr. Samira Mubareka e Dr. Rob Kozak, de Sunnybrook e University of Toronto; Dr. Arinjay Banerjee e Dra. Karen Mossman da Universidade McMaster.

Com gratidão à equipe CL3 e aos Diretores de Biossegurança.

 

 

fonte: https://sunnybrook.ca/research/media/item.asp?c=2&i=2069&f=covid-19-isolated-2020

Intercâmbio X Coronavírus | Alemanha: A curva de infecção na Alemanha pode estar diminuindo!

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 156 0

A curva de infecção na Alemanha pode estar diminuindo, diz chefe de saúde pública

(Reuters) – Há sinais de que a curva ascendente exponencial nas novas infecções por coronavírus na Alemanha está se achatando pela primeira vez, graças às medidas de distanciamento social em vigor, disse o chefe do instituto de saúde pública do país nesta segunda-feira.

 

“Estamos vendo sinais de que a curva de crescimento exponencial está se achatando um pouco”, disse Lothar Wieler, diretor do Instituto Robert Koch. “Mas só poderei confirmar essa tendência definitivamente na quarta-feira”.

Ele disse estar otimista de que as medidas tomadas até o momento na Alemanha, incluindo o fechamento de escolas, instruções sobre lavagem das mãos e avisos estritos contra reuniões públicas, já estavam surtindo efeito.

 

 

Fonte:https://www.thestar.com.my/news/world/2020/03/23/germany039s-infection-curve-could-be-flattening-off-public-health-chief-says

Intercâmbio X Coronavírus | Canadá: Atualiza as isenções de restrições de viagens.

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 146 0


O governo do Canadá está atualizando as restrições de viagem adotadas para conter a propagação do COVID-19.

Isenções às restrições de viagens aéreas serão aplicadas a estrangeiros que já se comprometeram a trabalhar, estudar ou tornar o Canadá sua casa, e as viagens feitas por esses indivíduos serão consideradas viagens essenciais para restrições de fronteiras terrestres.

As isenções incluem

  • trabalhadores agrícolas sazonais, trabalhadores de peixes / frutos do mar, cuidadores e todos os outros trabalhadores temporários estrangeiros
  • estudantes internacionais que possuíam uma permissão de estudo válida ou foram aprovados para uma permissão de estudo quando as restrições de viagem entraram em vigor em 18 de março de 2020
  • candidatos residentes permanentes que foram aprovados para residência permanente antes das restrições de viagem foram anunciados em 16 de março de 2020, mas que ainda não haviam viajado para o Canadá

Além disso, está sendo feita uma modificação temporária no processo de Avaliação de Impacto no Mercado de Trabalho para empregadores da agricultura e processamento de alimentos, pois o período de recrutamento necessário de duas semanas será dispensado pelos próximos 6 meses.

Também estamos aumentando a duração máxima permitida do emprego para trabalhadores no fluxo de baixos salários do Programa de Trabalhadores Temporários Estrangeiros de 1 para 2 anos. Isso melhorará a flexibilidade e reduzirá os encargos administrativos para os empregadores, incluindo aqueles no processamento de alimentos.

Para salvaguardar a continuidade do comércio, comércio, saúde e segurança alimentar de todos os canadenses, trabalhadores temporários estrangeiros na agricultura, agro-alimentos, processamento de frutos do mar e outras indústrias importantes poderão viajar para o Canadá, com isenções para as viagens aéreas restrições que entraram em vigor em 18 de março.

Além dos protocolos de triagem de saúde antes da viagem, todos os indivíduos que entram do exterior devem se isolar por 14 dias após a chegada ao Canadá.

Permitir que trabalhadores estrangeiros entrem no Canadá reconhece sua importância vital para a economia canadense, incluindo a segurança alimentar dos canadenses e o sucesso dos produtores de alimentos canadenses. A chegada dos trabalhadores agrícolas e dos peixes / frutos do mar é essencial para garantir que as atividades de plantio e colheita possam ocorrer. Sempre haverá empregos disponíveis para os canadenses que desejam trabalhar em fazendas e em fábricas de processamento de alimentos.

Os afetados por essas isenções não devem tentar viajar para o Canadá imediatamente. Anunciaremos quando as isenções estiverem em vigor, o que antecipamos que será no início da próxima semana.

Essas isenções seguem outras anunciadas no início desta semana, por 

  • estrangeiros viajando a convite do governo canadense para uma finalidade relacionada à contenção de COVID-19
  • familiares próximos de cidadãos canadenses
  • familiares próximos de residentes permanentes no Canadá
  • uma pessoa autorizada, por escrito, por um funcionário consular do Governo do Canadá a entrar no Canadá com o objetivo de reunir membros imediatos da família
  • uma pessoa registrada como indiana sob a Lei Indiana
  • diplomatas e familiares credenciados (incluindo a OTAN, aqueles sob o Acordo da Sede das Nações Unidas, outras organizações)
  • tripulações aéreas
  • qualquer estrangeiro, ou grupo de estrangeiros, cuja entrada seja do interesse nacional, conforme determinado pelo Ministro de Relações Exteriores, Ministro de Imigração, Refugiados e Cidadania, Ministro de Segurança Pública
  • militares do Canadá, forças visitantes e seus familiares
  • passageiros em trânsito

 

 

Fonte:https://www.canada.ca/

Intercâmbio X Coronavírus | Irlanda: As permissões de imigração serão automaticamente estendidas por dois meses

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 152 0

MINISTRO DA JUSTIÇA Charlie Flanagan anunciou esta noite que as permissões de imigração com vencimento entre 20 de março e 20 de maio serão automaticamente estendidas por dois meses.

O escritório de registro no Burgh Quay em Dublin também será fechado nas próximas semanas com efeito imediato. Qualquer pessoa com um compromisso lá entre agora e 20 de maio será contatada pelo Serviço de Imigração.

Além disso – para enfrentar os desafios em torno do distanciamento social e garantir a consistência em todo o sistema – essas medidas serão aplicadas aos registros e renovações de imigração que ocorrem fora de Dublin nas estações de garda locais. 

Tudo isso faz parte da resposta do Departamento de Justiça ao surto de Covid-19.

As medidas serão aplicadas a três categorias principais de pessoas cujas permissões expiram entre 20 de março e 20 de maio:

  • Renovação de permissões / registros existentes – pessoas que possuem uma permissão válida atual
  • Aguardando primeiro registro – pessoas com permissão para desembarcar em um porto de entrada, desde que se registrem no Burgh Quay ou em seu escritório local de registro da AGS dentro de três meses, mas que ainda não o fizeram.
  • Vistos para estadias curtas – Aqueles que estão no país com um visto de curta duração e que receberam permissão para permanecer por menos de três meses, que podem não conseguir sair do Estado e voltar para casa devido a incertezas causadas pela pandemia de coronavírus.

O ministro Flanagan disse: “Quero garantir às pessoas cujas permissões de imigração expirem em breve que seu status legal no país seja mantido. 

 

Estamos dando esse passo neste momento extraordinário para garantir sua segurança. Os escritórios públicos de alta demanda dificultam a aplicação do distanciamento social. Também queremos garantir que você não esteja realizando nenhuma viagem não essencial para participar de compromissos no momento.

Esta é uma medida excepcional em resposta a circunstâncias excepcionais. Se essa decisão não foi tomada, existe o risco de você se tornar ilegal no país sem culpa sua. Estou agindo agora para garantir que isso não aconteça.
Flanagan acrescentou que essa medida seria mantida sob revisão à medida que a situação do Covid-19 progredir.
Fonte: https://www.thejournal.ie/immigration-permissions-5053375-Mar2020

Intercâmbio X Coronavírus | EUA pede velocidade de aprovação para remédio

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 136 0

Droga hidroxicloroquina, utilizada para tratar malária, pode ter bons resultados contra o coronavírus e deve ser aprovada em breve pela FDA

Em pronunciamento nesta quinta-feira, 19, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump disse que as drogas hidroxicloroquina e remdesivir podem ter bons resultados contra o coronavírus, com base em um estudo feito na China, e pediu velocidade de testes e possível aprovação pela FDA (Food and Drugs Administration), espécie de Anvisa do país. O discurso de Trump, inicialmente, deu a entender que os EUA tinham descoberto uma cura para o novo coronavírus, o que não aconteceu.

Na mesma conferência, um dos membros da FDA, Stephen Hahn, disse que o uso da droga ainda está em testes para avaliar como ela funciona e em que dose deve ser utilizada contra o coronavírus.

A hidroxicloroquina já é usada no tratamento de malária e também vem sendo experimentada contra o novo coronavírus na França.

Durante a coletiva, Trump anunciou que, em breve, qualquer cidadão poderá comprar o medicamento, desde que tenha prescrição médica. A hidroxicloroquina também poderá ser distribuída em consultas e hospitais.

Para o presidente dos EUA, a vantagem de usar um medicamento já existente é ter a certeza de que ele já foi testado e aprovado. “Se você começa a desenvolver uma droga do zero, não sabe o que vai acontecer.”

“Os médicos vão distribuir o medicamento, os Estados também, vai ser excelente. Esse pode ser ou não o momento da virada”, afirmou Trump que os efeitos da droga no coronavírus ainda estão sendo estudados.

“Estados individuais lidam com isso, médicos lidam com isso, acho que vai ser ótimo”, diz Trump. O governo continua estudando a droga. “Poderia ser um divisor de águas, e talvez não.”

A utilização dessa droga já havia sido sugerida por figuras importantes, como Elon Musk, presidente da Tesla, e Bill Gates, fundador da Microsoft.

 

 

Fonte: https://exame.abril.com.br/ciencia/eua-pede-velocidade-de-aprovacao-para-remedio-potencial-contra-coronavirus/

 

Intercâmbio X Coronavírus | Quais são as orientações de cada País e da OMS?

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 148 0

A orientação geral é que qualquer pessoa com sintomas de gripe – mesmo que leve, permaneça reclusa, sem contato direto com outras pessoas, tenha atenção a higiene básica, lave bem as mãos, cuide da alimentação e hidratação, e evite procurar os serviços de saúde num primeiro momento, por aumentar o risco de contaminação, de pessoas mais vulneráveis à doença e/ou a si próprio. Caso os sintomas se intensifiquem procure as autoridades médicas.

A OMS ressalta a importância de se respeitar as orientações das autoridades de saúde de cada país, que terão as informações mais atualizadas sobre a realidade local. No Brasil, as orientações do Ministério da Saúde têm peso de recomendações, mas na prática a organização dos atendimentos pode mudar em cada estado, há números de emergência locais, e o aplicativo do SUS – Sistema Único de Saúde, com diversas orientações sobre o vírus, contaminação, sintomas, rede pública de saúde, e uma auto avaliação que pode indicar ou não, a necessidade de procurar ajuda médica especializada.

Intercâmbio X Coronavírus | Proteja a si mesmo e aos mais vulneráveis!

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 137 0

O importante é não esquecer das dicas da OMS e do Ministério da Saúde e se proteger do coronavírus: lave sempre muito bem as mãos com água e sabão ou use álcool gel, mantenha distância de 1 metro de pessoas espirrando ou tossindo: evite tocar olhos, nariz e boca; ao tossir ou espirrar, utilize o antebraço ou um lenço, que deve ser descartado. Mantenha os ambientes bem ventilados e evite aglomerações, principalmente se estiver doente.

É preciso ter ainda mais cuidado em relação à proteção dos idosos, grupo mais vulnerável à nova doença. Embora a letalidade da covid-19 venha se mostrando baixa, em torno dos 3%, de modo geral.

É preciso pensar em todas as vias de possível infecção: um neto, um filho, qualquer um que vai visitar pode estar em período de incubação e passar o vírus. Recomendamos reforço em medidas de higiene e proteger os idosos de qualquer tipo de contato social.

Intercâmbio X Coronavírus | Como serão tratados os casos confirmados de coronavírus?

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 179 0

A Organização Mundial da Saúde explica que não existe, até agora, um tratamento específico para curar a covid-19, embora existam muitos esforços para encontrar remédios ou uma vacina que previna a doença.

O que existe, por enquanto, são os tratamentos para resolver os sintomas: baixar febre, amenizar a tosse, tirar dores no corpo e tratar complicações respiratórias, como pneumonia.
Quando a dificuldade para respirar é grande, o paciente pode receber oxigênio, por exemplo. Um dos desafios da gestão dessa pandemia é evitar que muitos casos evoluam para que a procura por hospitais não supere o número de vagas. Segundo o Conselho Federal de Medicina, o Brasil possui quase 45 mil leitos de UTI.

Remédios como antibióticos, por exemplo, não servem para combater o coronavírus, mas podem ser usados em algum momento para tratar outra infecção associada, como uma faringite, ou mesmo uma pneumonia bacteriana que possa ter se desenvolvido em cima da infecção viral.

carreira no exterior

Como iniciar uma carreira no exterior

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 176 0

Diariamente diversos jovens deixam seu país em busca de novas experiências de intercâmbio ou até mesmo para começar uma carreira no exterior. Adultos, por sua vez, muitas vezes decidem largar tudo e começar do zero em um novo país. Em ambos os casos, a escolha por fazer carreira no exterior pode ser bastante proveitosa. Além de ampliar horizontes, ela garante o upgrade no seu currículo, facilita o conhecimento de um novo idioma e possibilita o network.

O primeiro passo é abandonar a zona de conforto, criar coragem e ir atrás de seus objetivos. As agências de intercâmbio podem ser uma boa opção para lhe auxiliar neste momento de dúvidas. Existem diversos programas em que é possível viajar e trabalhar, estudar e trabalhar ou fazer estágio, que ainda pode ser remunerado.

O que levar em consideração?

Para trabalhar no exterior, são levadas em consideração algumas características dos candidatos, para que ele se adeque ao cargo e ao novo lugar. Existem muitas vagas em diversos países para serem preenchidas por estrangeiros. Por isso, o leque de oportunidades é grande.

Pesquise muito sobre o destino que pretende trabalhar. Leve em conta o clima, a recepção de estrangeiros, o idioma falado, leis próprias do país, cultura, alimentação e custo de vida. alguns desses fatores podem ser cruciais na sua escolha.

Idioma

É preciso saber se comunicar no idioma oficial ou ter certo nível de conhecimento da língua do país onde está estabelecido o futuro trabalho. Quanto mais fluente na nova língua, melhores são as chances de conseguir um bom trabalho. Por isso estude bem antes de viajar – ou opte por estudar inglês, espanhol ou qualquer outro idioma no contraturno do trabalho.

Amplas possibilidades

Existem diferentes oportunidades de trabalho no exterior. Uma opção bastante conhecida pelos brasileiros são as vagas para trabalhar como auxiliares de cozinha, atendentes, restaurantes, entre outros. Nesses casos, são ótimas as oportunidades para melhorar o idioma, já que você estará envolvido o dia todo com a nova língua.

Para os que querem seguir carreira em uma área específica de atuação, é importante ter alguma experiência comprovada no setor escolhido. Quanto mais conhecimento e qualificação, melhores as chances de conseguir uma boa vaga.

Documentos

Analise se toda a documentação necessária está regular com a lei brasileira e do país destino. Se comprometa em atualizar a carteira nacional de habilitação, para que ela se torne internacional. Esteja com o passaporte em dia, verificando a data de vencimento do documento, tenha também o visto e a permissão para trabalhar no país destino. Se um intercambista viajar para estudar e trabalhar, mas só ter a liberação para os estudos, ele dificilmente será contratado por alguém para que não haja divergência com a lei local.

Busque por formações e certificações no exterior

Existem muitos cursos ministrados em outros países de curta duração. Portanto, aproveite o momento no exterior para realizar esses cursos. Eles podem ser um grande diferencial na carreira, além de possibilitarem mais oportunidades na área.

Tenha uma renda para se manter provisoriamente

Mesmo com um emprego garantido, será preciso uma renda extra para se manter no novo país por um determinado tempo. Para não sofrer com surpresas negativas, reserve uma parte do seu dinheiro para os primeiros momentos de transição.

Alguns estudos recomendam ter pelo menos uma quantia de renda na qual você poderá se sustentar por 12 meses, caso não consiga uma vaga logo de cara. Caso já exista uma oportunidade concreta, será preciso um valor menor. Lembre-se que você deverá bancar os custos de viagem, documentação, roupas (caso vá para locais com o clima diferente do nosso), mobília, aluguel, transporte, alimentação, contas e outros.

E você, está esperando o que para começar? Venha bater um papo com a gente! Podemos te ajudar a começar uma carreira do exterior.

Travelmate conquista selo IALC por atendimento de excelência

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 188 0

A Travelmate conecta alunos brasileiros às mais variadas escolas pelo mundo, dando toda a assistência necessária para que haja o máximo de conforto e suporte para os estudantes. O alto nível de qualidade dos serviços da Travelmate permitiu que a agência recebesse o selo do International Association of Languages Centres (IALC), enaltecendo a parceria e performance da empresa no apoio aos intercambistas.

O que é a IALC?

A International Association of Languages reúne escolas de idiomas independentes que ensinam o idioma oficial de seus países. A IALC exerce atividade no mercado há pelo menos 35 anos, e além de credenciar escolas de idiomas, ela faz o controle de qualidade de agências de intercâmbio. Para se associar à IALC, a agência deve cumprir uma série de requisitos.

Hoje são cerca de cem escolas credenciadas pela associação no mundo, em mais de 90 destinos. As escolas têm como principais idiomas inglês, francês, alemão, espanhol, italiano, japonês, mandarim, português e russo. As escolas oferecem diferentes tipos de cursos para níveis e idades variados, além de preparação universitária e atividades extras como experiência de trabalho e programas de aventura. Além dos estudos, existe a oferta de alojamentos, viagens para curtir outros destinos e seus pontos turísticos, como também atividades que englobam a cultura local. O contato direto e diário com uma língua estrangeira permite que se aprenda idiomas de maneira rápida e fluente.

Padrão de qualidade

Ao ter um serviço prestado por uma agência com selo IALC, você tem a garantia de que poderá aproveitar ao máximo sua estadia, maximizando a qualidade de ensino e conforto. A International Association of Languages tem como objetivo selecionar as melhores escolas de intercâmbio, com profissionais acessíveis e dedicados. O foco é o ensino cultural e principalmente linguístico. Para fazer parte do IALC, a agência precisa cumprir com alguns requisitos e possuir as características exigidas pelo sistema de qualidade da International Association of Languages.

Por que o Au Pair está em alta? Saiba tudo sobre o intercâmbio!

Postado por: TravelMate Intercâmbio/ 349 0

O intercâmbio é uma experiência que deveria ser vivida e aproveitada por todos aqueles que têm a oportunidade.

Para quem busca algo que não necessite de muita burocracia, o Au Pair pode ser uma boa escolha! Não sabe o que é isso? Vamos explicar tudo a seguir.

O que é Au Pair?

O Au Pair é o serviço de babá exercido no exterior. O mais comum é a contratação de meninas para que elas cuidem de crianças (sejam filhos únicos ou que tenham irmãos). A atividade é exercida quando os pais não estão em casa ou quando eles precisam de uma ajuda a mais para cuidar de seus filhos. Cada caso é combinado de maneira diferente, de acordo com a proposta dos contratantes.

O programa dura no mínimo um ano completo e pode ser estendido por 6, 9 ou 12 meses, caso a babá tenha interesse. É possível permanecer no país por 30 dias após o término da contratação, o que possibilita viagens e passeios para conhecer melhor os Estados Unidos (o destino mais comum nesse programa).


Confira mais sobre o universo Au Pair na matéria sobre a TravelMate no portal Curso de Babá.


Carga horária e remuneração

Normalmente estabelecer a carga horária é responsabilidade da família que a contratará. É um direito dela ter 1,5 dia de folga por semana e um final de semana completo a cada mês – período equivalente de sexta a domingo à noite.

Em questões de salário, o mínimo a ser pago pela família são US$ 195,75 por semana. Mas caso a família tenha condições e queira recompensar melhor a Au Pair, o valor pode aumentar.

Popularidade do programa

O Au Pair é destaque nas mais diversas agências de turismo e intercâmbio. Isso porque ele possui um dos melhores custo-benefício dentre as opções disponíveis. Ele tem se tornado cada vez mais popular, pois não é preciso muito investimento para morar fora. Os custos para se manter são mínimos, o que permite que a babá gaste seu salário da maneira que achar melhor.

É garantido o amparo desde a chegada até o fim do intercâmbio. Ao longo do texto será possível entender por que cada vez mais mulheres decidem por essa modalidade, que além de barata, permite conhecer outras partes do mundo e melhorar o inglês.

Exigências

Apesar de haver muitas vagas, é preciso dedicação de quem busca pelo serviço. Para participar do programa nos Estado Unidos, por exemplo, é preciso ter pelo menos 18 anos e no máximo 26. Se a pretendente se encaixar na faixa etária, terá que comprovar ter exercido pelo menos 500 horas de cuidados com crianças nos últimos 4 anos.

É preciso ter inglês intermediário ou avançado, possuir formação no ensino médio, contar com boa saúde e ter carteira de motorista (que deve ser atualizada para o exterior antes da viagem).

A futura Au Pair não pode ter antecedente de visto negado para os Estados Unidos. Ela também deve ser solteira e não ter filhos.

O que a Au Pair deve fazer?

É preciso cuidar das crianças durante o expediente. Para que tudo dê certo, deve haver confiança da babá com a família e vice-versa. A Au Pair deverá ser capaz de suprir a necessidade das crianças, mesmo com ausência dos pais.

O serviço inclui cuidados com as crianças, organizar e limpar o quarto, preparar refeições, levar e buscar na escola, criar e participar das brincadeiras e colocá-las para dormir. Essa rotina prolongada ao lado da família costuma criar laços fortes e duradouros.

Vantagens

A maior vantagem em participar do programa é o custo benefício. Ele está entre os mais procurados, com grande quantidade de vagas, e é um dos mais baratos dentre as opções existentes. Isso faz com que a Au Pair esteja cada vez mais em alta.

Todo o dinheiro ganho costuma ser o suficiente para que a própria Au Pair se sustente. Isso porque no programa a intercambista irá morar na mesma casa em que as crianças que elas cuidam. Ou seja, o ambiente de trabalho será o mesmo lugar onde terá seu espaço particular.

A família contratante deve fornecer moradia e alimentação. Ela também é a responsável por pagar a passagem para a nova babá. Ou seja, isso significa que os custos para se manter serão mínimos e nem mesmo o transporte até os EUA será uma despesa – mais um ponto que faz essa modalidade de intercâmbio estar em alta.

A Travelmate estimula a Au Pair a estudar, fornecendo a oportunidade de participar de aulas de inglês ou matérias pelas quais ela pode se interessar. Ou seja, a viagem não significa apenas uma proposta de trabalho, mas também a chance de aprender ainda mais.

Os Estados Unidos são o país com a maior taxa de contratação. Ao se enquadrar nos requisitos, a contratação deve acontecer de maneira breve. Em pouco tempo a Au Pair estará vivendo a vida que planejou.

Com o programa, a intercambista terá a chance de conhecer um país novo, viajar e realizar o sonho de morar fora do Brasil.

Outros benefícios são:

  • Bolsa de estudos no valor de US$ 500,00;
  • Passagem do Brasil a Nova York (é preciso verificar a disponibilidade de saídas do país, que normalmente acontecem nas capitais);
  • Orientação ao chegar no destino;
  • Seguro saúde.

O investimento nesse tipo de intercâmbio pode agregar muito valor, principalmente para aquelas pessoas que pretendem trabalhar com crianças no futuro.

Translate »