Categoria: High School Público

5 dicas para desemvolver soft skills no intercâmbio

Soft Skills: 5 dicas para desenvolver em seu Intercâmbio

Muito se fala sobre capacitação e qualificação através da Educação: graduação, pós, certificações, cursos de idiomas, treinamentos técnicos. Quanto mais gabaritado e atualizado for o indivíduo, melhor colocado e valorizado ele estará no mercado de trabalho. Porém, atualmente muito se fala sobre outras habilidades, as Soft Skills 

Mais recentemente, os profissionais de RH têm voltado sua atenção a qualidades que não necessariamente podem ser treinadas ou ensinadas. Adaptabilidade, resiliência, empatia, ‘accountability’ são alguns exemplos do que hoje em dia fazem parte do que se convencionou chamar Soft Skills, ou em tradução livre, ‘Habilidades Intangíveis’. Há quem defina estas habilidades como interpessoais ou mesmo comportamentais. 

Estas qualidades, mais subjetivas, não podem ser transmitidas concretamente através de uma receita (como num curso “Como ser flexível”, por exemplo) mas podem sim ser desenvolvidas ao longo do tempo

Veja a seguir alguns exemplos de como uma experiência internacional pode ajudar a desenvolver tais habilidades. 

1 – High School

O fato de um estudante adolescente ter a iniciativa de fazer uma parte do Ensino Médio no exterior já é, em si, um forte indício de curiosidade aguçada, desprendimento e interesse pelo que é novo.  Ao longo dessa experiência, o jovem é constantemente motivado a fazer novas amizades, aprender a superar uma eventual timidez, lidar com o que lhe parece estranho, desenvolver autonomia e a tomar decisões por conta própria sem estar diretamente monitorado pelos pais.  Contudo, o momento em que este tipo de intercâmbio acontece, geralmente entre os 15 e os 17 anos, contribui em muito para a formação da personalidade e do caráter do jovem. Vivenciar uma experiência internacional deste porte nesta faixa etária é altamente benéfico.

2 – Graduação e Pós

Embora o intuito seja a obtenção de uma titulação no exterior, o processo de admissão numa instituição de ensino já é o primeiro passo em que as Soft Skills vêm à tona. Como não costuma haver um vestibular ou prova de admissão (ou pelo menos esta não é a única etapa do processo), quem se candidata a uma vaga em graduação ou pós precisa demonstrar os motivos pelos quais deva ser considerado e aceito naquela instituição – e isto ocorre de várias maneiras. Uma análise subjetiva da história de vida do candidato e suas aspirações pode ser uma delas.

Uma vez iniciados os estudos no exterior, o aluno passa a desenvolver um maior senso de responsabilidade, não dependendo apenas de seus professores para absorver conteúdo. Desse modo, espera-se que ele mesmo se engaje em autoestudo, pesquisa, dissertações. Precisa se envolver nas atividades do campus, conciliar vida acadêmica com estágio, descobrir por si mesmo o funcionamento da vida cotidiana na nova comunidade – e tudo em outro idioma! Certamente tudo isso fará com que questões como resiliência, maleabilidade e visão de mundo sejam marcantes durante toda a trajetória.

3 – Voluntariado

Um programa de voluntariado na Ásia ou na África seja talvez o que mais explicitamente proporcione o desenvolvimento de habilidades interpessoais.  Ao se envolver em projetos ambientais ou sociais de cunho humanitário, o participante exercerá de maneira intensiva uma série de Soft SkillsEmpatia, altruísmo e solidariedade são apenas alguns exemplos. Por se tratar de um programa de curta duração (normalmente entre 2 e 4 semanas) e com custo muito acessível, o impacto de uma experiência assim no currículo é praticamente imediato. 

Imagine que, durante um processo seletivo, o recrutador veja que o candidato tem boa formação acadêmica, tem um bom nível de inglês e traz determinadas experiências profissionais em seu histórico.  Porém, além de tudo isso, constata que este candidato ensinou Matemática ou Artes para monges budistas na Tailândia. Ou que teve uma vivência na Namíbia prestando assistência médica numa comunidade carente. Não é difícil de prever que o recrutador se interessará em saber mais detalhes sobre essa história peculiar e inusitada. E claro, muito provavelmente associará essa vivência às Soft Skills que tanto se valorizam.  Então, se este tipo de experiência te atrai, não deixe de conferir todas as possibilidades clicando aqui.

4 – Trabalho durante as férias da faculdade

 

O objetivo aqui é aproveitar as férias da faculdade para adquirir experiência internacional nos Estados Unidos.  São posições temporárias, de 3 a 4 meses de duração, em estações de ski, resorts, cafés, restaurantes e hotéis.  Pela dinâmica e natureza das vagas, os participantes desta modalidade de intercâmbio trazem na bagagem, além das memórias, um forte senso de trabalho em equipe, pertencimento, agilidade, iniciativa, organização e método.

Não é incomum que alunos universitários recorram a este programa mais de uma vez durante sua graduação, não apenas pela viagem ao exterior e pela possibilidade de colocar o inglês em prática.  A sensação de “missão cumprida” ao término da temporada renova as energias e dá o gás necessário para mais um semestre de aulas.  Todo este traquejo adquirido interfere na autoestima e, por tabela, aflora uma série de Soft Skills. Já parou para pensar sob esta ótica?

5 – Cursos de Idiomas também ajudam a desenvolver Soft Skills

Soft Skills no intercâmbio

Matricular-se num curso de língua estrangeira tem como objetivo aprender o idioma, correto? Sim. E ao mesmo tempo, não apenas.  Aprender um idioma traz uma série de outros benefícios que nem sempre nos damos conta.  Quando passamos a nos comunicar em outra língua, programamos nosso cérebro para que simultaneamente lembremos de vocabulário, formulemos as frases, pronunciemos adequadamente ao mesmo tempo que ouvimos, entendemos, respondemos, interagimos.  Fazer tudo isso requer paciência, lidar com as próprias limitações, superando-as. É sentir-se exposto ao ‘julgamento’ dos colegas, é aprender a rir de si mesmo. É ter uma certa cara de pau, no melhor sentido da expressão.

Vale tanto para um período mais curto, de algumas semanas, como também por períodos mais longos em programas em que é possível, além de estudar, também trabalhar. Haverá momentos de extrema empolgação e outros de frustração, num novo ambiente com diferentes hábitos, costumes, crenças, comida.  Quantas Soft Skills já desenvolvemos só considerando esta parte?  Assim, ainda que o propósito do intercâmbio seja aparentemente um, os reflexos e os benefícios ultrapassam de longe o simples fato de fazer uma viagem.

Quais são as Soft Skills que você gostaria de desenvolver? Quais vivências você sente necessidade de propiciar a si mesmo? Fazendo esta breve reflexão, você já estará a meio caminho andado para a definição do seu programa de educação internacional.  E quando isso acontecer, vamos te ajudar em todo o processo. Visite nosso site e não deixe de nos mandar um WhatsApp!     

Destino para High School

O melhor destino para fazer o High School

Passar um tempo no exterior fazendo 1 ou 2 semestres do Ensino Médio é provavelmente a modalidade de intercâmbio mais tradicional que existe, talvez mesmo até a mais antiga entre as opções que existem hoje.  Ele existe desde os anos 50, numa época em que muitos países pagavam um preço alto – tanto econômico como social – para se recuperar dos vestígios deixados pela Segunda Guerra Mundial. 

O raciocínio, na época, foi que se pessoas de diferentes nacionalidades tivessem vínculos afetivos com outras pessoas e outros lugares, as chances de novas guerras diminuiriam.  Com isso, a solução encontrada foi enviar estudantes secundaristas para vivenciar um ano escolar em outro país, conhecendo seus hábitos, seu modo de pensar, sua cultura.  Nascia aí o que hoje chamamos de Intercâmbio High School.

Imagem: Arquivo Nacional Holandês – 1953 – Autor: JD Noske / Anefo

 

Passaram-se 70 anos desde então, mas mesmo assim o High School ainda é praticamente sinônimo de intercâmbio – tanto é que muitos ainda acham que intercâmbio é apenas para jovens.  O que hoje em dia não é mais verdade.  Há programas disponíveis dos 8 aos 80 anos!

Quando fazer a inscrição?

 

O processo de inscrição para o High School envolve uma série de etapas e preparação para que programa aconteça no seu ritmo.  Conversas com seu agente educacional, preenchimento de papéis, exames médicos, etc. 

Como é de se imaginar, nossos parceiros no exterior utilizarão esta documentação para apresentar à sua futura família hospedeira e fazer sua matrícula no colégio.  Por este motivo o ideal é que a inscrição seja feita com cerca de 1 ano de antecedência, de preferência.  

Lembre-se de que existe também outros processos envolvidos, como obtenção de visto, por exemplo.  Assim, quanto maior for a antecedência, melhor.  Claro que isso não é uma regra absoluta, é possível se inscrever depois.  Alguns destinos têm vagas limitadas e pode acontecer que estas se esgotem mais rapidamente.

Dúvida cruel: como escolher o destino do intercâmbio High School?

Intercâmbio High School - Qual destino escolher

 

 

Este momento de escolha é sempre motivo de muita dúvida para o futuro “high schooler” e sua família. Com tantas opções, como tomar esta decisão?  Qual país é melhor? Será que vou gostar?  Contudo, como as inscrições para o programa ocorrem alguns meses antes do embarque, vem também a pergunta: se eu escolher um destino agora e depois me arrepender antes do embarque?

A resposta é basicamente uma só: o melhor destino será aquele onde você viverá a sua experiência, não importa em que país ou cidade.  Pode parecer estranho agora, mas você entenderá isso após já ter retornado ao Brasil. Você quebrará a cabeça um pouco na hora de decidir, mas tenha certeza de que qualquer que seja a escolha, ela será a mais acertada!

No final das contas, o que menos vai importar é o país.  O que importa mesmo é a experiência internacional, a vivência, os laços que você formará por lá, as amizades que vai fazer, a rotina do dia-a-dia.  E tudo isso você encontrará em qualquer parte do mundo. Seja numa comunidade rural, seja numa cidade de porte médio. Passando pelo verão, outono, inverno ou primavera. Com uma família composta de várias pessoas ou um casal sem filhos.  A sua experiência será única e somente sua.  

OK, entendi.  Agora qual destino escolho?

 

 

 

Mesmo sabendo que sua experiência será única, rica e cheia de memórias, não tem como escapar, né? Precisamos bater o martelo sobre o destino mesmo assim.

Pense primeiramente naquele destino que te fez ter vontade de procurar saber sobre o intercâmbio. Algum amigo seu foi para determinado país e te contou?  No seu colégio, a “onda” é ir para uma certa região?  Seus pais te incentivaram a pensar neste ou naquele continente?  Você assistiu a alguma live e gostou?  Algum ponto de partida sempre haverá.  Considere este destino num primeiro momento.

Em paralelo, não deixe de considerar outras possibilidades também: você sabia que é possível fazer intercâmbio High School também na Irlanda, na Inglaterra, no País de Gales, na África do Sul? Em países onde o idioma não é o inglês? Alemanha, França, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Noruega…   

E uma terceira opção, para contrabalancear: já se imaginou na Austrália ou Nova Zelândia?  Desse modo, se estes destinos já eram os primeiros que você imaginou, compare então com Estados Unidos ou Canadá.

Na Travelmate temos um portfolio com mais de 95 destinos, a maioria com a opção semestral e anual, o que dá um leque de quase 200 opções! Mas não deixe de fazer este exercício, pode ser que você se depare com uma opção que nem tinha te ocorrido antes e….. Wow! Como não pensei nisso antes?? 

Seu coração vai bater mais forte em algum momento durante esta reflexão.  E você então saberá o melhor destino para fazer o SEU intercâmbio High School.

high school público

O essencial sobre High School Público (HPA)

Postado por: Sirius/ 545 0

O essencial sobre High School Público (HPA)

 

Cada vez mais em alta, o intercâmbio High School é um programa em que o estudante de 14 a 18 anos cursa uma parte ou todo o ensino médio no exterior. No entanto, você sabia que existe uma maneira de torná-lo mais viável financeiramente? A Travelmate oferece a possibilidade do aluno estudar em escolas públicas no exterior, que diga-se de passagem de modo geral, primam sempre pela excelência de ensino.

 

Via de regra, seja em escolas públicas ou particulares, os estudantes contam com o reconhecimento e validação do Ministério da Educação de que determinado período estudado no exterior será validado no Brasil. Portanto, passar uma parte ou todo o ensino médio vivendo no exterior está recheado de grandes vantagens. O aluno estará exposto em tempo integral a uma língua estrangeira, o que forçará o aprendizado de maneira mais efetiva e o impulsionará ao aprofundamento de uma nova cultura e construção de novas amizades. O adolescente que nesta fase da vida, tiver a oportunidade de mergulhar em uma experiência dessa natureza, poderá conquistar independência e um grau de maturidade diferenciados, se souber aproveitar.

 

Curiosamente, dependendo da instituição em que o estudante estiver matriculado aqui no Brasil, um High School Público nos Estados Unidos por exemplo, pode sair até mais barato. As High Schools do exterior, comumente, oferecem uma completa gama de atividades extracurriculares e costumam envolver mais o estudante na atmosfera educacional se comparado à maioria das escolas brasileiras.

 

As escolas públicas no exterior são o destino da maioria dos estudantes que tem o sonho de viver um período completamente estimulante e encantador que é o intercâmbio. A variedade de matérias oferecidas pelas escolas públicas é grande, o que enriquece ainda mais a experiência vivida longe de casa. Os grupos esportivos que são levados bastante a sério também representam um diferencial, principalmente nos Estados Unidos.

 

Para a escolha da escola, o aluno tem a opção de indicar a preferência pela região onde quer estudar, começando pela escolha da cidade do país de destino. O High School proporcionado pela Travelmate pode acontecer em diversos países. São eles: Alemanha, Austrália, Canadá, Estados Unidos, França, Inglaterra, Nova Zelândia e Suíça.

 

A duração do intercâmbio High School giram em torno de 1 a 2 semestres letivos com início no primeiro semestre entre agosto e setembro ou no segundo semestre entre janeiro e fevereiro, dependendo do calendário acadêmico que varia de acordo com o destino.

Como falamos anteriormente, existe a possibilidade de extensão ao término do programa assim como a possibilidade de cursar todo o ensino médio no exterior. Tais possibilidades variam de escola para escola e de país para país.

 

A forma de acomodação mais comum para o estudante do HPA é a hospedagem em casa de família, que acolhem o estudante como sendo um integrante da família e que participa ativamente da vida cotidiana dos membros da casa. Todas as famílias são entrevistadas e sujeitas a confirmação de padrões previamente determinados, como condições da residência, interesse e disposição da família em questão em receber o estudante estrangeiro.

 

Por fim, além de todo o apoio, a Travelmate oferece ainda serviços adicionais que são necessários para a organização completa do intercâmbio, como obtenção do visto consular, passagens com tarifas promocionais à estudantes, seguro saúde e cartões pré-pagos.

 

Conte com a Travelmate para te ajudar a escolher uma boa escola pública, uma boa cidade e uma excelente acomodação para o seu tão sonhado intercâmbio!

Translate »