Categoria: Estados Unidos

Work & Travel nos Estados Unidos: confira o depoimento de nossa intercambista 

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 79 0

O nosso conteúdo de hoje é um pouco diferente – mas muito especial. Uma de nossas intercambistas, a Gabrielle Pimenta, que é estudante de Engenharia Automotiva, fez um depoimento super interessante contando sobre tudo o que ela aprendeu em suas experiências de intercâmbio Work & Travel nos Estados Unidos. Esse é um programa que possibilita trabalhar em outro país no período de férias da faculdade e ela gostou tanto que já viajou duas vezes conosco. 

Não deixe de conferir o relato super completo com informações importantes sobre o destino! E aproveite também para dar uma espiadinha no perfil da Gabi no Instagram. Aliás, ela está super disponível caso você queira tirar mais dúvidas!  

“Quero compartilhar o máximo das minhas experiências para que você aproveite o máximo da sua!” 

 

Ao longo desse depoimento vou apresentar como é essa experiência nos Estados Unidos, e o que precisa saber para sanar suas dúvidas e até as de seus pais – colocando minhas aventuras como exemplos. De início, as principais informações que deve saber é que para participar desse programa é necessário estar matriculado em uma universidade, ter um inglês intermediário ou avançado e ter em mente que o investimento total é entre US$ 3.000,00 e 4.000,00. 

PASSO INICIAL 

O programa oferece vários empregadores espalhados pelos EUA, a maioria são resorts em locais para esquiar. Não tem ideia para onde quer ir? Talvez a cidade mais próxima de um local que sonhe em conhecer. Sugiro fazer uma pesquisa dos empregadores – a agência lhe fornece uma lista com todos os empregadores e vagas disponíveis assim que o programa é contratado (Job Offer) – para saber onde estão, procure fotos para ver como se identifica, tanto com o local de trabalho quanto com a cidade. No mapa veja o que tem para fazer na cidade e nos arredores. 

Lembre-se que ficará quatro meses, e o mais legal da viagem é vivenciar a cultura. Então, anote o que tem de diversão, pontos turísticos, eventos que acontecerão enquanto estará lá, como os X games em Aspen, por exemplo. Até supermercado é bom saber – nunca pensei que a existência de um Walmart me reconfortaria. 

Cidades pequenas também têm muita coisa para fazer, procure onde é a Main Street, geralmente é cheio de bares – local onde irá conhecer muitos americanos, disparado – e restaurantes. As famosas house parties acontecem com frequência. Tenha em mente apenas que se tiver afastado de uma cidade maior, depois de uma semana corrida de trabalho às vezes não terá energia para dirigir 3-4 horas para visitar outras cidades. Mas como o mais empolgante é aproveitar a montanha, é impossível faltar diversão. É importante verificar  como é o passe com o seu empregador, alguns oferecem sem custo e outros cobram uma porcentagem. Geralmente está descrito na Job Offer, um documento fornecido pela agência com as informações sobre as vagas disponíveis.

A cidade que escolhi foi Park City, um dos maiores lugares para se esquiar dos EUA. Tem uma Main Street recheada de bares e restaurantes, outlet, ônibus gratuito da cidade. E o mais sensacional que uma vez por mês tem uma balada que faz um baile funk, dia de matar a saudade de casa e falar muito português! Todo ano acontece o festival Sundance de cinema, onde nossos astros favoritos circulam pela cidade. Um detalhe: para entrar em bares, baladas e comprar bebida no mercado tem que apresentar passaporte e a idade é 21. 

Tem ônibus de linha que leva para Salt Lake City, capital de Utah, por menos de cinco dólares e apenas 40 minutos de viagem; tem aquário, museu, Shopping center, é a cidade dos Jazz, ou seja, jogos da NBA, East High (senário de High School Musical), entre muitas outras coisas que uma capital oferece. 

A ESCOLHA 

 

Com tantos lugares maravilhosos na sua lista de pré-seleção, listo aqui alguns questionamentos e dicas que talvez lhe ajudem a escolher. Por exemplo: consigo juntar todo o dinheiro investido? Como é a prática do inglês? 

A escolha de com quem será a sua viagem acho que é a decisão mais pessoal que irá fazer. Eu escolhi ir sozinha, minha primeira viagem internacional, e fui eu comigo mesma. Meu foco era praticar o inglês e mergulhei com tudo na experiência.  

Não sei expressar o quão gratificante, provei-me ser capaz de tudo; a maior adrenalina foi em menos de 48 horas: tive que encontrar os portões das conexões (para quem já passou por aeroportos internacionais sabe o desespero), tirar dúvidas, pegar os transportes certos para chegar na casa e encontrar o RH do hotel – até pegar no tranco o inglês sai um pouco embolado. 

Para ser mais desafiador, escolhi um hotel que tinha poucas vagas para brasileiros e o trabalho com mais contato com os hóspedes possível; resultado: falei apenas inglês por quatro meses e de bônus aprendi espanhol, pois todos da minha equipe eram Peruanos ou Argentinos e morava com Mexicanos. 

Sei que não é a decisão mais fácil, então se não se sente confiante, e até mesmo disposto faça aquele grupinho maroto de amigos e combinem de ir para o mesmo lugar, a oportunidade de falar inglês vai aparecer – principalmente com uma vaga que tenha contato com turistas e nativos. E se estava com dúvida de ir sozinho, sou a prova viva que conseguirá! 

Beleza Gabi, mas tem muitas vagas que envolvem diretamente esquiar e eu nunca nem vi neve; pois eu também nunca tinha visto, muito menos sabia sobre equipamentos de esqui ou como eram as coisas na montanha. E o meu trabalho era de Ski Valet, todos os dias recepcionando pessoas do mundo inteiro, ajudando a colocar os equipamentos, dando orientações para o dia na montanha, na volta guardar todos os equipamentos. A primeira semana é um pouco “overwhelm”, pois leva um tempo até aprender os esquemas, lembrar de todos os termos em inglês e se acostumar com a rotina, mas nada complicado, tudo que fazemos pela primeira vez leva um tempo para nos adaptarmos. 

O dinheiro é a parte que pega para você? Para a viagem foi me emprestado o dinheiro, ou seja, ao longo das temporadas tive que separar o que era economia, despesas e lazer. A forma mais eficiente, eu diria, de saber se a vaga que deseja vai pagar as contas, ou ficar no zero a zero, é entrar em contato com pessoas que já foram – a agência tem o contato dos participantes de outras temporadas que se disponibilizam a tirar dúvidas.

No Waldorf, hotel em que trabalhei, cada setor tinha um esquema para hora extra, por exemplo, o meu não permitia. Mas Gabi, o que é hora extra? Quando na semana suas horas de trabalho ultrapassam 40 horas, essa quantidade extra você receberá 1,5 do valor por hora; se sua vaga permitir, muitas vezes é mais vantajoso do que procurar um second job. 

Trabalhando próximo de 40 horas por semana, ganhando uns 12 dólares por hora você provavelmente terá juntado todo o valor das despesas no final da temporada, incluindo apenas os gastos antes de embarcar, alimentação e moradia dos 4 meses (eu pagava S$ 500 de aluguel). 

Não se assuste por poucas vagas pagarem mais de 10 dólares por hora, nos EUA é cultural dar gorjeta, principalmente na área de alimentação, a média de gorjeta por hora pode ser até maior que o quanto recebe por hora, mas fique atento a isso. Eu sei que irá querer aproveitar o país, socar as malas de roupas e eletrônicos. E aqui entram as horas extras ou second job; quem tem moradia e/ou alimentação pelo empregador tem alguns dólares de vantagem. 

Em outlet muitos conseguem second job pois eles encaixam suas horas disponíveis, eu fiz alguns turnos de duas horas. Muitos restaurantes contratam também (alguns pedem Food Handler Permit, custa aproximadamente 30 dólares, dura 3 anos e pode tirar online). Se a cidade escolhida tiver vários resorts, é uma boa dica para procurar. 

“Nossa Gabi, mas até agora só falou em trabalho, não quero mais ir só vou trabalhar”! Calma que a parte do Travel eu já conto! Pense, 40 horas são oito horas por dia com dois dias de folga. Só coloquei as informações detalhadas para quem realmente quer uma garantia que é possível pagar toda a viagem e aproveitar. Em minha primeira temporada, trabalhei pela manhã na Old Navy como second Job e de tarde no Waldorf. Por dois meses trabalhei entre 10 e 12 horas por dia. Dediquei-me para ao final da temporada devolver o que me emprestaram, realizar a viagem que tinha marcada e as 3 malas lotadas de roupas que comprei; mesmo assim aprendi a esquiar, sai frequentemente para conhecer os restaurantes e aproveitar a cidade. E ainda fiz uma viagem bem legal pela Califórnia. 

A PARTE DO TRAVEL 

Acredito que todos que pretendem ir para os EUA querem também conhecer os cenários dos filmes, pegar o famoso taxi amarelo, ver o Hoolywood Sign, visitar a Golden Gate, andar de limusine em Vegas, alugar um conversível e fazer uma road trip

Claro que o próprio programa já é uma viagem em si, só de viver na neve é surreal – até hoje ver a imensidão de neve que brilha com a luz do sol me trás uma emoção; mas como uma boa Brasileira, de tudo que listei a única coisa que não fiz foi a parte da limusine. 

Existem várias formas de viajar durante a temporada, mas primeiro vou contar como funciona o visto, pois está tudo interligado, o visto de trabalho para esse programa tem como datas o primeiro e último dia de trabalho. Porém, pode entrar no país antes da data que está no visto e ficar até 30 dias depois do seu último dia de trabalho, chamado de grace period

Antes do começo da temporada aproveitar para viajar vai depender do teu calendário da faculdade, pois as datas geralmente são muito próximas; mas quem sabe uma escala em alguma cidade que queira conhecer e ficar 1 ou 2 dias. Durante o período de trabalho é bem comum fechar um grupo de 5-8 pessoas, alugar um carro no dia de folga e conhecer lugares próximos. É tranquilo conseguir que alguém te cubra (todo mundo se ajuda) ou trocar a escala da semana comunicando o chefe antes para que ele coloque sua folga no dia da viagem. 

Durante a semana, não sendo próximo de feriado ou próximo do fim de ano; pedindo um bom tempo antes, os chefes permitem tirar 2, 3 dias de folga seguidos para fazer alguma viagem mais elaborada.  Por exemplo, meu aniversário é no final de fevereiro, pedi folga de terça a quinta e fui comemorar em Vegas. 

E a viagem no fim da temporada é a que terá mais liberdade, o único limitante é o início das aulas de volta no Brasil. Eu fiz aquela sonhada road trip de melhores amigas pela Califórnia de carro por 12 dias. 

SOLUÇÃO DE (QUASE) TODAS AS DÚVIDAS 

 

Acredito que a primeira coisa é saber que tem pessoas que amam o que fazem te dando o suporte, para mim, essa pessoa foi a Andreia da TravelMATE Juvevê. Ela sempre esteve disponível para todas as dúvidas que eu tinha, até lembro uma vez que me respondeu em pleno domingo. 

Procure grupo de WhatsApp com quem já foi, o grupo South Park City 19/20 tem 125 Brasileiros que estavam na temporada, além de alguns que moram lá, pessoas que foram pela segunda vez – melhor meio de conseguir qualquer tipo de ajuda voltada para a cidade, como funciona, onde morar, onde vai ser as festas, encontrar pessoas nos aeroportos para dividir Uber; foi no grupo que consegui meu second jobFacebook também tem vários grupos da cidade onde publicam aluguel de casas e ofertas de emprego. 

Job Offer é um documento fornecido pela agência com a lista com todos os trabalhos disponíveis para a temporada. Nela tem a descrição das posições disponíveis, valor pago por hora, nível de inglês necessário, fornecimento ou não de moradia. 

As entrevistas para as vagas iniciam por agosto, antes de realizá-las terá que fazer uma prova de inglês na empresa mesmo ou apresentar a nota de teste de proficiência. Pratique para entrevista, pode ser o diferencial para ser escolhido na sua primeira opção. Assim que sair a sua seleção, você terá alguns documentos para preencher e entregar como carta de recomendação. 

Lá no início falei a média de gasto, aquele valor se dá pelo fato de que além do pacote da agência tem os custos com: passaporte (se ainda não tem); passagem de avião; visto e custo da viagem até uma cidade com consulado americano. 

Provavelmente antes de ir, ou chegando lá, terá que pagar o aluguel, então é mais um dinheiro para entrar na conta; taxa SEVIS, uma reserva para gastos das primeiras semanas com alimentação, transporte, roupas de frio, plano de celular do país, dinheiro reserva, roupas de frio – até receber o primeiro pay check. E também, se for ficar mais dias do que a data final de trabalho, tem que lembrar de avisar a agência para fazer o seguro saúde desses dias extras. 

É bom esperar que os documentos do empregador para tirar o visto (DS) cheguem para comprar a passagem – use alertas de passagens em uns 4 aplicativos diferentes, às vezes é mais barato comprar para um aeroporto internacional como LAX ou EWR e comprar separado a escala dentro do país. 

Mas, tenha certeza que tem espaço suficiente para imprevistos; então coloque várias opções de aeroportos nos alertas. Só com o DS em mão consegue agendar o visto; o visto é muito difícil de ser negado e, e é comum fazê- lo em menos de um mês antes de viajar. Com isso em mente, planeje-se na faculdade, há chances de estar em semana de provas na data de ir ao consulado. 

Outra coisa bem comum, não desespere-se, é o passaporte chegar em suas mãos na semana da viagem. Na hora de agendar o visto coloque o endereço de um lugar que terá alguém para receber – eu mandei para a agência. 

Deixe sua mala bem reconhecível, use faixas com desenhos diferentes, tie wraps coloridos, algo que teu olho encontre de longe; ainda mais se tiver escala de 1-2 horas, mesmo que pareça muito tempo, se tiver que ir para outro terminal; até se orientar de como chegar, pegar o metrô certo e/ou ônibus (às vezes com as 3 malas!) pode ser mais desafiador do que pensa. 

Roupas de frio, do que comprei aqui no Brasil, só as segundas pele realmente me foi útil, o resto não era apropriado, mesmo o produto sendo para neve. Se você não tem roupas apropriadas para o inverno, compre lá, leve o que tem de mais quente só para um ou dois dias até comprar. 

Busque se tem brechó na cidade; em Park City tem um lugar chamado Christian Center e sempre tem roupas de marcas, muitas vezes pouco usadas, onde é bem mais barato do que em loja, às vezes até com a etiqueta você encontra. Se você já tem como comprar antes pela internet (lembre do IOF) e mandar para onde irá morar, ou conhece alguém que irá antes e pode receber, é uma boa alternativa. Ou uma escala com tempo suficiente para sair do aeroporto e ir em outlet. 

COMO CRESCI E ME DESENVOLVI COMO PROFISSIONAL NAS MINHAS EXPERIÊNCIAS DE WORK & TRAVEL NOS EUA 

 

É um programa que acredito que todos deveriam ter, todos os aspectos da sua vida irão evoluir, pois: sair de casa, aprender a cuidar de si mesmo, ter uma experiência profissional; tudo isso são responsabilidade que desenvolve as suas habilidades de entrar no mundo adulto. E ainda com um bônus de viajar junto. 

Sempre fui de fazer bem feito os trabalhos que eu me proponho a fazer. Quando acabou a minha primeira temporada meu chefe já falou que eu fiz tudo direitinho e que gostaria que eu voltasse. Quando entrei em contado com o hotel para ir a segunda vez minha vaga já estava garantida. Assim que cheguei em Park City meu chefe me promoveu a supervisora da minha equipe, então era responsável por sete pessoas que faziam Work & Travel, novamente todas falavam espanhol, mas dessa vez foi diferente. Presenciei as pessoas evoluírem como aconteceu comigo na primeira vez. Começar meio perdido no que é para fazer, perceber as diferentes personalidades em um ambiente de trabalho, com o tempo familiarizando-se com o trabalho e ganhando responsabilidade.

Liderar uma equipe, vendo tudo que eu tinha vivido de uma forma diferente, passando minhas dicas, facilitando o trabalho, e às vezes confundindo, pois ninguém pensa igual ao outro ao se deparar com uma situação. A segunda vez me trouxe mais contato com pessoas do hotel, americanos. Eu não tinha apenas que atender os hóspedes, mas também me comunicar com os outros setores. Isso porque meu chefe encerrava as atividades antes do final do turno da minha equipe. Conhecia todos os bellman’s até o GM do hotel. As novas aventuras, com maior responsabilidade me permitiram o sentimento de “Gabi, mais uma vez você conseguiu! E com obstáculos ainda maiores.” Foi incrível mais uma vez. 

Mesmo voltando para mesma cidade, as experiências foram completamente diferentes. Na segunda vez não precisei de second job, pois o salário era maior. Aproveitei mais a cidade, os amigos que fiz, alguns que também foram uma segunda vez. Dessa vez meu roommate era brasileiro, moramos em uma casa de uma família americana, então vi muito o dia a dia deles. Aliás, a dona da casa foi sensacional com a gente, tudo que tinha de interessante na cidade, desde competição de ski até festa na casa com amigos, elas nos convidava; até o carro me emprestava. 

E mesmo com todos os conhecimentos, faz parte da vida, imprevistos acontecerem, mas não deixe de aproveitar bastante sua viagem! Vai ser inesquecível, sempre terá o apoio de muita gente, da agência, amigos que já foram, pessoas no grupo. Portanto, não deixe suas inseguranças lhe impedirem de ir, tudo que te desafia te transforma em uma pessoa melhor. 

Estava no programa quando a Covid surgiu, não pude viajar no final. Muitos receios surgiram e não tinha certeza se iria conseguir voltar para o Brasil, com calma, resolvendo as questões conforme surgiram, voltei. E já vou avisando que o próximo W&T eu irei pois é maravilhoso. Quem sabe nos encontramos por lá! 

Você já pensou em fazer uma faculdade no exterior?

Faculdade no exterior: você já pensou em fazer?

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 75 0

Você já pensou em como seria interessante ter em seu currículo uma graduação internacional? Por meio de uma experiência de estudo internacional, você entra em contato com professores, metodologias, colegas e conhecimentos que podem ser seus principais diferenciais no mercado de trabalho.

Um dos principais motivadores que levam os estudantes a pensarem em fazer faculdade no exterior é a qualidade de ensino, somada à bagagem enriquecedora que a experiência pode proporcionar. Então, se você quiser saber como é possível estudar fora do país, acompanhe nosso artigo de hoje. 

Vale a pena fazer faculdade no exterior?

 

Vale a pena fazer faculdade no exterior?

Esse é um dos questionamentos que mais aparece quando alguém cogita fazer uma faculdade no exterior. Isso é muito normal, até mesmo porque existem muitas dúvidas relacionadas principalmente ao custo de estudar fora do país. 

Na média, esse valor pode até ser maior se comparado ao custo de uma universidade aqui no Brasil. Contudo, isso varia muito de um local para outro, e também vai depender do curso e da universidade de interesse. Aqui na TravelMATE nós preferimos utilizar a palavra investimento, já que é exatamente isso o que acontece quando você faz uma faculdade no exterior: você investe em sua carreira profissional, obviamente, mas, acima de tudo, investe em seu crescimento pessoal. E, por falar nisso, o retorno dessa experiência é incalculável. Então, sim! Sempre vai valer a pena fazer um faculdade no exterior e nós vamos te dizer o porquê: 

Fluência no idioma

Mesmo que você já tenha pleno domínio de outro idioma, nada se compara com a vivência em outro país, afinal de contas, terá que fazer tudo em uma língua que não é a sua, e isso fará com que aprimore ainda mais essa questão. E cá entre nós: não precisa ser nenhum especialista para saber que os profissionais que falam inglês, por exemplo, se destacam e conseguem as melhores vagas nas empresas. 

Leia também: O que fazer antes de entrar na faculdade 

Desenvolvimento pessoal

Fazer uma faculdade no exterior exige que você se adapte totalmente a uma nova cultura. Você precisa estudar em outro idioma, se habituar com os costumes do país e, muitas vezes, aprender uma nova metodologia de ensino. São várias as situações que tiram você da zona de conforto e que fazem com que você, mesmo sem perceber, tenha um grande desenvolvimento pessoal. Autonomia, segurança, proatividade e independência são as principais habilidades responsáveis por proporcionar seu crescimento. 

Soft Skills: 5 dicas para desenvolver no Intercâmbio

Networking internacional

Networking por si só já é muito importante. Agora, já imaginou se sua rede profissional for internacional? Hoje em dia essas relações são fundamentais para a carreira profissional de qualquer pessoa.  A troca de informações cria uma visão mais ampla e de diferentes perspectivas sobre os desafios da jornada profissional. Criar uma boa rede de contato faz com que você tenha acesso a mais oportunidades. Dentro de um networking, existe a premissa de apoio e confiança, e é normal que uns ajudem os outros. É por isso que tanto se fala nisso hoje em dia. Como existem alguns destinos que possibilitam trabalhar durante o período no país, é bem provável que você consiga criar uma rede super legal, que pode até ser uma referência para sua carreira futuramente. 

Como fazer uma faculdade no exterior?

 

Você pode ter essa experiência através de um intercâmbio de Higher Education pela TravelMATE. Nessa modalidade, todos os cursos disponíveis são considerados de nível superior. Existe a possibilidade de direcionar o estudo para área profissional ou para área mais acadêmica, isso depende do objetivo e perfil de cada um. 

As regras e exigências são diferentes para cada destino. Dependendo do sistema educacional de cada país, é possível optar por cursos de menor duração, que são considerados cursos de nível superior técnico, ou, então, cursos mais longos, como os de bacharelado, pós-graduação ou mestrado. 

Apesar das diferenças, alguns requisitos valem para qualquer destino: 

É necessário ser proficiente no idioma

Independente do destino escolhido, é preciso ter proficiência. Contudo, há mais de uma forma de comprovar o seu nível no idioma, e, em alguns lugares, não é necessário apresentar o tradicional TOEFL ou IELTS. Caso você não saiba, esses são os exames de proficiência em língua inglesa internacionalmente reconhecidos, sendo o IELTS o mais aceito internacionalmente. 

Em alguns países como o Canadá, Estados Unidos e Reino Unido, por exemplo, é possível fazer um curso preparatório. Por meio dele, você comprova o seu nível de inglês e dispensa a necessidade de fazer um exame oficial, entretanto, o nível exigido, tanto para ingressar no preparatório, quanto para sair dele, também pode variar conforme a instituição escolhida. 

Não sabe onde se encaixa o seu nível no idioma? Então conheça o Quadro Europeu de Línguas

Documentação

Quem pretende fazer uma faculdade no exterior deve ter em mente que há uma série de documentos necessários. Histórico de desempenho escolar, comprovação financeira, solicitação do visto, passaporte.. enfim, existem diferentes solicitações e exigências, de acordo com o país e instituição escolhida. Porém, é importante ficar de olho em toda a documentação necessária para que não falte nada no momento que você precisar. O mais indicado é ter acesso a uma lista de tudo aquilo que você poderá precisar e começar a reunir essas informações o quanto antes, mas fica tranquilo(a) que a TM pode te ajudar com tudo isso, tá bem?

 

Por onde começar para fazer uma faculdade no exterior? 

O mais indicado é que você busque todas as informações necessárias sobre o programa que pretende fazer antes mesmo de qualquer planejamento. Para isso, ter o auxílio de uma agência de intercâmbio especializada é fundamental. A experiência que os profissionais dessas empresas possuem torna o processo muito mais simples, agradável e eficiente. 

Além disso, empresas comprometidas oferecem todo o suporte necessário, desde a orientação acadêmica, cursos preparatórios até a colocação universitária, ou seja, uma assistência completa do início ao fim do processo. 

Então, caso você pense em viver a experiência de fazer uma faculdade no exterior,  entre em contato com nossos consultores. Eles terão o maior prazer em explicar sobre as possibilidades existentes e regras de cada um dos destinos disponíveis. Você pode escolher entre Austrália, Canadá, Estados Unidos, IrlandaPortugal, Reino Unido ou Nova Zelândia para concretizar o seu plano de fazer um ensino superior fora do país e decolar sua vida profissional.

Entre em contato com a TravelMATE pelo WhatsApp , solicite informações sobre o  Higher Education e comece a se preparar para estudar em uma das melhores instituições de ensino superior do mundo. 

 

Destino para High School

O melhor destino para fazer o High School

Passar um tempo no exterior fazendo 1 ou 2 semestres do Ensino Médio é provavelmente a modalidade de intercâmbio mais tradicional que existe, talvez mesmo até a mais antiga entre as opções que existem hoje.  Ele existe desde os anos 50, numa época em que muitos países pagavam um preço alto – tanto econômico como social – para se recuperar dos vestígios deixados pela Segunda Guerra Mundial. 

O raciocínio, na época, foi que se pessoas de diferentes nacionalidades tivessem vínculos afetivos com outras pessoas e outros lugares, as chances de novas guerras diminuiriam.  Com isso, a solução encontrada foi enviar estudantes secundaristas para vivenciar um ano escolar em outro país, conhecendo seus hábitos, seu modo de pensar, sua cultura.  Nascia aí o que hoje chamamos de Intercâmbio High School.

Imagem: Arquivo Nacional Holandês – 1953 – Autor: JD Noske / Anefo

 

Passaram-se 70 anos desde então, mas mesmo assim o High School ainda é praticamente sinônimo de intercâmbio – tanto é que muitos ainda acham que intercâmbio é apenas para jovens.  O que hoje em dia não é mais verdade.  Há programas disponíveis dos 8 aos 80 anos!

Quando fazer a inscrição?

 

O processo de inscrição para o High School envolve uma série de etapas e preparação para que programa aconteça no seu ritmo.  Conversas com seu agente educacional, preenchimento de papéis, exames médicos, etc. 

Como é de se imaginar, nossos parceiros no exterior utilizarão esta documentação para apresentar à sua futura família hospedeira e fazer sua matrícula no colégio.  Por este motivo o ideal é que a inscrição seja feita com cerca de 1 ano de antecedência, de preferência.  

Lembre-se de que existe também outros processos envolvidos, como obtenção de visto, por exemplo.  Assim, quanto maior for a antecedência, melhor.  Claro que isso não é uma regra absoluta, é possível se inscrever depois.  Alguns destinos têm vagas limitadas e pode acontecer que estas se esgotem mais rapidamente.

Dúvida cruel: como escolher o destino do intercâmbio High School?

Intercâmbio High School - Qual destino escolher

 

 

Este momento de escolha é sempre motivo de muita dúvida para o futuro “high schooler” e sua família. Com tantas opções, como tomar esta decisão?  Qual país é melhor? Será que vou gostar?  Contudo, como as inscrições para o programa ocorrem alguns meses antes do embarque, vem também a pergunta: se eu escolher um destino agora e depois me arrepender antes do embarque?

A resposta é basicamente uma só: o melhor destino será aquele onde você viverá a sua experiência, não importa em que país ou cidade.  Pode parecer estranho agora, mas você entenderá isso após já ter retornado ao Brasil. Você quebrará a cabeça um pouco na hora de decidir, mas tenha certeza de que qualquer que seja a escolha, ela será a mais acertada!

No final das contas, o que menos vai importar é o país.  O que importa mesmo é a experiência internacional, a vivência, os laços que você formará por lá, as amizades que vai fazer, a rotina do dia-a-dia.  E tudo isso você encontrará em qualquer parte do mundo. Seja numa comunidade rural, seja numa cidade de porte médio. Passando pelo verão, outono, inverno ou primavera. Com uma família composta de várias pessoas ou um casal sem filhos.  A sua experiência será única e somente sua.  

OK, entendi.  Agora qual destino escolho?

 

 

 

Mesmo sabendo que sua experiência será única, rica e cheia de memórias, não tem como escapar, né? Precisamos bater o martelo sobre o destino mesmo assim.

Pense primeiramente naquele destino que te fez ter vontade de procurar saber sobre o intercâmbio. Algum amigo seu foi para determinado país e te contou?  No seu colégio, a “onda” é ir para uma certa região?  Seus pais te incentivaram a pensar neste ou naquele continente?  Você assistiu a alguma live e gostou?  Algum ponto de partida sempre haverá.  Considere este destino num primeiro momento.

Em paralelo, não deixe de considerar outras possibilidades também: você sabia que é possível fazer intercâmbio High School também na Irlanda, na Inglaterra, no País de Gales, na África do Sul? Em países onde o idioma não é o inglês? Alemanha, França, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Noruega…   

E uma terceira opção, para contrabalancear: já se imaginou na Austrália ou Nova Zelândia?  Desse modo, se estes destinos já eram os primeiros que você imaginou, compare então com Estados Unidos ou Canadá.

Na Travelmate temos um portfolio com mais de 95 destinos, a maioria com a opção semestral e anual, o que dá um leque de quase 200 opções! Mas não deixe de fazer este exercício, pode ser que você se depare com uma opção que nem tinha te ocorrido antes e….. Wow! Como não pensei nisso antes?? 

Seu coração vai bater mais forte em algum momento durante esta reflexão.  E você então saberá o melhor destino para fazer o SEU intercâmbio High School.

Onde é mais barato fazer intercâmbio?

Uma das primeiras questões que aparecem na hora de escolher o destino para seu programa de educação internacional é a melhor relação custo X benefício. E pela lógica, parece mais vantajoso optar por países onde a moeda tem o câmbio mais baixo. É muito comum ouvir nossos futuros mates dizerem “Quero Canadá pois o dólar canadense é mais baixo” ou, sob a mesma ótica, “Meu sonho é ir para o Reino Unido, mas não consigo, pois a libra é muito alta”.  Essa lógica faz até algum sentido, porém você verá a seguir que o câmbio em si não é o principal fator determinante na hora de escolher o seu destino e analisar o preço do intercâmbio.

Mas se o euro vale mais que o dólar, como é possível que essa lógica não seja verdadeira?

 

Antes de continuar, é importante saber que os preços, seja para o que for, são formados através de uma mescla de vários outros fatores locais de cada país: impostos, abundância ou escassez do item no local (ou seja, é produzido localmente ou é necessário importar?), custo de vida local, questões trabalhistas, preços praticados no mercado imobiliário, entre muitos outros. 

Uma banana no Brasil tem um preço bem mais acessível do que, digamos, na Islândia. Um vinho francês no Brasil custa mais que um vinho nacional, enquanto que na França o vinho nacional (que, no caso, vem a ser francês!) pode ser encontrado por preços infinitamente menores. Deste modo, tudo é muito relativo.

Sabe aquela história do amigo que comprou um i-Phone nos EUA pois o preço lá é muito melhor?  Ou o casal que foi para Miami comprar o enxoval do bebê que está para chegar? Pela lógica do câmbio, já que o dólar é mais alto que o real, não faria sentido fazer uma viagem internacional para comprar um telefone ou roupinhas de bebê – pois se o real vale menos, aqui em tese seria mais barato! 

Tudo faria sentido se os preços fossem exatamente os mesmos em qualquer parte do mundo, ou seja, se um determinado item custasse 1000 moedas locais, por exemplo.  Então na Inglaterra seriam 1000 libras, na União Européia 1000 euros, nos EUA 1000 dólares americanos, no Canadá 1000 dólares canadenses, e assim por diante. 

E deste modo tudo no Japão custaria uma bagatela – a cotação do iene está sempre na casa dos poucos centavos em relação ao real brasileiro.  Percebe que na prática a coisa não funciona bem assim?  Cada item de consumo tem números diferentes e por isso simplesmente fazer a conversão não mostra a realidade dos fatos!

E como isso tudo funciona em relação ao preço do intercâmbio?

Qual o preço do intercâmbio?

 

Um programa de intercâmbio pressupõe alguns itens básicos que compõem o preço do curso.  Acomodação também é um fator mega importante, pois envolve também custo de hospedagem que varia muito conforme a localização.  Mas vamos nos ater apenas à parte que diz respeito ao curso propriamente dito.

Como em qualquer escola do mundo, existe um componente que é a taxa de matrícula – que nada mais é que o primeiro passo para inscrição em um curso, seja ele qual for.  Vamos comparar este único item aqui, sem entrar em pormenores. Como referência, vamos nos basear numa mesma escola parceira, que oferece cursos na maior parte dos destinos mais populares para intercâmbio. Para facilitar a compreensão, colocamos a conversão para reais ao câmbio do dia em que este post foi escrito. 

Taxas de matrícula de uma mesma escola em diferentes destinos:

Claro, esta é apenas uma pequena parte do todo, mas serve para ilustrar que o câmbio mais alto ou mais baixo não é o que deverá guiar a escolha.  Se seu sonho é ir à Inglaterra, não deixe se intimidar pelo preço da libra, você poderá se surpreender positivamente.  Se sua escolha é o Canadá só porque ouviu falar que “ preço do intercâmbio no Canadá é mais barato por causa do dólar canadense”, compare outras opções também.

Moral da história: “Quem converte não se diverte”

O objetivo aqui não é de forma alguma incentivar ou desincentivar um ou outro  destino para seu intercâmbio. Temos um portfolio bem abrangente e você poderá fazer sua escolha.  Mas antes de decidir, ouça primeiro seu coração. Se seu desejo é fazer seu curso na Europa, vá em frente.

Se seus olhos brilham mais pelo Canadá, vá em frente também. Coloque tudo na balança e você verá que o preço do intercâmbio será o último dos fatores que te ajudarão a decidir pelo destino. Ainda na dúvida? Clique aqui e fale conosco, será um prazer participar dessa decisão com você! Ou mande uma mensagem em nosso WhatsApp

universidade no exterior: 7 motivos para você fazer

Universidade no exterior: 7 motivos para você estudar fora

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 2327 0

Estudar em uma universidade no exterior vai trazer muitos benefícios, tanto para a sua vida pessoal, quanto para a sua vida profissional. 

Existem diversas razões para você ir estudar fora.Neste artigo, você vai ver 7 motivos para fazer universidade no exterior. Depois disso, você certamente começará a planejar sua viagem agora mesmo!  

1. Ensino de qualidade

8 motivos para fazer universidade no exterior

 

Quando alguém decide sair do seu país para estudar, uma das principais, se não a mais importantes razões, é uma universidade de qualidade

De acordo com QS World University Ranking 2021, entre as 20 melhores universidades do mundo, 10 ficam nos Estados Unidos, 5 ficam no Reino Unido, 2 na Suíça, 2 em Singapura e 1 na China.

Confira a lista completa das universidades

Nenhuma universidade brasileira entrou para o top 100 do mais recente ranking mundial de instituições de ensino superior publicado. 

A Universidade de São Paulo (USP), aparece em 115º lugar no ranking mundial e 3º na América Latina. Esse foi o melhor resultado no ranking, até agora. 

Então, se você quer ter um estudo de alta qualidade é melhor ir pegando seu passaporte e começar a pensar em qual lugar estudar! 

2. Aperfeiçoamento da língua

aperfeiçoar a lingua

 

Você nasceu, cresceu e viveu com a língua que seus grupos sociais falavam, e quando você for estudar em uma universidade no exterior não será diferente. Porém, não com sua língua nativa. Mesmo que você saiba falar outro idioma, com a vivência e as experiências de morar e estudar em outro país é que realmente você ficará fluente em outro idioma

Com a globalização, é muito importante dedicar-se a aprender novas línguas. O inglês não é mais um diferencial, é imprescindível ao candidatar-se a uma vaga de emprego. Além disso, é considerado hoje um fator preponderante para seleção dos candidatos. Com isso, transforma o espanhol na terceira língua, como verdadeiro elemento agregador de valor aos currículos. 

Quem pretende fazer uma universidade no exterior, o idioma será necessário e muito exigido, já que precisará adaptar-se e compreender as informações que pretende absorver e externar para obter conhecimento. 

Mesmo quando for viajar para curtir suas férias fora do país, a comunicação com guias turísticos, taxistas, garçons será muito importante para aproveitar os momentos de diversão. 

 

3. Fazer universidade no exterior abrange diversas áreas para se especializar

universidade no exterior

 

 

 

No Brasil, as universidades oferecem uma quantidade mais limitada de cursos se comparado às melhores universidades do mundo. Estudar fora do Brasil, além de possuir um estudo de alta qualidade, permite que você encontrará diversas áreas únicas para se especializar, que talvez por aqui seja mais difícil.

E mesmo nos cursos tradicionais, um diploma obtido no exterior é uma vantagem que colocará você muito à frente de qualquer concorrente no mercado de trabalho.

Então, se você quer realmente ser diferenciado, prepare as malas e bora lá!

 

4. Conhecer pessoas de diferentes lugares e culturas

 

universidade no exterior

 

 

Para fazer uma universidade no exterior, você precisará fazer alguns esforços, inclusive ficar distante da família e seus amigos. Por outro lado, pode ter a certeza que você vai encontrar pessoas novas e que elas vão agregar muito em sua vida. Suas histórias, modos de viver, culturas diferentes irão fazer você crescer muito. E claro, você também terá a oportunidade de compartilhar a sua cultura com as outras pessoas.

Morando em um novo país as “definições de amizade serão atualizadas”!  Você vai aprender a chamar um amigo para ir ao supermercado com você, por exemplo, e acredite: esses “passeios” são divertidíssimos. Os amigos em um país diferente são mais que amigos, se tornam referências, guias de viagens, críticos de restaurante, e na maioria das vezes, se tornam sua família longe de casa.

Em geral, as amizades são fortes, próximas e simples, e você sentirá um carinho por essas pessoas por muito tempo, mesmo depois de voltar para o Brasil.

Com certeza você terá outra visão do mundo e da sua própria cultura. Então prepare-se para conhecer novos amigos de diferentes estilos!

 

5. Adquirir conhecimento em uma universidade no exterior

 

conhecimento

 

 

Depois de estudar em uma universidade no exterior de qualidade, aperfeiçoar a língua do país, conhecer novos amigos e outras culturas, consequentemente você estará adquirindo conhecimento. E quando falamos em conhecimento, vai muito além do que vai ser ensinado em sala de aula! Conhecimento de vida! 

Essa viagem mudará o seu estilo de vida, o seu senso crítico e alimentará ainda mais a sua vontade de viajar novamente e fazer tudo isso de novo. Viajar é viciante! 

 

6. Mercado de trabalho

 

universidade no exterior

 

Talvez um dos principais pensamentos que você tem quando vai sair do Brasil para fazer uma universidade no exterior está relacionado ao mercado de trabalho. Estudar fora tem relação direta com o seu currículo. E sim, ele será turbinado, não apenas pelo seu estudo na universidade do exterior, mas também por você demonstrar independência, conhecimento, opiniões diferenciadas, experiências fora da zona de conforto. 

Tudo isso te ajudará a dar um grande passo na direção do emprego que você sempre sonhou.

 

7. Novas ideias 

 

novas ideias

 

E por fim, temos a certeza que você vai voltar ao Brasil totalmente renovado e cheio de ideias

A experiência te trará novos olhares e com isso a vontade de colocar as ideias no papel. Elas podem ser soluções pequenas para a sua própria vida ou ainda poderá te dar todas as ferramentas, contatos e ideias para conseguir empreender. 

Viaje, estude e conquiste coisas incríveis em sua vida

Esses 7 motivos são mais que suficientes para te mostrar – e convencer – que estudar em uma universidade no exterior pode ser uma das melhores escolhas da sua vida, hein?

Por isso, não deixe de pensar nisso! Existe um mundo cheio de possibilidades esperando por você! 

Caso você queira mais informações sobre como estudar em uma universidade no exterior, leia mais sobre o Higher Education.  

 

Os três modelos de hospedagem mais comuns no intercâmbio

Postado por: Tatiana Serbena/ 1012 0

Se tratando de intercâmbio, uma série de decisões devem ser tomadas. Para ter certeza de que você chegou na melhor opção, é preciso primeiramente conhecer as alternativas possíveis e fazer um balanço dos fatores que mais pesam. Uma importante decisão a ser tomada é com relação a sua moradia. Listamos abaixo as três modalidades mais comuns e pontuamos as vantagens e desvantagens mais evidentes de cada uma delas. Lembrando que essa é uma decisão que não precisa ser fixa do início ao fim do seu intercâmbio. Você pode mudar caso não se sinta à vontade ou perceba que não é da maneira como você esperava.

hospedagem mais comuns no intercâmbio
Hospedagem mais comuns no intercâmbio
  • Host Family 

Um dos modelos mais comuns de se hospedar no intercâmbio é o que chamamos de Host Family, que significa morar na casa de uma família e dividir com eles o dia a dia. Este, possivelmente, é o caminho mais curto para economizar e mergulhar na cultura de um país, pois é uma troca bastante significativa e diária. As três maiores vantagens que resumem essa modalidade de hospedagem são: economia, segurança e excelente custo-benefício. Além disso, esse tipo de acomodação costuma ter pelo menos uma refeição inclusa, um fator confortável e que reduz gastos.  Sem contar ainda que “ter uma família” do outro lado pode ser bastante confortante. Há momentos em que pode-se precisar de uma atenção um pouco mais particular.

Além disso, quem vivenciou na pele esse tipo de modalidade de hospedagem afirma ter tido uma melhora e aprofundamento significativo na língua materna local, seja ela qual for. Se a sua intenção for realmente aprender inglês, por exemplo, a Host Family é seguramente uma excelente opção.

No entanto, você pode estar indo para o intercâmbio com um espírito um pouquinho diferente, e opções como “residência estudantil” e “morar sozinho” podem ser mais adequadas.

 

  • Residência estudantil

O ambiente é outro. Você vive entre estudantes que geralmente tem a mesma idade que a sua e possivelmente as mesmas pretensões e objetivos. As acomodações nessa modalidade podem variar entre quartos compartilhados ou individuais. Aqui, você já é um pouco mais dono do próprio nariz e deve menos satisfações. É uma rotina um pouco mais autônoma que a intimidade vivida em uma casa de família. As residências estudantis costumam ter excelentes infraestrutura e localizações centrais privilegiadas. Algumas incluem até mesmo a facilidade das três refeições diárias, já outras oferecem cozinhas e a infraestrutura necessária para que você mesmo faça a sua própria comida. Existem outros tipos de variações, como banheiros compartilhados ou não.

Uma vantagem da residência estudantil que se assemelha à casa de família é o fator convivência diária com a língua diferente da sua e que você provavelmente tenha imenso interesse em aprender.

Uma das principais desvantagens, principalmente em comparação com a casa de família é o preço. Residências estudantis costumam ser mais caras e também mais concorridas. Em alguns casos há filas de espera para conseguir uma vaga. Por mais esse motivo é importante fazer tudo com antecedência.

Lembre-se também do fator convivência. Como você dividirá os espaços e possivelmente seu quarto com diferentes pessoas das mais distintas culturas, é preciso haver uma conversa para que haja a responsabilidade devida, respeito e organização, a fim de evitar conflitos futuros.

Por outro lado, se você pretende ficar muito tempo no local de destino, esse é um ambiente ótimo para a sua chegada. Lá, você irá fazer amigos e encontrar possíveis colegas para dividir um apartamento, opção que oferece um pouco mais de privacidade e conforto, além de criar laços e amizades duradoras com pessoas de diversos lugares.

 

  • Morar sozinho

Eis a opção que exigirá uma disposição maior em desembolsar um valor a mais por mês. Morar sozinho tem qualidades evidentes que atraem qualquer um que deseja uma experiência de autonomia no exterior. No entanto, costuma ser a menos popular entre as opções mais comuns de moradia, principalmente tratando-se de intercâmbio estudantil. Além de ser mais caro na grande maioria dos casos, morar sozinho exige que você tenha mais autonomia em resolver todos os seus problemas de maneira independente. É preciso também ter um pouco mais de controle com gastos e pagamentos de contas.

No entanto, ter o seu próprio cantinho pode significar um prazer imenso para quem não abre mão de conforto, liberdade total e principalmente privacidade.

Se o local comportar, nada impede também que futuramente você também opte por dividir com uma ou mais pessoas, já que existirá a liberdade de fazer esse tipo de escolha. Essa opção cai bem não só pela companhia, caso você deseje, como também para dar uma folga nos gastos mensais da casa.

Agora que você já conhece as principais vantagens e desvantagens de cada uma das principais modalidades de hospedagem para o seu intercâmbio, entre em contato com a Travelmate e dê o primeiro passo para o seu sonho de morar fora!

Você conhece as bases Travelmate pelo mundo?

Postado por: Marketing Travelmate/ 940 0

Travelmate inaugura 2 novas bases, agora na Austrália e Irlanda

 

Chegar à um país diferente é sempre uma descoberta… Aprender um idioma, se adaptar a uma nova cultura, novas pessoas, fazem parte do processo que vai fazer com que o intercâmbio seja uma experiência inesquecível, e desafiadora.

E esse desafio pode trazer inseguranças e medos, então pensando nessa necessidade, inauguramos bases TravelMATE nos principais destinos para os programas de Study & Work, com o objetivo único trazer segurança aos nossos intercambistas.

Além de um espaço físico na principal cidade de cada país, contamos com uma equipe especializada nas demais cidades que recebem intercambistas.

Então se você vai embarcar para Austrália ou Irlanda, conte com a gente no seu destino.

 

Conheça as bases TravelMATE

 

A gente sabe o que é importate para você, por isso contamos com uma equipe especializada e preparada para acompanhar os alunos em todas as etapas após o embarque.

 

BASE IRLANDA – DUBLIN

 

Endereço: Dame Street, 30, Dublin

Parceiro: Service in Dublin

 

  • Pré embarque online 
  • Grupo oficial no WhatsApp com todos os alunos, facilitando networking, indicações e oportunidades
  • Induction Day –  Reunião presencial com a equipe após a chegada
  • City Tour pelos principais pontos turísticos 
  • Workshop sobre currículo e busca de empregos
  • Calendário de atividades mensais: viagens, festas, eventos
  • Suporte durante todo o intercâmbio

 

BASE AUSTRÁLIA – SYDNEY

 

Endereço: Victoria Street, 326, Sydney

Parceiro: Tagarela Intercâmbios

 

  • Pré embarque online 
  • Grupo oficial no WhatsApp com todos os alunos, facilitando networking, indicações e oportunidades
  • Induction Day –  Reunião presencial com a equipe após a chegada
  • Aula de inglês gratuita 1x por semana (para os alunos de Sydney)
  • Workshops
  • Calendário de atividades
  • Happy Hour e festas 
  • Suporte durante todo o intercâmbio

 

A gente sabe o que é importante para você, por isso a equipesua experiência, afinal, intercâmbio é para vida toda.

 

Conta com a gente agora, antes e depois do seu embarque! 

Fazer o bem sem olhar a quem, por onde for.

Postado por: Marketing Travelmate/ 1688 0

Intercambista da Travelmate São Paulo unidade do Itaim Bibi, Karina Pereira escolheu como destino Dublin para dar asas a um projeto de usar o palhaço como arte, o qual já existe aqui no Brasil e ela levou na bagagem para a Irlanda contagiando e envolvendo todos por lá, incentivando doações de brinquedos, roupas e livros para crianças da Tanzânia. País este, que ela conheceu em uma de suas aventuras como clown.

Ainda na faculdade, Karina já começou a se envolver e se encantar com este universo de palhaço terapia (clown) e com isso, junto com algumas amigas da área de saúde começou um projeto o qual tinha como objetivo fazer abordagens mais empáticas, simpáticas e humanizadas com novos pacientes.

“O projeto foi um marco na minha vida e, quando cheguei a Dublin, em 2017, reescrevi uma nova versão com o foco na intergeracionalidade, ou seja, na troca mais genuína e afetuosa entre crianças e idosos por meio do clown”, disse Dra. Lady Melancia, o nome oficial que Karina usa como palhaça.
Já em Dublin, Karina com seu projeto repaginado expandiu oferecendo oficinas para os brasileiros que estão lá na Irlanda. Estas oficinas formaram novos palhaços. E ela não parou por aí!
Por indicação entrou em contato com uma médica do projeto TLM (Their Lives Matter). A médica trabalha em um Hospital da Tanzânia, e tomou um café com Karina quando estava em Dublin. A moça depois desta conversa decidiu que iria até lá fazer seu voluntariado e voltou para Dublin mais engajada ainda!
Fonte: E-Dublin

Cursos de idiomas nos Estados Unidos

Postado por: Tatiana Serbena/ 1433 0

new-york-1031411_1920

É impossível que você nunca tenha se deparado com alguma frase em inglês, seja na internet, em vitrines, manuais de eletrônicos, ou até mesmo nas suas roupas. O inglês está em todo lugar, e mesmo que você queira, não pode fugir dele, e como dizia aquele velho ditado, se você não pode vencer o seu inimigo, junte-se a ele.

O Inglês é o terceiro idioma mais falado do mundo, considerando os países que o tem como idioma oficial, porém, quando se fala em idioma secundário, sem dúvidas o inglês é primeiro idioma colocado na lista. O poder que os Estados Unidos conquistaram depois da Segunda Guerra Mundial foi essencial para que o inglês se tornasse o “idioma mundial”.

Os Estados Unidos são referência mundial em ensino de inglês (apesar de a “mãe” da língua ser a Inglaterra), o país conta com centenas de escolas em todo o país, para todos os gostos e níveis de inglês, como por exemplo: A Embassy English, EC English, OHLA, LaL, Stafford House e muitas outras escolas que estão esperando por você.

Você pode até ficar fazendo oito anos de curso de inglês aqui no Brasil, mas vivenciar o idioma é algo totalmente diferente. Viver 24 horas por dia em um país, onde o inglês é o único idioma falado, é incrível! Em poucos meses você consegue um resultado melhor do que teria em anos estudando no Brasil. Além de que no exterior, você aprende as peculiaridades da língua, gírias, expressões locais, sinônimos e muitas outras coisas que vão além dos ensinamentos em sala de aula.

Ficou interessado em aprimorar o seu inglês ao estilo norte-americano? Aqui na Travelmate temos vários pacotes de intercâmbio voltados para os cursos de idioma, tanto nos Estados Unidos, como em outros lugares ao redor do mundo. Procure um dos nossos consultores aqui no chat ao lado e tire todas as suas dúvidas com ele. Nós estamos esperando por você, que além de aprender inglês, quer vivenciar o idioma.

Monitor de Acampamento de Verão | Conheça o Camp Leader

Postado por: Marketing Travelmate/ 2358 0

Cuidar de crianças em um acampamento de verão nos Estado Unidos. Um intercâmbio chamado Camp Leader

 

Quem nunca sonhou em participar ou então trabalhar em acampamentos de verão nos Estados Unidos?

E você sabia que pode viver esta experiência mágica de ser monitor de acampamento de verão?  Estes são os chamados Camp Leaders. Já ouviu falar?

O Camp Leader é um programa de intercâmbio remunerado para os Estados Unidos em que você trabalha cuidando e liderando crianças e adolescentes em acampamentos de verão.

 

OS ACAMPAMENTOS

Os acampamentos de verão nos Estados Unidos funcionam como uma colônia de férias aqui no Brasil, a diferença é que as crianças e jovens bem como os monitores pernoitam no acampamento. Eles estão localizados em cidades pequenas e rurais, repletos de natureza e espaço ao ar livre, onde a diversão é garantida!

 

A ROTINA DO MONITOR DE ACAMPAMENTO

Os Camp Leaders internacionais são muito bem recebidos nos acampamentos e desde o primeiro dia já farão parte da equipe! Após o treinamento assim que chega, o monitor é selecionado para cuidar de um grupo específico.

O leader trabalha em regime de dedicação exclusiva, portanto deve estar disposto a se dedicar dia e noite cuidando das crianças e adolescentes. A responsabilidade do Leader é garantir a segurança e bem-estar das crianças e adolescentes. Portanto é necessário muita paciência, a habilidade de ensinar e compartilhar o conhecimento.
A criançada e os monitores não têm moleza! As atividades dentro do acampamento de verão começam cedo e terminam tarde.

Além de ser responsável pelo cuidado das crianças e adolescentes, é interessante que o Leader possa ensinar e compartilhar habilidades ou talentos que tenha. Não importa se você é bom em algum esporte, artes, música.. o importante é encantar e poder compartilhar o que você sabe!

 

O MONITOR DE ACAMPAMENTO TEM “FREE TIME”?

Esse é um programa de intercâmbio que demanda muito empenho e energia dos monitores, afinal, são responsáveis pelas crianças e adolescentes 24 horas por dia. Mas isso não faz com que você não tenha tempo livre. Terá sim! Mas o seu tempo livre e folgas serão definidos por cada camp. Geralmente, os monitores costumam ter um dia de folga por semana ou algumas noites. Tudo isso será combinado depois que você chegar lá.

 

DURAÇÃO DO TRABALHO DO CAMP LEADER

Você pode trabalhar de 8 semanas a 15 semanas, entre Junho e Agosto. Isso será definido por você e pelo acampamento durante a etapa das entrevistas e colocação. Depois que finalizar seu trabalho no acampamento, você tem direto ao Grace Period, que nada mais é que 30 dias de férias nos EUA. Neste período você está livre para viajar e curtir o melhor que os EUA pode oferecer.

 

PROCESSO DE COLOCAÇÃO NO PROGRAMA

O processo de colocação em um acampamento é bem simples. Você precisa apresentar os requisitos para participar no programa, dar uma conferida no nível de inglês e então fazer a sua inscrição.
Depois disso, você terá acesso a um portal online onde poderá receber propostas dos acampamentos, agendar entrevistas, falar sobre você, etc.

SE INTERESSOU EM SE TORNAR UM MONITOR DE ACAMPAMENTO NOS EUA?

CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS REQUISITOS, REMUNERAÇÃO, ATIVIDADES, ETC.

BENEFÍCIOS DE VIAJAR PARA O EXTERIOR

6 benefícios de viajar para o exterior, um deles é te deixar mais esperto!

Postado por: Tatiana Serbena/ 2152 2

Poucas pessoas têm a oportunidade de viajar – Existem algumas coisas irresistíveis sobre escapar da nossa rotina.

Uma recente pesquisa mostrou que viver no exterior pode não apenas fazer você se sentir bem, mas pode fazer você ficar mais esperto também.

Em 2013 um estudo encontrou que 3,2% da população do mundo vivem fora do seu país de nascença – Isso é 210 milhões de pessoas.

Um estudo de 50 anos de 3.400 intercambistas encontrou que 82% deles desenvolveu um caminho mais sofisticado de olhar o mundo após a viagem. Esse estudo foi feito pela Indiana University, no qual encontrou que pessoas que viajaram para o exterior usaram mais criatividade e inteligência para solucionar os problemas.

Aqui estão os 6 benefícios de viajar para o exterior, e porque – cientificamente – eles vão deixar você mais esperto que quando você viajou.

  1. Despertar criatividade

Quando estamos com o psicológico fora da nossa zona de conforto, novas possibilidades e resultados aparecerão. Isto é por causa do nosso cérebro que está em estado de ‘atenção relaxada’, na viagem, o cérebro possibilita você fazer ações de uma outra maneira.

  • 220 estudantes de MBA da Northwestern’s Kellogg School estavam perguntando como resolver um famoso jogo, o “duncker candle”. 60% dos estudantes que tinham vivido no exterior resolveram o problema e apenas 42% dos que não tinham viajado resolveram.

viajar

  1. Boa comunicação

Quando você não pode falar o idioma, você não tem escolha, precisa aprender a como se comunicar não verbalmente. Reconhecendo aquela comunicação seu multissensorial é forçado, você desenvolve alternativas, ainda efetivas, modos de comunicação. São habilidades transferidas para muitas outras coisas na vida.

  • Um estudo de 2014 baseado em chineses que viajaram, encontraram que a maioria dos participantes reportaram boas comunicações e relações sociais depois de viver no tempo no exterior.

TRAVELMATE BLOG

  1. Maiores chances no mercado de trabalho

Viver no exterior ajudará você a construir conexões estrangeiras e desenvolver seu entendimento sobre várias culturas – duas habilidades cruciais no mundo profissional.

  • Um estude de 10 meses feito pela INSEAD encontrou que quem foi inserido em culturas com ambientes diferentes estavam oferecendo mais trabalhando do que quem nunca viveu fora.BENEFÍCIOS DE VIAJAR PARA O EXTERIOR
  1. Habilidades do intelectual melhorado

Se você vive em um país com uma linguagem diferente por muito tempo, você aprenderá facilmente a linguagem, no qual melhora muito seu intelectual.

  • Em 2012 a Swedish MRI realizou um estudo onde encontrou que pessoas que estão aprendendo uma segunda linguagem mudam o tamanho e forma do cérebro pelo melhoramento da espessura cortical – a camada de massa dos neurônios responsável através de memórias e consciências.

  1. Aumento da produtividade

Enquanto muitas vezes achamos que trabalhar o tempo todo e até em feriados aumenta a produtividade, a pesquisa mostra que o tempo livre realmente ajuda para você voltar e ter produtividade no trabalho.

  • Países como a França, com 40 feriados no ano, tem uma econômica melhor do que países que possuem apenas 25 dias.

travelmate

  1. Aumento da autoconsciência

A autoconsciência é um dos muitos reconhecimentos traçados para o sucesso, e isto vem sem nenhuma surpresa para quem viveu no exterior, e encontrou e melhorou sua autoconsciência.

  • Um recente teste de psicológica distante concebeu sugestões que viajar ou planejar sua viagem e imaginando você mesmo em outra família e distante da sua localização, melhora sua autoconsciência.

Embora nossa casa ainda seja a mesma quando nós retornamos, através da viagem algumas coisas em nossas mentes têm sido mudadas, e que tem um poder de transformar qualquer coisa em nossas vidas.

Se abra para novos ambientes, tenha uma vida no exterior e encontre seu verdadeiro potencial intelectual.

Entre em contato com a Travelmate clicando aqui e realize seu sonho!

 

5 motivos para fazer uma graduação no exterior

Postado por: Sirius/ 927 0

Procurando um divisor de águas para seus estudos e carreira? Então a graduação no exterior pode ser uma boa opção pra você. Com vários formatos, essa modalidade de estudos permite que você se prepare para as demandas do mercado de trabalho ou tenha cursos essencialmente acadêmicos nas melhores universidades do mundo. 

Na hora de decidir entre esse tipo de intercâmbio e os cursos comuns de idiomas no exterior, muitas dúvidas aparecem. Afinal, por que devo optar pela graduação no exterior? A escolha, claro, irá sempre depender dos seus motivos pessoais. Mas, vamos te auxiliar mostrando alguns dos benefícios.

Internacionalização do currículo

O fato de ter uma graduação no exterior é um grande diferencial para o currículo. Cada vez mais, empresas buscam por profissionais com bagagem internacional. E no mercado competitivo, esse é um dos fatores que te deixam a frente, já que as empresas procuram por pessoas que tiveram contato com a diversidade cultural, que tenham capacidade de se adaptar às mudanças e, claro, com a fluência em outro idioma.

Fluência no idioma

A prática é muito diferente do que a teoria. E esse é um ganho imediato de quem vai estudar no exterior: aprender um novo idioma de forma mais rápida. Ter a fluência em outra língua com certeza abrirá portas e oportunidades. E não precisa ter medo: grande parte dos estrangeiros está acostumada a receber visitantes de outros países. Por isso, eles podem lhe ajudar com o idioma.

Uma importante dica para quem quer fazer uma graduação no exterior é: evite ficar apenas com os brasileiros.  Por mais que eles ajudem a matar as saudades de casa, entre eles você acaba só falando português. Por isso, exercite o idioma com os nativos.

Desenvolvimento pessoal

Uma das coisas mais importantes ao se fazer uma graduação no exterior é a oportunidade de autoconhecimento. Com a experiência, você muda a forma de ver o mundo, e isso consequentemente reflete em você. Além disso, são muitas as experiências desafiadoras, que exigirão equilíbrio e desenvolvimento.

Experiência acadêmica diversa

De uma coisa você pode ter certeza: a graduação no exterior te trará experiências completamente diferentes. As universidades estrangeiras proporcionam metodologias de ensino diferenciadas e a maioria delas possibilita a flexibilidade acadêmica, ou seja, você pode escolher as matérias que possui mais afinidade.

Contatos importantes e possibilidade de trabalho

Ao conhecer novas pessoas durante a sua graduação no exterior, você pode fazer contatos valiosos que poderão te auxiliar em algum momento – principalmente se você tem o objetivo de voltar para aquele país em busca de trabalho, por exemplo. Quando se está em outro país e tem contato com pessoas das mais diferentes origens, isso pode representar uma importante ferramenta de networking, podendo inclusive, fazer valiosos laços profissionais.

 

As cidades mais populares para fazer intercâmbio nos EUA

Postado por: Sirius/ 531 0

Resultado de imagem para intercambio

 

Pode ser que ao pensar em fazer intercâmbio nos EUA você queira escapar das cidades mais visadas por intercambistas do mundo inteiro e esteja procurando um lugar mais alternativo, mas singelo e mais barato para se viver. Pode ser também que você queira descobrir o segredo de algumas das maiores e mais populares cidades deste país ou mesmo desbravar os cantos mais conhecidos dos Estados Unidos – e quiçá, do mundo.

 

A verdade é que os Estados Unidos abrigam cidades para os mais diversos gostos e não é difícil entender o motivo que leva muitas pessoas almejarem fazer os seus intercâmbios por lá. Para os que vão para estudar, o país reúne várias das melhores e mais respeitadas Universidades do mundo, em consonância com um ensino reconhecido e de muita qualidade.

 

Sem pestanejar, as cidades mais populares para fazer intercâmbio nos Estados são: Nova York, São Francisco, Chicago, Los Angeles, Boston e Washington DC. Vai de você reconhecer os principais pontos que se se sobressaem em alguma delas para então estar convicto da resposta que talvez seja a mais importante do seu intercâmbio: o cenário onde tudo isso vai acontecer. Vamos passar rapidamente por cada uma das principais cidades nos EUA, começando pela mais popular de todas: NYC.

 

 

Resultado de imagem para intercambio new york

 

Nova York

 

É a maior cidade do país, a mais concorrida, a mais visada, e quem sabe, a que reúne a maior dose de magia dentre as outras tão encantadoras quanto. “A cidade que nunca dorme” é a casa de Manhattan, uma ilha que concentra o maior nível de vida pulsante que um lugar poderia reunir e um dos lugares mais famosos do mundo. Verões bastante quentes, invernos rigorosos. A cidade é cara e altamente disputada. Estudar, trabalhar ou passear em NYC é sempre um privilégio.

 

 

Resultado de imagem para san francisco

 

São Francisco

 

Mais conhecida tanto por ser o antro dos antenados na tecnologia quanto pela sua famosíssima ponte vermelha, a Golden Gate. A cidade é casa do famoso Vale do Silício, de onde saíram as maiores empresas de tecnologia da informação que o mundo já conheceu, começando pelo Google. O clima é um dos mais atrativos do país, possivelmente ameno o ano inteiro. São Francisco é sofisticada, cosmopolita, de caráter e alma alternativa. Pra completar, é um pouco mais barata que Nova York. Talvez qualquer uma das cidades citadas abaixo, serão.

 

Resultado de imagem para chicago

 

Chicago

No estado de Illinois, à beira do lago Michigan, apresenta-se a cidade de Chicago. Um dos maiores centros financeiros e empresariais do mundo, a cidade sedia os principais bancos americanos e faz jus à fama de sofisticação. Chicago é referência absoluta para arquitetura mundial. Eis aí um motivo para os futuros arquitetos quererem passar um tempo por lá. Além disso, Chicago sedia diversos festivais a nível mundial. Por tudo isso, paga-se caro: há muito o que se planejar. Porém, por mais difícil que isso pareça, o início, meio e fim, são recompensadores.

 

Resultado de imagem para los angeles

 

Los Angeles

 

Simplesmente a casa da maior indústria de entretenimento já produzida no mundo. É em Los Angeles que diversos atores, atrizes, cantores, músicos e jovens descolados escolheram viver. Quem nunca ouviu falar de Beverly Hills, Hollywood, a Calçada da Fama, a bela praia de Santa Mônica e por aí vai.. Já pensou um intercâmbio nesse lugar? Incrível.

 

 

Imagem relacionada]

 

Boston

 

Capital do quase “trava língua” estado de Massachussetts, Boston é uma  cidade portuária altamente conhecida por ser um centro de excelência acadêmica mundial, abrigando nada mais nada menos que as Universidades de Harvard e MIT (Massachussetts Institute of Technology). A educação é de altíssimo nível, a cidade, pra lá de eficiente e sofisticada. Boston é dose certa para o clássico e o contemporâneo conviverem em harmonia. Os verões são quentes, passando dos 30 graus. No inverno, os mesmos 30 graus, só que negativos. Mas não seja por isso: a cidade é perfeitamente preparada para enfrentar esse tipo de clima, caso o seu intercâmbio aconteça no inverno. Arte, cultura e entretenimento também são pontos fortes.

 

Resultado de imagem para washington

 

Washington DC

 

A capital dos Estados Unidos não podia ficar de fora. Muitas coisas acontecem em Washington. Só de morar na mesma cidade onde estão monumentos e locais tão importantes e representativos como o Capitólio, o Pentágono e a Casa Branca já justificariam a escolha. Um ponto positivo, é que a cidade costuma ser a mais barata que as listadas acima, em termos de custo de vida. Não é por menos, mas segurança, organização e cultura é que não faltam. Washington é um destino que celebra a arte. Enjoy it.  

 

 

Resultado de imagem para intercâmbio

 

 

Por mais óbvio que pareça, fazer um intercâmbio nos Estados Unidos pode ser uma decisão bastante acertada, principalmente se o seu objetivo maior for aprender inglês. Outras cidades também populares e que você pode cogitar com toda tranquilidade são: San Diego, Miami, Seattle, Orlando, Denver e Santa Barbara.

Conte com a Travelmate para embarcar nessa viagem e marcar a sua vida pra sempre!

 

 

 

 

 

 

 

aupair

AuPair EUA: barato e inesquecível

Postado por: Sirius/ 853 4
AuPair EUA: barato e inesquecível

País em que as oportunidades e o estilo de vida atraem muitas pessoas, os EUA oferecem uma das grandes oportunidades para se viver uma fase muito especial na sua vida. O AuPair, é uma das modalidades de intercâmbio mais procuradas e de menor custo. A modalidade consiste em um trabalho remunerado, em que o jovem mora na casa de uma família que a hospeda com o objetivo de cuidar das crianças da família. O programa é uma ótima opção para jovens de 18 a 26 anos com nível intermediário/avançado de inglês, que estão em busca de mergulhar em uma rica experiência cultural e vivenciar o “american way of life” de perto.

Com relação à acomodação, o jovem se hospedará na própria casa da família hospedeira, não pagando nada pela hospedagem. Além disso, terá o seu próprio quarto durante todo o período do programa.

Mas os benefícios vão muito além de uma acomodação gratuita com alimentação inclusa e quarto individual. O AuPair garante que seja pago ao intercambista uma bolsa de estudos de até US$ 500 dólares para fins de estudo. Além disso, a família hospedeira oferecerá 1,5 dias de folga por semana e um final de semana por mês (de sexta a domingo à noite).

É importante lembrar, que é a família hospedeira quem vai determinar os horários a serem trabalhados pelo candidato, de acordo com a necessidade da casa.

O AuPair, portanto, pode ser resumido em três grandes vantagens:

– Estudo e trabalho em um só programa

Sendo uma AuPair, o ganho é dobrado: você pode estudar e trabalhar ao mesmo tempo, aproveitando o máximo que a sua estadia nos Estados Unidos pode lhe proporcionar;

 – Intercâmbio longo

 O período estipulado para a vivência AuPair nos Estados Unidos é de, no mínimo, 1 ano. Ainda, é possível estender a permanência por mais 6, 9 ou 12 meses (dependendo do interesse da família AuPair). Com um intercambio dessa duração, não há como não mergulhar intensamente na cultura americana. Além disso, muito provavelmente você volte dominando o inglês, visto que é necessário possuir um nível intermediário do idioma, exigido para atender aos pré-requisitos do programa.

– Trabalho remunerado e domínio do inglês

O programa AuPair nos Estados Unidos oferece grandes vantagens que vão além de ganhar o próprio dinheiro fazendo o que gosta. Uma dessas vantagens, é que devido à exposição ao idioma, você pode voltar ao Brasil dominando a língua de tal maneira que possa lhe abrir muitas portas, ou seja, lhe é garantido um grande diferencial.

Outra grande vantagem do programa é que o seu benefício salarial lhe será concedido de forma semanal. O salário varia de família para família, mas no mínimo, o benefício determinado é de US$ 195,75 dólares por semana.

Se você gostou e se identificou com o conceito do programa, mas está se perguntando, afinal, como funciona a rotina de uma AuPair, existem algumas tarefas principais que irão ocupar o dia a dia. As tarefas que estarão sob responsabilidade de uma AuPair sempre devem estar relacionadas ao cotidiano das crianças. As principais são:

– Cuidar da(s) criança(s) com muita atenção, carinho, cuidado e zelo;

– Cuidar dos pertences das crianças;

– Brincar, entreter e dar bons exemplos à(s) criança(s);

– Levar a(s) criança(s) para passear, variar o ambiente, estimular;

– Organizar e preparar o lanche escolar;

– Cuidar da higiene pessoal da criança de forma geral, como dar banho e deixá-la arrumada;

– Organizar os pertences e atividades feitas pela(s) criança(s);

– Levar e buscar a(s) criança(s) na escola;

Agora que você já sabe no que consiste o AuPair e suas maiores vantagens, fale com a Travelmate para levar você à essa experiência que tem tudo para ser inteiramente gratificante. Clique aqui e fale com um de nossos consultores!

Work and Travel Estados Unidos

Work and Travel Estados Unidos – TravelMate

Postado por: Sirius/ 798 1
Work and Travel Estados Unidos

Trabalhar durante o seu intercâmbio pode ser o melhor dos mundos para a maioria dos intercambistas que se aventuram em viver no exterior. O Work and Travel é um programa de trabalho remunerado ideal para estudantes que sonham em ter uma experiência completa que abrange um dos principais campos de interesse de um intercambista: ser remunerado enquanto desbrava uma nova cultura.

 

Devido aos moldes do programa, é possível aproveitar as férias da Universidade para viajar sem precisar perder ou adiar os estudos aqui no Brasil. O programa é exclusivo para jovens universitários que tenham entre 18 e 28 anos de idade e o período no exterior varia de 3 a 4 meses. O Work and Travel é realizado nos Estados Unidos, sempre durante as férias de verão do Brasil, justamente para que os estudantes possam voltar ao país e continuar os seus estudos normalmente, mas agora, com uma bela bagagem a mais. Ter que interromper os estudos para fazer intercâmbio nem sempre é a melhor escolha para os estudantes, e de fato, muitos não querem adiar um pouco mais a formação universitária.

 

O contato com o idioma vai ser constante, e você vai poder praticar o seu inglês com pessoas de vários lugares do mundo, conhecer de perto as gírias locais e se acostumar com diferentes sotaques. É por isso que, sem sombra de dúvidas, o nível de inglês para quem passa 3 ou 4 meses nos EUA melhora consideravelmente. Porém, visando um melhor aproveitamento no trabalho, é importante que o estudante já possua um conhecimento de inglês pelo menos a nível intermediário.

 

O Work and Travel é um programa baseado em experiência de trabalho, e o trabalho no exterior compete testar novas capacidades, possibilita a descoberta de novos talentos e ainda desenvolve a sua capacidade de adaptação e aprendizado. Mas, e agora, ele é o melhor programa pra você?

 

 

Para responder essa pergunta, veja se você se adequa ao primeiro critério do programa: a idade. Ter entre 18 e 28 anos e ser estudante universitário são pré-requisitos para ter o passe livre e então se aventurar em uma experiência Work and Travel. Se você se encaixa nestes critérios, sorriso no rosto!

 

Você vai poder aproveitar as férias universitárias para conhecer uma nova cultura, conhecer pessoas diferentes, fazer amizades de todas as partes do mundo, ganhar experiência profissional em terras americanas e ainda levar o seu inglês a um nível excelente, é claro, se houver dedicação o bastante. Com estes benefícios, é difícil achar alguém que não se interesse em viver um Work and Travel. Portanto, se você é jovem, tem uma grande de vontade de se desenvolver, tanto profissionalmente quanto pessoalmente, quer conhecer pessoas, lugares e costumes novos e de quebra voltar com um inglês redondinho, o Work and Travel é pra você.

 

A Travelmate trabalha com duas modalidades dentro do programa. Uma delas, é o WT Independent, onde o estudante é responsável por conseguir a sua própria oferta de trabalho. A outra modalidade é o Work and Travel Premium. Nesta, a oferta de trabalho é providenciada pela Travelmate através de seus parceiros nos EUA. Esta modalidade se torna ideal para quem está participando do programa pela primeira vez e/ou quem não quer se preocupar em procurar a sua própria oferta de trabalho.

 

Ficou com vontade de trabalhar nos EUA? Entre em contato com a Travelmate e feche o seu pacote. Esperamos você!

 

 

 

 

3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem

3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem

Postado por: Tatiana Serbena/ 1066 0
3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem: Todo viajante tem em mente a sua própria lista de aventuras, sejam elas radicais ou não. Essas aventuras podem incluir desde voar de balão na Capadócia a pular de Bungee Jump na Nova Zelândia.

Pensando nos aventureiros dispostos a encarar qualquer parada, criamos uma lista com 10 sugestões de aventuras que tem tudo para marcar a vida de quem mergulha de cabeça em cada experiência dessas. Lembrando que o tempero de cada experiência não precisa ser apenas radical. Você pode ficar completamente satisfeito e empolgado com diferentes maneiras de ver algumas das paisagens mais bonitas da terra.

Começaremos, portanto, com uma experiência já anteriormente citada e bastante conhecida para quem aterriza em terras turcas:

 

Voe de balão na Capadócia

É com certeza o passeio imperdível da Turquia. Além da sensação de voar em um balão, o que, diga-se de passagem, não é nem um pouco familiar, você terá aos seus pés uma paisagem indescritivelmente bela. Existe um silêncio que paira sobre o momento que transmite paz, tranquilidade e emoção ao mesmo tempo. A consciência de como a natureza é grandiosa é um dos legados mais bonitos dessa experiência. O passeio é concorrido, portanto, reserve-o antes de chegar lá.

capádocia balão travelmate

 

Mergulhe em um cenote mexicano

Os cenotes são espécies de cavernas ou grutas. A diferença é que estão cobertos por água da chuva, e com isso, são formados incríveis poços de água cristalina. No México existem vários deles, e é na Riviera Maia que você pode encontrar a maioria. Além de serem belíssimos, os cenotes tem história. Eles eram de extrema importância para a população Maia, pois além de fonte de água também serviam como local para cerimônias religiosas. Não é de surpreender, pois esses lugares são realmente divinos. Você pode comerçar por Tulum, onde está o famoso Cenote Dos Ojos ou conhecer o Gran Cenote, para ver de perto uma água incrivelmente cristalina e uma das representações mais bonitas da arquitetura gótica do mundo.

mexico travelmate

Acampe na Antártica

Parece impossível, mas não é. A Antártica pode ser considerada a fronteira limítrofe quando se trata de uma viagem de aventura. Por lá, existe vida e paisagens selvagens e é possível viver (nem que seja apenas por poucas noites) encarando toda essa novidade de perto. Diferente do que a maioria pensa, visitar o Continente Branco não é somente para cientistas ou pesquisadores. Para chegar na região mais fria do planeta, você precisa se deslocar até Ushuaia, na Argentina para então percorrer cerca de 1000 km de navio quebra-gelo. A melhor época para encarar essa aventura gelada é entre novembro e abril, pois as temperaturas estão um pouco mais amenas. Uma das sensações mais incríveis é quando bate meia noite e ainda é possível ver o sol no horizonte, pois o dia tem quase 24 horas. O lugar é inóspito e observar paisagens, animais e um campo vasto de água congelada vale mais do que uma visita a qualquer museu da face da terra.

3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem
3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem

Conte com a Travelmate para embarcar rumo ao destino dos seus sonhos. Clique aqui e fale com a gente!

Três destinos para aprender inglês e economizar

Postado por: Tatiana Serbena/ 1017 0

A chance de aprender inglês no exterior é uma oportunidade de ouro pra quem precisa dominar o idioma. A boa noticia é que você pode fazer isso, e ainda economizar dinheiro fugindo dos destinos mais populares do mapa caso volte os olhares para destinos mais alternativos. Países como a requisitada Austrália, a exótica África do Sul e a badalada Malta são as melhores opções para quem busca se aperfeiçoar no idioma, fazer turismo e economizar.

Além de serem países com uma excelente oferta de ensino de inglês, os três possuem uma vantagem em comum. A excelente estrutura turística de seus lugares exuberantes e atrativos fazem a motivação de estar lá, decolar. O apoio aos estudantes também é outro fator digno de ser considerado e pontuado como benéfico, pois em determinados países existem restrições ou uma burocracia demasiada que dificulta a permanência e liberdade do estudante do local.

Países como África do Sul e Malta por exemplo, possuem uma particularidade que pode ser bastante positiva se o seu objetivo é uma imersão total na língua inglesa. Nos dois existe um número reduzido de brasileiros, o que te proporciona um contato maior com estudantes estrangeiros e moradores nativos. Esse ponto com certeza impulsionará os ganhos do seu intercâmbio, em termos de aprendizado e experiências diferentes.

Já a Austrália, por suas mil e umas qualidades, costuma receber um número um pouquinho maior de brasileiros, no entanto, não é um fator que chegaria a ser prejudicial ao seu intercâmbio. Esse ponto vai muito da sua postura de imersão no idioma estrangeiro que acaba determinado pela nacionalidade que você mais conviverá.

Três destinos para aprender inglês e economizar
Três destinos para aprender inglês e economizar

 

Um outro ponto positivo da Austrália, além de ser um país com imensas qualidades e atrações, e por isso um pouco mais caro que os outros dois, é com relação à facilidade de obter visto que autorize o trabalho em meio período. Muitos estudantes buscam essa complementação na renda, e ir para a Austrália pode ser um fator determinante para essa conquista.

Na África do Sul, o destino mais comum é a Cidade do Cabo. O local garante um baixo custo de vida, visto que a moeda é desvalorizada em comparação com o real. Em Malta, você pode optar por Saint Julians. Mesmo sendo o euro a moeda oficial do país, por lá as coisas não costumam ser tão caras, principalmente se tratando de cidades pequenas e acolhedoras, como Saint Julians. Por lá, existem excelentes ofertas de ensino de inglês, visto que o inglês é um dos dois idiomas oficiais do país.

Cape Town

A Austrália é longe de ser uma opção barata. Mas se colocarmos a alta do dólar americano e do euro em questão, o destino passa a ficar um pouco mais atrativo se nos voltarmos para o custo/benefício. Lembre-se também do fator que estimula o trabalho meio período na Austrália, o que pode acabar ajudando muito no final das contas.

Entre em contato com a Travelmate e dê o primeiro passo para realizar o seu sonho de morar fora!

Descubra o destino ideal do seu intercâmbio em 5 passos

Postado por: Tatiana Serbena/ 1724 0

Com tantas opções disponíveis, como ser certeiro ao escolher o destino do seu intercâmbio? Existem mais de 190 países no mundo e seguramente cada um deles possui uma particularidade, ou algumas delas, que fazem toda a diferença na hora de eleger o país ideal para a sua experiência como intercambista. Existem alguns passos que direcionam a escolha do seu destino, e as principais estão listadas abaixo:

  1. Idioma

Principalmente se a sua intenção for viajar em pouco tempo, impossibilitando o aprendizado necessário de uma segunda língua para se sentir preparado para viajar, considere o idioma que você já domina ou no mínimo, se vira bem. Pergunte-se: qual idioma você quer se aprofundar? Se for inglês, este fator já exclui todos os outros países que não tem o inglês como língua nativa.

  1. Distância

A distância do Brasil em relação ao futuro país de destino, é um fator de peso principalmente se você deseja visitar a sua família ou receber visitas durante o seu intercâmbio. Verifique o que seria possível, e exclua aqueles que ficariam inviáveis para as suas intenções.

  1. Estilo de vida

Entre Europa e Estados Unidos podem haver muitas diferenças se a questão for estilo de vida. Entre Nova York e Firenze, na Itália, existe um abismo. Vai de você entender o que mais se aproxima do estilo de vida que pretende levar no exterior, e então, deixar de lado os países que não se assemelham com o que você está idealizando. Uma agência de intercâmbio ajuda muito no processo de conhecimento de destinos.

Descubra o destino ideal do seu intercâmbio em 5 passos
Descubra o destino ideal do seu intercâmbio em 5 passos
  1. Orçamento

Definir um orçamento, ou seja, um planejamento com relação à quanto você pretende gastar no seu período de intercâmbio é outro fator que pode ser determinante na hora de escolher um destino e desconsiderar outro. Algumas cidades são um pouco (ou muito) mais caras que outras. Procure se aprofundar nas informações que dizem respeito ao custo de vida das cidades que você tem em mente. Você vai acabar tendo que deixar algumas delas de lado e dessa forma, as coisas vão se afunilando.

  1. Objetivos

Imagine-se na cidade de destino e reflita como determinada cidade pode ser benéfica e estar em consonância com os seus objetivos e intenções. Faça pesquisas sobre universidades e cursos disponíveis para a sua área de interesse. É importante, da mesma forma, refletir sobre o seu futuro e aspirações profissionais e pessoais. Assim, vai conseguir extrair o melhor que o seu intercâmbio poderia te proporcionar.

Para o seu conforto, o blog da Travelmate possui diversos conteúdos que respondem algumas dessas questões, não deixe de visitar! Conte com a Travelmate para auxiliá-lo neste processo inicial assim como acompanhá-lo em sua experiência como intercambista. Conheça nossos planos e pacotes disponíveis e boa viagem!

7 empresas que oferecem oportunidade de carreira internacional

Postado por: Tatiana Serbena/ 1416 0

Um intercâmbio profissional no exterior é considerado um benefício e um diferencial na carreira que pode fazer toda a diferença em seus planos futuros. Se a sua intenção for seguir carreira internacional, começar por um intercâmbio fora do Brasil pode ser o primeiro passo que o aproxime de uma carreira sem fronteiras.

empresas que oferecem oportunidade de carreira internacional
Empresas que oferecem oportunidade de carreira internacional

 

São vários os países que permitem esse tipo de experiência, como Estados Unidos, Austrália, França, Irlanda, Canadá, Nova Zelândia e diversos outros destinos. Uma agência de intercâmbio como a Travelmate pode te auxiliar em todo este processo de escolha e trâmites burocráticos, baseado no tipo de trabalho que você deseja exercer lá fora. É importante que você tenha claro os motivos que te levaram a escolher trabalhar no exterior, pois caso você não tenha um foco muito grande e não souber o real motivo da sua escolha, é bastante provável que você retorne ao Brasil nas primeiras dificuldades, porque elas existem.

 

Dentre as empresas que se destacam entre as que são abertas ao intercâmbio cultural, estão:

  1. General Motors (GM)

A empresa é conhecida por oferecer um aprendizado constante, bons salários e benefícios. A sede principal está localizada em Detroit, Michigan, EUA.

  1. Enel

A Enel é uma empresa italiana com sede em Roma, na Itália. Atua na geração e distribuição de energia elétrica e gás natural. Os pontos positivos mencionados por seus colaboradores são oportunidades internacionais, trabalho em equipe, bons salários e benefícios.

  1. Citibank

Fundado em 1812 como o “Banco da cidade de Nova York” hoje possui mais de 3 mil filiais em mais de 35 países ao redor do mundo, a maioria delas estão nos EUA. Os pontos positivos mais mencionados em relação à empresa são oportunidades internacionais, ambiente de trabalho estimulante e equipe competente.

  1. Siemens

A Siemens é uma empresa alemã e seus principais escritórios estão localizados na Alemanha, precisamente em Berlim, Munique e Erlangen. Os pontos positivos mais reconhecidos da empresa são as oportunidades de carreira internacional, salários, benefícios e ambiente de trabalho tranquilo.

  1. Nestlé

A Nestlé inicia sua história em 1866 na Suíça e em 2016 a empresa cumpriu os seus 150 anos, sem parar de inovar. Fora os clássicos da marca, a empresa lançou recentemente o sorvete Gelato, a linha Optifast e por aí vai. Os salários e benefícios, planos de carreira e oportunidades no exterior são os pontos positivos citados pelos colaboradores da empresa como os que se sobressaem.

  1. ABB

Asea Brown Boveri é uma multinacional com sede em Zurique que atua no ramo da tecnologia servindo a clientes industriais, concessionárias, transporte e infraestrutura de forma global. Os pontos que mais se destacam para os que trabalham na empresa é com relação ao ambiente de trabalho, possibilidade de mudança para outros países e flexibilidade de horários.

  1. Ernst & Young

A EY é uma empresa que atua basicamente nos ramos de Auditoria e Consultoria com sede principal em Londres. Presente em mais de 150 países e mais de 700 escritórios espalhados pelo mundo, as vantagens de se trabalhar lá se relacionam principalmente com a flexibilidade, exposição internacional e aprendizado constante.

Dê o primeiro passo para a sua carreira internacional. Fale com a Travelmate e conheça nossos planos e pacotes para um intercâmbio de trabalho no exterior.

5 passeios imperdíveis para fazer em Chicago

Postado por: Tatiana Serbena/ 971 0

Muito se fala em intercâmbio para os Estados Unidos, mas você já imaginou um intercâmbio precisamente em Chicago? A cidade reúne uma série de atrações (além de ser uma atração por si só) e você conhece 5 delas nos tópicos abaixo:

passeios imperdíveis para fazer em Chicago
Passeios imperdíveis para fazer em Chicago

 

  1. Encontre o melhor do jazz

Percorrendo a cidade de uma maneira um pouco mais pessoal e não tão turística, você encontrará pelo caminho diversos pequenos bares locais que tocam o melhor do jazz. Caso você goste do gênero, um dos imperdíveis é o “Green Mill Cocktail Lounge” quase tão antigo quanto a arte do jazz.

 

  1. Barco, um meio de transporte alternativo

Pode parecer que estar preso em um barco junto a uma centena de turistas não é a melhor das ideias. Mas a maneira mais rápida, fácil e inteligente de ter uma noção rápida e um entendimento da magnífica história de Chicago é em um passeio de barco. Enquanto navega pelo rio da cidade, você voltará anos na história de um lugar que já foi indispensável para o comércio mundial, ficará encantado pelas obras e histórias de Daniel Burnham, Mies Van der Rohe, Louis Skidmore e outros tantos nomes célebres que fazem de Chicago uma das cidades com a mais bela arquitetura de todos os tempos.

  1. Explore o Hyde Park

É neste lugar que você vai se deparar com o belo e imponente Museu de Ciência e Indústria, o Museu DuSable de História Afro-Americana e a famosa Universidade de Chicago. Hoje, a zona do Hyde Park é bastante conhecida por ser lar do casal Obama, que se mudaram para a região quando o ex-presidente começou a lecionar na Faculdade de Direito da Universidade. Se estiver um dia bonito, nada melhor que ir ao Promontory Point e desfrutar da linda vista para o lago Michigan.

 

  1. Passeie por Millenium Park

Este parque central é um dos lugares mais visitados da cidade e dá pra dizer que “são várias atrações dentro uma atração”. Isso porque no Millenium Park estão o Cloud Gate (The Bean) um dos símbolos de Chicago feito por Anish Kapoor, Crown Fountain, uma fonte projetada por Jaume Plensa com duas torres de luz que atuam como telões exibindo rostos de moradores ou naturais de Chicago (como Oprah Winfrey e Barack Obama) e ainda pontos interessantes como Jay Pritzker Pavilion, BP Pedestrian Bridge, Lurie Garden e Harry Theater.

  1. Frank Lloyd Wright tour

A cidade próxima a Chicago chamada Oak Park concentra uma bela parte do legado deixado pelo célebre arquiteto Frank Lloyd Wright. A viagem vale a pena, e é facilmente executada através do trem Green Line L desde o centro de Chicago. O pai do marco arquitetônico “Casa da Cascata” está entre os maiores arquitetos que o mundo já viu. Em Oak Park você poderá ver de perto inúmeras casas feitas pelo arquiteto dos marcantes traços de linhas horizontais e transformador de uma era na arquitetura mundial. Vale o passeio.

Fale com a Travelmate e conheça nossos planos e pacotes para viagens de lazer e intercâmbios.

Translate »