Categoria: Nova Zelândia

Estudar e trabalhar na Nova Zelândia - Tudo o que você precisa saber

Estudar e trabalhar na Nova Zelândia: tudo o que você precisa saber

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 24 0

Se você tem espírito aventureiro, gosta de contato com a natureza e não abre mão de um ensino de qualidade, você já deve considerar conhecer a Nova Zelândia. Mas, se você se identificou com tudo isso e nunca pensou nessa possibilidade, talvez esteja na hora de dar um pouco mais de atenção para o país que hospeda a “capital mundial da aventura”.

No artigo de hoje, separamos as principais informações que você precisa saber sobre o país.

Nova Zelândia: muito além da natureza e dos esportes radicais 

 

Dividida em duas grandes ilhas na Oceania, a Nova Zelândia é um dos países com a natureza mais surpreendente do mundo. As paisagens são realmente estonteantes de tão bonitas. Não é à toa que existe até um festival de contemplação à natureza: o Powerco Taranaki Garden Spectacular, um dos festivais mais tradicionais desse gênero, acontece por lá.

A fama dos esportes radicais se deve pelo fato de o bungee jumping ter sido oficialmente inventado por um neozelandês. Só que esse não é o único motivo!  A prática de descidas em corredeiras e escaladas nas montanhas glaciais contribuem para tornar o país no local ideal para quem gosta de aventura. Também há possibilidade de praticar esportes aquáticos e adrenalizar por trilhas em matas fechadas espalhadas pelos parques nacionais.

Além dos esportes radicais e de toda a sua riqueza cultural e natural, o país é o 2º colocado no ranking de países mais seguros do mundo. Esses dados são referentes ao relatório Global Peace Index 2020. Ou seja, é possível deixar suas coisas na areia e dar um mergulho na praia, aproveitar a balada e voltar a pé de madrugada, tudo com muita tranquilidade e total segurança.

E ainda tem mais: em relação à educação, o destino também é muito atrativo. Os cursos oferecidos são reconhecidos internacionalmente e possuem uma altíssima qualidade. Inclusive, a Universidade de Auckland está entre as 100 melhores do mundo de acordo com o QS World University Rankings 2020, e, claro, isso a torna a melhor do país.

Com tantas vantagens assim, é de se imaginar que a maioria dos estudantes intercambistas tenha a intenção de estender sua permanência ou até ficar por tempo indeterminado na Nova Zelândia, até mesmo porque o processo de renovação de visto é facilitado quando o aluno já está estudando e trabalhando legalmente por lá.

Então, se você curte momentos de adrenalina e está afim de fazer um curso no exterior, estudar e trabalhar na Nova Zelândia certamente é uma ótima opção.

Vem com a gente saber mais sobre esse país encantador.

 

Língua oficial 

A língua oficial é o inglês, que, inclusive, tem um sotaque bem característico. Porém, o idioma Maori é considerado um tesouro nacional e cerca de 23% dos neozelandeses falam a língua.

 

Economia

A economia da Nova Zelândia se destaca por seu planejamento e estabilidade. Parte importante está concentrada nas exportações, principalmente de ouro, carvão, areia, ferro, petróleo bruto e gás natural. Por se preocupar com os impactos dessas produções, o país investe muito em pesquisas na área de sustentabilidade.

O turismo, é claro, é outro setor que movimenta muito a economia local, mas o grande destaque é justamente o turismo educacional. Por lá, é possível encontrar cursos de idiomas, profissionalizantes, de graduação, pós-graduação, mestrado e até mesmo oportunidades direcionadas à pesquisas.

A moeda local é dólar neozelandês (NZD). O salário na Nova Zelândia – assim como na maioria dos países –  é pago por hora, e o valor mínimo é de NZ$ 17,70.

 

Clima 

O tempo no país pode mudar rapidamente, por isso, é preciso estar preparado para tudo! Costuma-se dizer que, por lá, é possível experimentar todas as estações do no em único dia!

O extremo norte tem clima subtropical durante o verão, enquanto as áreas alpinas no interior da ilha sul podem chegar ao frio de -10°C durante o inverno. Porém, a maior parte do país fica próximo à costa, o que significa que as temperaturas são amenas durante o ano inteiro. Mesmo no verão as temperaturas não costumam subir muito, ficando em torno de 25 graus, mas, eventualmente, os termômetros podem subir um pouco mais.

 

Cultura Neozelandesa

 

A cultura da Nova Zelândia tem origens europeias, mas também possui características bem distintas, que são uma evolução da cultura indígena Maori. O povo é conhecido por sua receptividade, educação e bom humor. Uma das principais características herdadas desse povo é o amor pela natureza. Ah! Eles também valorizam muito os bons momentos entre amigos e familiares.

O esporte referência no país é o rugby. Aliás, assim como os brasileiros são amantes do futebol, o mesmo acontece com os neozelandeses com esse esporte. Inclusive, a seleção de rugby, All Blacks, já conquistou diversos campeonatos importantes na modalidade.

Outra particularidade da cultura neozelandesa é o quanto levam a sério o trabalho. Eles acreditam que todo o esforço dedicado para alavancar a carreira profissional é uma virtude e deve passar de geração para geração.

Com isso, fica mais fácil entender porque um país que investe em educação e valoriza o trabalho é uma excelente opção para estudar e trabalhar, não é mesmo? E, como “bônus”, ainda oferece paisagens exuberantes de encher os olhos – e a alma.

 

E como é possível estudar e trabalhar na Nova Zelândia? 

Isso é possível através de um intercâmbio que conceda a permissão de trabalho. Para isso, o curso escolhido precisa ter uma duração mínima de 14 semanas. Dessa forma, o aluno terá permissão para trabalhar 20 horas semanais enquanto estuda. O trabalho ou estágio pode ou não ser remunerado, e a remuneração varia conforme a atividade e o nível de inglês do intercambista.

A educação neozelandesa recebe muitos investimentos e é muito valorizada, por isso, a qualidade de ensino acaba sendo um grande destaque do país. Há várias opções de cursos de inglês dentro de excelentes universidades. Há também a possibilidade de fazer diversos cursos profissionalizantes, como curso técnico em engenharia mecânica ou civil, ou especialização em marketing digital, por exemplo.

 

Como obter o visto para estudar e trabalhar na Nova Zelândia

As regras da imigração exigem que estudantes estrangeiros que pretendam trabalhar no país tenham o visto de estudante. Para isso, é necessário estar matriculado em uma instituição classificada na categoria 1 do New Zealand Qualifications Authority (NZQA), o que configura um ensino de qualidade.

Diferente de outros países, só é possível trabalhar em período integral durante as férias aqueles que estiverem matriculados em cursos com duração superior a 12 meses.

Para aplicação do visto é necessário:

  • Passaporte (com validade de, no mínimo, três meses após a data de saída da Nova Zelândia)
  • Uma foto recente (3×4)
  • Formulário online para Visto para Estudante
  • Autorização Eletrônica de Viagem (NZeTA)
  • Formulário de Financial Undertaking assinado pela pessoa que estiver financiando o curso e pelo gerente de seu banco
  • Comprovação de matrícula na instituição
  • Pagamento integral do curso
  • Garantia de acomodação com endereço de onde o aluno vai ficar hospedado
  • 6 extratos bancários de seis meses anteriores à aplicação do visto que comprovem NZD 1,250 para cada mês de permanência no país
  • Imposto de renda e holerite
  • Garantia de seguro saúde/viagem
  • Comprovante de pagamento da taxa de conservação e turismo (IVL)
  • Cópia da passagem aérea (ida e volta) ou print da reserva

Para cursos com mais de 6 meses de duração, é necessário realizar um exame médico, que deve ser emitido por um médico credenciado pela Imigração da Nova Zelândia

 

Quais são as opções de cidades para estudar e trabalhar na Nova Zelândia?

 

Wellington

 

Wellington é a capital do país. É uma cidade muito charmosa localizada ao sul de North Island e é uma capital cheia de estilo com tudo o que você precisa. Os neozelandeses a chamam de Windy Wellington, ou, a “Wellington dos ventos”. Conhecida por suas colinas verdes, é uma cidade rica em cultura, gastronomia, diversão e arte, tanto que seus museus são famosos no mundo todo.

A capital é cheia de bares, cafés e restaurantes, o que já aumenta a probabilidade de conseguir um emprego, já que a maioria dos brasileiros trabalha nesse tipo de lugar.

Há também muitos locais que vendem cervejas artesanais. Inclusive, todos os anos acontece o famoso festival Beervana, que reúne alguns dos melhores mestres cervejeiros do país. A Cuba Street, por exemplo, é um reduto bem boêmio cheio de estabelecimentos coloridos. Lá circulam muitos jovens, hipster e artistas, e, na rua, é possível encontrar músicos andarilhos, shows de teatro ou até performances com fogo. É ali também que está a Bucket Fountain, um dos cartões postais da cidade.

A beira-mar é um local que vale a pena conhecer. É o lugar em que os intercambistas se misturam com os moradores locais. É muito comum ver pessoas andando de skate, pedalando ou simplesmente curtindo uma praia. Lá também é possível fazer um passeio no histórico bonde de Wellington. Com seu vermelho vivo, é um ícone da capital, que parte de Lambton Quay e sobe até Kelburn, onde se pode visitar o Cable Car Museum — o museu do bonde, no Space Place do Carter Observatory.

 

Auckland

 

É a maior cidade da Nova Zelândia. Embora Wellington seja a capital neozelandesa, Auckland é o principal centro financeiro e econômico. Foi fundada em 1840, e foi a capital do país até 1865.

Auckland é atravessada pela Volcanic Field, uma região onde ficam cerca de 50 vulcões. Estes assumem a forma de cones, lagos, lagoas, ilhas e depressões, e têm produzido várias correntes de lava extensivas.

A cidade conta com uma ampla área verde. Em Auckland, você vai encontrar muita diversidade cultural, boas opções relacionadas a esportes, culinárias e viagens. Sem contar que a cidade foi eleita várias vezes uma das melhores em qualidade de vida do mundo. Desse modos, o grupos étnicos de todos os cantos do mundo a tornam a cidade mais cosmopolita do país.

Auckland também é conhecida por Cidade das Velas, porque este esporte é praticado por todos os lados da cidade, que é cercada de praias e com ventos favoráveis a quem deseja velejar.

Queenstown

 

Está situada na Ilha do Sul e fica às margens de um lago cristalino cercado de montanhas. Na cidade calma, vê-se poucos carros e várias ruas para pedestres lotadas de pequenas lojas de recordações. Ela ficou mundialmente conhecida como capital mundial dos esportes radicais.

Lá, é possível fazer passeios de barco pelo lago e parar numa típica fazenda de ovelhas. Ou saltar de bungee jumping, skydiving, praticar ski, fazer rafting, se aventurar por safáris em meio às montanhas ou praticar mountain biking. Ou seja, Queenstown é um prato cheio para quem gosta de todos os tipos de adrenalina. Em alguns pontos da cidade, também é possível observar um famoso conjunto de montanhas, conhecido como “The Remarkables”.

A região de Queenstown é um local com uma concentração maior de brasileiros que o restante da Nova Zelândia, e a maioria trabalha em áreas como hotelaria, construção e prestação de serviços.

As festas são outra grande atração turística, com várias casas noturnas espalhadas pelo centro da cidade, como a Winnies, Cowboys, Ice Bar, entre outros.

Christchurch

 

estudar e trabalhar na nova zelândia

É um dos destinos mais procurados na Nova Zelândia. Foi colonizada pela Inglaterra e até hoje tem o charme e um pouco da cultura inglesa.

Christchurch tem diversos parques e várias reservas naturais, além de ser conhecida como a “Cidade Jardim”. As pessoas gostam tanto de jardinagem na cidade, que realizam competições entre os bairros para eleger as ruas, residências e até as fábricas mais floridas.

Além disso, possui praias encantadoras de água cristalina e com um swell perfeito para surfar. Contrapondo a isso, há fácil acesso a estações de esqui.  O Trem Tranz Alpino é considerado um dos mais espetaculares passeios de trem no mundo, e sai de Christchurch em direção à costa oeste da Ilha Sul. Isso tudo pode tornar a experiência de intercâmbio em Christchurch ainda mais inesquecível.

Contudo, a cidade conta também com ótimas opções de instituições de ensino, o que torna o lugar uma excelente alternativa para quem pretende estudar e trabalhar na Nova Zelândia. É possível fazer um curso de inglês, profissionalizante, uma graduação ou até mesmo uma pós-graduação.

 

Tauranga

 

Tauranga: uma opção para estudar e tranalhar na Nova Zelândia

 

Tauranga é a cidade mais populosa da região de Bay of Plenty da Ilha Norte na Nova Zelândia. Para os amantes de esportes aquáticos, é um destino inesquecível. Com suas praias paradisíacas, encanta qualquer pessoa.  A cidade fica distante 15 minutos de carro de um dos lugares mais incríveis da Nova Zelândia, o  Monte Maunganui. Indo até lá, você encontra um camping e o “Hot Salt Water Pool”, um local cheio de piscinas de águas quentes e salinas.

Para quem curte dias ensolarados, Tauranga é o local perfeito: são 2400 horas de sol por ano.

Lá também fica um centro comercial muito conhecido, cheio de lojas, bares, restaurantes e cafés, o que a torna um destino muito interessante para o intercâmbio. Tauranga também ficou famosa por conta das trilogias Senhor dos Anéis e Hobbit, uma vez que que serviu de locação para as filmagens.

Como encontrar um emprego na Nova Zelândia 

Assim como em qualquer lugar, encontrar um emprego na Nova Zelândia depende da força de vontade de cada um. Para começar, você pode visitar sites especializados em vagas de emprego. Já existem, inclusive, alguns mais direcionados para estrangeiros, como os sites workhere.co.nz e workingin-newzealand.com. Normalmente, as vagas anunciadas nesses sites são feitas por empregadores que já estão acostumados a contratar estudantes de outros países. No site Careers New Zealand, você também pode acessar uma lista completa com as principais agências de emprego do país.

É claro que criar uma rede de contatos e perguntar sobre as possibilidades é outra excelente maneira de encontrar um emprego. Quando você iniciar os estudos, é válido conversar com seus colegas. Se eles estiverem lá há mais tempo que você, podem ter indicações de lugares que estejam contratando, e, caso recém estejam chegando, assim como você, podem compartilhar essa busca por uma oportunidade. Assim, ao menos você já estará construindo novas amizades.

Principais vagas de emprego 

 

 

Quem vai estudar e trabalhar na Nova Zelândia costuma ocupar vagas mais operacionais. Elas variam de acordo com o nível de inglês do candidato. Muitas vezes, os estudantes começam em funções que não exijam tanto contato com o público, enquanto ainda não estão familiarizados com o idioma. Conforme isso vai melhorando, conseguem vagas com maior contato, o que já ajuda muito a melhorar o inglês.

Portanto, enquanto estiver em busca de um emprego, permita-se viver novas experiências e não tenha medo de fazer algo que você jamais imaginou. O objetivo do intercâmbio é justamente esse: sair da zona de conforto. Tudo vira aprendizado e, com certeza, essas experiências vão agregar muitos valores em sua vida.

Programas disponíveis para estudar e trabalhar na Irlanda

 

A experiência de estudar e trabalhar na Nova Zelândia proporciona convívio com pessoas locais e, também, de diversos outros países. Portannto, essa imersão em outra cultura é uma vivência que todos deveriam ter ao menos uma vez na vida.

O Study&Work, da TravelMATE, é o programa de intercâmbio ideal para quem busca unir estudo e a possibilidade de ter um emprego e se manter no país.

Então, se você se identificou com todas as maravilhas que a Nova Zelândia oferece, entre em contato conosco! Nossos consultores terão o maior prazer em te explicar ainda mais sobre esse lugar encantador.

 

Bora viver momentos incríveis?

 

Você também pode gostar de ler sobre estudar e trabalhar: 

Na Austrália 

No Canadá 

Na Irlanda 

 

Destino para High School

O melhor destino para fazer o High School

Passar um tempo no exterior fazendo 1 ou 2 semestres do Ensino Médio é provavelmente a modalidade de intercâmbio mais tradicional que existe, talvez mesmo até a mais antiga entre as opções que existem hoje.  Ele existe desde os anos 50, numa época em que muitos países pagavam um preço alto – tanto econômico como social – para se recuperar dos vestígios deixados pela Segunda Guerra Mundial. 

O raciocínio, na época, foi que se pessoas de diferentes nacionalidades tivessem vínculos afetivos com outras pessoas e outros lugares, as chances de novas guerras diminuiriam.  Com isso, a solução encontrada foi enviar estudantes secundaristas para vivenciar um ano escolar em outro país, conhecendo seus hábitos, seu modo de pensar, sua cultura.  Nascia aí o que hoje chamamos de Intercâmbio High School.

Imagem: Arquivo Nacional Holandês – 1953 – Autor: JD Noske / Anefo

 

Passaram-se 70 anos desde então, mas mesmo assim o High School ainda é praticamente sinônimo de intercâmbio – tanto é que muitos ainda acham que intercâmbio é apenas para jovens.  O que hoje em dia não é mais verdade.  Há programas disponíveis dos 8 aos 80 anos!

Quando fazer a inscrição?

 

O processo de inscrição para o High School envolve uma série de etapas e preparação para que programa aconteça no seu ritmo.  Conversas com seu agente educacional, preenchimento de papéis, exames médicos, etc. 

Como é de se imaginar, nossos parceiros no exterior utilizarão esta documentação para apresentar à sua futura família hospedeira e fazer sua matrícula no colégio.  Por este motivo o ideal é que a inscrição seja feita com cerca de 1 ano de antecedência, de preferência.  

Lembre-se de que existe também outros processos envolvidos, como obtenção de visto, por exemplo.  Assim, quanto maior for a antecedência, melhor.  Claro que isso não é uma regra absoluta, é possível se inscrever depois.  Alguns destinos têm vagas limitadas e pode acontecer que estas se esgotem mais rapidamente.

Dúvida cruel: como escolher o destino do intercâmbio High School?

Intercâmbio High School - Qual destino escolher

 

 

Este momento de escolha é sempre motivo de muita dúvida para o futuro “high schooler” e sua família. Com tantas opções, como tomar esta decisão?  Qual país é melhor? Será que vou gostar?  Contudo, como as inscrições para o programa ocorrem alguns meses antes do embarque, vem também a pergunta: se eu escolher um destino agora e depois me arrepender antes do embarque?

A resposta é basicamente uma só: o melhor destino será aquele onde você viverá a sua experiência, não importa em que país ou cidade.  Pode parecer estranho agora, mas você entenderá isso após já ter retornado ao Brasil. Você quebrará a cabeça um pouco na hora de decidir, mas tenha certeza de que qualquer que seja a escolha, ela será a mais acertada!

No final das contas, o que menos vai importar é o país.  O que importa mesmo é a experiência internacional, a vivência, os laços que você formará por lá, as amizades que vai fazer, a rotina do dia-a-dia.  E tudo isso você encontrará em qualquer parte do mundo. Seja numa comunidade rural, seja numa cidade de porte médio. Passando pelo verão, outono, inverno ou primavera. Com uma família composta de várias pessoas ou um casal sem filhos.  A sua experiência será única e somente sua.  

OK, entendi.  Agora qual destino escolho?

 

 

 

Mesmo sabendo que sua experiência será única, rica e cheia de memórias, não tem como escapar, né? Precisamos bater o martelo sobre o destino mesmo assim.

Pense primeiramente naquele destino que te fez ter vontade de procurar saber sobre o intercâmbio. Algum amigo seu foi para determinado país e te contou?  No seu colégio, a “onda” é ir para uma certa região?  Seus pais te incentivaram a pensar neste ou naquele continente?  Você assistiu a alguma live e gostou?  Algum ponto de partida sempre haverá.  Considere este destino num primeiro momento.

Em paralelo, não deixe de considerar outras possibilidades também: você sabia que é possível fazer intercâmbio High School também na Irlanda, na Inglaterra, no País de Gales, na África do Sul? Em países onde o idioma não é o inglês? Alemanha, França, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Noruega…   

E uma terceira opção, para contrabalancear: já se imaginou na Austrália ou Nova Zelândia?  Desse modo, se estes destinos já eram os primeiros que você imaginou, compare então com Estados Unidos ou Canadá.

Na Travelmate temos um portfolio com mais de 95 destinos, a maioria com a opção semestral e anual, o que dá um leque de quase 200 opções! Mas não deixe de fazer este exercício, pode ser que você se depare com uma opção que nem tinha te ocorrido antes e….. Wow! Como não pensei nisso antes?? 

Seu coração vai bater mais forte em algum momento durante esta reflexão.  E você então saberá o melhor destino para fazer o SEU intercâmbio High School.

Study Work - Trabalhar e estudar no exterior

Study & Work: o programa para quem pretende trabalhar e estudar no exterior

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 79 0

Muitas pessoas têm o sonho de trabalhar e estudar no exterior.  E essa é uma excelente opção para estudantes que querem aperfeiçoar o idioma, viver momentos incríveis e ter experiência profissional fora do país. No dia a dia do trabalho e da escola que você frequentar conhecerá pessoas de todos os lugares do mundo. O próprio convívio com os chefes e seus colegas de trabalho locais vão te ensinar mais sobre a cultura e os costumes do país. Ou seja, você vai praticar seu inglês em situações da vida real, conseguirá ganhar uma grana e conhecer lugares fantásticosAté mesmo porque se você souber administrar o salário que vai receber, poderá aproveitar para viajar – e muito, pelos países próximos.

Então se você é do time que pensa em estudar e trabalhar no exterior precisa conferir o nosso post de hoje. 

Por que estudar e trabalhar no exterior?

Simplesmente pelo fato de ser uma das experiências mais ricas de intercâmbio. Toda a nossa história se constrói através de nossas vivências, das situações que enfrentamos, das pessoas com quem nos relacionamos e da maneira como decidimos viver a vida. E, talvez, não exista nada mais gratificante do que abrir sua mente e desfrutar de todas as maravilhas que o mundo tem a oferecer

De verdade mesmo, há muito o que ser explorado por aí. Sem contar que você vai aperfeiçoar outra língua através de uma imersão total nos costumes do país escolhido. Isso porque você terá que trabalhar, estudar e viver sua vida normalmente, porém, longe de casa.

Imergir na cultura local faz com que você aprenda muito mais do que imagina. Até mesmo porque irá ter contato com pessoas de outros locais. Conviver com a diversidade e o multiculturalismo contribuiu para que você expanda os seus conhecimentos e aprenda a respeitar ainda mais as diferenças. Crenças, formas de pensar, agir, costumes, alimentação, tudo pode ser diferente ao que você está habituado. Portanto, terá que se acostumar com uma realidade que, até então, não era a sua. O que é MUITO enriquecedor, acredite. Quem vai trabalhar e estudar no exterior desenvolve habilidades extremamente requisitadas hoje em dia. São elas: 

1 – Capacidade de adaptação a diferentes ambientes e situações

 

Não importa qual seja o tipo de trabalho nem mesmo o destino escolhido você vai aprender a se adaptar ao meio e começará a ter mais flexibilidade para se adequar às mais diversas situações. Inclusive, a própria questão de trabalhar com algo que nunca pensou antes – e em outro idioma –  já é uma forma de ser mais flexível em suas escolhas. E num mundo onde as coisas mudam a todo o momento, ser flexível é uma das qualidades mais interessantes em seus relacionamentos interpessoais. 

2 – Boa comunicação 

 

Conseguir se expressar de forma clara e objetiva vai facilitar muito a adaptação em outro país. Mesmo que no início você tenha certa dificuldade com o idioma – o que é normal – vai exercer essa questão de se comunicar. Afinal de contas, se você for trabalhar e estudar no exterior terá que conversar com seus colegas de aula, professores, chefe, colegas de trabalho e clientes. 

3- Proatividade 

Sim. Você não vai poder ficar parado esperando que as oportunidades caiam do céu. E tem maneira mais eficiente de ser proativo que ir em busca de seus propósitos? Essa capacidade de tomar a iniciativa e ir atrás da solução, de uma vaga de emprego ou qualquer que seja a situação, é um aprendizado que vai fazer você crescer tanto pessoalmente quanto profissionalmente

Além dessas três habilidades, existem muitas outras conquistadas no intercâmbio. Independência, segurança, maturidade. Quer dizer, é impossível que essa experiência não enriqueça ainda mais sua vida. Se você conversar com pessoas que tenham feito intercâmbio vai perceber que é unânime: todos afirmam ter sido um dos períodos mais incríveis de suas vidas.  

Como trabalhar e estudar no exterior? Study&Work

 

Para que seja possível trabalhar e estudar no exterior, antes de tudo, é necessário escolher um programa de intercâmbio que permita que, além de frequentar o curso, você tenha também um emprego. Aqui na TravelMATE o nosso programa destinado a isso é o Study&Work

Ele é destinado justamente para aqueles que desejam estudar e trabalhar enquanto vivem em um país estrangeiro. É um dos programas mais procurados para os que buscam uma experiência fora do Brasil, já que une duas coisas que todos querem: aprendizado da língua e remuneração.

Falando nisso, uma dúvida recorrente de quem busca uma oportunidade de trabalhar e estudar no exterior é sobre salário e as funções disponíveis para os intercambistas. Isso depende muito do domínio da língua que cada um tem. Pessoas mais fluentes no idioma local costumam encontrar cargos de atendimento ao público e que pagam um pouco melhor. Já quem tem dificuldade de se comunicar acaba conquistando vagas mais operacionais, as quais não são tão bem remuneradas. Mas vai depender muito da força de vontade. Uma coisa é certa: quem mais procura acha as melhores oportunidades.

De um modo geral as principais vagas são: ajudante de cozinha, auxiliar de limpeza, garçom, barista,  recepção de restaurantes, atendente em bares, jardineiro. Todas são vagas sem muita exigência técnica e geralmente têm bastante demanda em qualquer um dos destinos disponíveis. Mas, como dito anteriormente, tudo pode variar conforme o local escolhido. 

Nós até já fizemos posts super completos sobre trabalhar e estudar no exterior para Austrália, Canadá e Irlanda. Mas, além desses também há possibilidade de fazer o programa em Dubai, Malta ou Nova Zelândia

Cada país tem suas regras e exigências, mas o tempo mínimo de duração do programa para que se possa trabalhar é de 8 semanas em Dubai, 14 semanas na Austrália e na Nova Zelândia, 24 semanas no Canadá e 25 semanas para Irlanda.

Portanto, o mais adequado é que você acesse a página oficial do Study&Work clicando aqui para viajar pelas opções que nós oferecemos. Talvez você se encante por um destino específico e comece a arrumar as malas para realizar seu sonho de trabalhar e estudar no exterior. Acha uma boa ideia? 

Mas, se você preferir pode tirar todas as suas dúvidas com um de nossos consultores através de nosso WhatsApp. Será um prazer te auxiliar para que você embarque nessa aventura. 

 

Onde é mais barato fazer intercâmbio?

Uma das primeiras questões que aparecem na hora de escolher o destino para seu programa de educação internacional é a melhor relação custo X benefício. E pela lógica, parece mais vantajoso optar por países onde a moeda tem o câmbio mais baixo. É muito comum ouvir nossos futuros mates dizerem “Quero Canadá pois o dólar canadense é mais baixo” ou, sob a mesma ótica, “Meu sonho é ir para o Reino Unido, mas não consigo, pois a libra é muito alta”.  Essa lógica faz até algum sentido, porém você verá a seguir que o câmbio em si não é o principal fator determinante na hora de escolher o seu destino e analisar o preço do intercâmbio.

Mas se o euro vale mais que o dólar, como é possível que essa lógica não seja verdadeira?

 

Antes de continuar, é importante saber que os preços, seja para o que for, são formados através de uma mescla de vários outros fatores locais de cada país: impostos, abundância ou escassez do item no local (ou seja, é produzido localmente ou é necessário importar?), custo de vida local, questões trabalhistas, preços praticados no mercado imobiliário, entre muitos outros. 

Uma banana no Brasil tem um preço bem mais acessível do que, digamos, na Islândia. Um vinho francês no Brasil custa mais que um vinho nacional, enquanto que na França o vinho nacional (que, no caso, vem a ser francês!) pode ser encontrado por preços infinitamente menores. Deste modo, tudo é muito relativo.

Sabe aquela história do amigo que comprou um i-Phone nos EUA pois o preço lá é muito melhor?  Ou o casal que foi para Miami comprar o enxoval do bebê que está para chegar? Pela lógica do câmbio, já que o dólar é mais alto que o real, não faria sentido fazer uma viagem internacional para comprar um telefone ou roupinhas de bebê – pois se o real vale menos, aqui em tese seria mais barato! 

Tudo faria sentido se os preços fossem exatamente os mesmos em qualquer parte do mundo, ou seja, se um determinado item custasse 1000 moedas locais, por exemplo.  Então na Inglaterra seriam 1000 libras, na União Européia 1000 euros, nos EUA 1000 dólares americanos, no Canadá 1000 dólares canadenses, e assim por diante. 

E deste modo tudo no Japão custaria uma bagatela – a cotação do iene está sempre na casa dos poucos centavos em relação ao real brasileiro.  Percebe que na prática a coisa não funciona bem assim?  Cada item de consumo tem números diferentes e por isso simplesmente fazer a conversão não mostra a realidade dos fatos!

E como isso tudo funciona em relação ao preço do intercâmbio?

Qual o preço do intercâmbio?

 

Um programa de intercâmbio pressupõe alguns itens básicos que compõem o preço do curso.  Acomodação também é um fator mega importante, pois envolve também custo de hospedagem que varia muito conforme a localização.  Mas vamos nos ater apenas à parte que diz respeito ao curso propriamente dito.

Como em qualquer escola do mundo, existe um componente que é a taxa de matrícula – que nada mais é que o primeiro passo para inscrição em um curso, seja ele qual for.  Vamos comparar este único item aqui, sem entrar em pormenores. Como referência, vamos nos basear numa mesma escola parceira, que oferece cursos na maior parte dos destinos mais populares para intercâmbio. Para facilitar a compreensão, colocamos a conversão para reais ao câmbio do dia em que este post foi escrito. 

Taxas de matrícula de uma mesma escola em diferentes destinos:

Claro, esta é apenas uma pequena parte do todo, mas serve para ilustrar que o câmbio mais alto ou mais baixo não é o que deverá guiar a escolha.  Se seu sonho é ir à Inglaterra, não deixe se intimidar pelo preço da libra, você poderá se surpreender positivamente.  Se sua escolha é o Canadá só porque ouviu falar que “ preço do intercâmbio no Canadá é mais barato por causa do dólar canadense”, compare outras opções também.

Moral da história: “Quem converte não se diverte”

O objetivo aqui não é de forma alguma incentivar ou desincentivar um ou outro  destino para seu intercâmbio. Temos um portfolio bem abrangente e você poderá fazer sua escolha.  Mas antes de decidir, ouça primeiro seu coração. Se seu desejo é fazer seu curso na Europa, vá em frente.

Se seus olhos brilham mais pelo Canadá, vá em frente também. Coloque tudo na balança e você verá que o preço do intercâmbio será o último dos fatores que te ajudarão a decidir pelo destino. Ainda na dúvida? Clique aqui e fale conosco, será um prazer participar dessa decisão com você! Ou mande uma mensagem em nosso WhatsApp

universidade no exterior: 7 motivos para você fazer

Universidade no exterior: 7 motivos para você estudar fora

Postado por: TravelMATE Intercâmbio/ 2307 0

Estudar em uma universidade no exterior vai trazer muitos benefícios, tanto para a sua vida pessoal, quanto para a sua vida profissional. 

Existem diversas razões para você ir estudar fora.Neste artigo, você vai ver 7 motivos para fazer universidade no exterior. Depois disso, você certamente começará a planejar sua viagem agora mesmo!  

1. Ensino de qualidade

8 motivos para fazer universidade no exterior

 

Quando alguém decide sair do seu país para estudar, uma das principais, se não a mais importantes razões, é uma universidade de qualidade

De acordo com QS World University Ranking 2021, entre as 20 melhores universidades do mundo, 10 ficam nos Estados Unidos, 5 ficam no Reino Unido, 2 na Suíça, 2 em Singapura e 1 na China.

Confira a lista completa das universidades

Nenhuma universidade brasileira entrou para o top 100 do mais recente ranking mundial de instituições de ensino superior publicado. 

A Universidade de São Paulo (USP), aparece em 115º lugar no ranking mundial e 3º na América Latina. Esse foi o melhor resultado no ranking, até agora. 

Então, se você quer ter um estudo de alta qualidade é melhor ir pegando seu passaporte e começar a pensar em qual lugar estudar! 

2. Aperfeiçoamento da língua

aperfeiçoar a lingua

 

Você nasceu, cresceu e viveu com a língua que seus grupos sociais falavam, e quando você for estudar em uma universidade no exterior não será diferente. Porém, não com sua língua nativa. Mesmo que você saiba falar outro idioma, com a vivência e as experiências de morar e estudar em outro país é que realmente você ficará fluente em outro idioma

Com a globalização, é muito importante dedicar-se a aprender novas línguas. O inglês não é mais um diferencial, é imprescindível ao candidatar-se a uma vaga de emprego. Além disso, é considerado hoje um fator preponderante para seleção dos candidatos. Com isso, transforma o espanhol na terceira língua, como verdadeiro elemento agregador de valor aos currículos. 

Quem pretende fazer uma universidade no exterior, o idioma será necessário e muito exigido, já que precisará adaptar-se e compreender as informações que pretende absorver e externar para obter conhecimento. 

Mesmo quando for viajar para curtir suas férias fora do país, a comunicação com guias turísticos, taxistas, garçons será muito importante para aproveitar os momentos de diversão. 

 

3. Fazer universidade no exterior abrange diversas áreas para se especializar

universidade no exterior

 

 

 

No Brasil, as universidades oferecem uma quantidade mais limitada de cursos se comparado às melhores universidades do mundo. Estudar fora do Brasil, além de possuir um estudo de alta qualidade, permite que você encontrará diversas áreas únicas para se especializar, que talvez por aqui seja mais difícil.

E mesmo nos cursos tradicionais, um diploma obtido no exterior é uma vantagem que colocará você muito à frente de qualquer concorrente no mercado de trabalho.

Então, se você quer realmente ser diferenciado, prepare as malas e bora lá!

 

4. Conhecer pessoas de diferentes lugares e culturas

 

universidade no exterior

 

 

Para fazer uma universidade no exterior, você precisará fazer alguns esforços, inclusive ficar distante da família e seus amigos. Por outro lado, pode ter a certeza que você vai encontrar pessoas novas e que elas vão agregar muito em sua vida. Suas histórias, modos de viver, culturas diferentes irão fazer você crescer muito. E claro, você também terá a oportunidade de compartilhar a sua cultura com as outras pessoas.

Morando em um novo país as “definições de amizade serão atualizadas”!  Você vai aprender a chamar um amigo para ir ao supermercado com você, por exemplo, e acredite: esses “passeios” são divertidíssimos. Os amigos em um país diferente são mais que amigos, se tornam referências, guias de viagens, críticos de restaurante, e na maioria das vezes, se tornam sua família longe de casa.

Em geral, as amizades são fortes, próximas e simples, e você sentirá um carinho por essas pessoas por muito tempo, mesmo depois de voltar para o Brasil.

Com certeza você terá outra visão do mundo e da sua própria cultura. Então prepare-se para conhecer novos amigos de diferentes estilos!

 

5. Adquirir conhecimento em uma universidade no exterior

 

conhecimento

 

 

Depois de estudar em uma universidade no exterior de qualidade, aperfeiçoar a língua do país, conhecer novos amigos e outras culturas, consequentemente você estará adquirindo conhecimento. E quando falamos em conhecimento, vai muito além do que vai ser ensinado em sala de aula! Conhecimento de vida! 

Essa viagem mudará o seu estilo de vida, o seu senso crítico e alimentará ainda mais a sua vontade de viajar novamente e fazer tudo isso de novo. Viajar é viciante! 

 

6. Mercado de trabalho

 

universidade no exterior

 

Talvez um dos principais pensamentos que você tem quando vai sair do Brasil para fazer uma universidade no exterior está relacionado ao mercado de trabalho. Estudar fora tem relação direta com o seu currículo. E sim, ele será turbinado, não apenas pelo seu estudo na universidade do exterior, mas também por você demonstrar independência, conhecimento, opiniões diferenciadas, experiências fora da zona de conforto. 

Tudo isso te ajudará a dar um grande passo na direção do emprego que você sempre sonhou.

 

7. Novas ideias 

 

novas ideias

 

E por fim, temos a certeza que você vai voltar ao Brasil totalmente renovado e cheio de ideias

A experiência te trará novos olhares e com isso a vontade de colocar as ideias no papel. Elas podem ser soluções pequenas para a sua própria vida ou ainda poderá te dar todas as ferramentas, contatos e ideias para conseguir empreender. 

Viaje, estude e conquiste coisas incríveis em sua vida

Esses 7 motivos são mais que suficientes para te mostrar – e convencer – que estudar em uma universidade no exterior pode ser uma das melhores escolhas da sua vida, hein?

Por isso, não deixe de pensar nisso! Existe um mundo cheio de possibilidades esperando por você! 

Caso você queira mais informações sobre como estudar em uma universidade no exterior, leia mais sobre o Higher Education.  

 

Os três modelos de hospedagem mais comuns no intercâmbio

Postado por: Tatiana Serbena/ 987 0

Se tratando de intercâmbio, uma série de decisões devem ser tomadas. Para ter certeza de que você chegou na melhor opção, é preciso primeiramente conhecer as alternativas possíveis e fazer um balanço dos fatores que mais pesam. Uma importante decisão a ser tomada é com relação a sua moradia. Listamos abaixo as três modalidades mais comuns e pontuamos as vantagens e desvantagens mais evidentes de cada uma delas. Lembrando que essa é uma decisão que não precisa ser fixa do início ao fim do seu intercâmbio. Você pode mudar caso não se sinta à vontade ou perceba que não é da maneira como você esperava.

hospedagem mais comuns no intercâmbio
Hospedagem mais comuns no intercâmbio
  • Host Family 

Um dos modelos mais comuns de se hospedar no intercâmbio é o que chamamos de Host Family, que significa morar na casa de uma família e dividir com eles o dia a dia. Este, possivelmente, é o caminho mais curto para economizar e mergulhar na cultura de um país, pois é uma troca bastante significativa e diária. As três maiores vantagens que resumem essa modalidade de hospedagem são: economia, segurança e excelente custo-benefício. Além disso, esse tipo de acomodação costuma ter pelo menos uma refeição inclusa, um fator confortável e que reduz gastos.  Sem contar ainda que “ter uma família” do outro lado pode ser bastante confortante. Há momentos em que pode-se precisar de uma atenção um pouco mais particular.

Além disso, quem vivenciou na pele esse tipo de modalidade de hospedagem afirma ter tido uma melhora e aprofundamento significativo na língua materna local, seja ela qual for. Se a sua intenção for realmente aprender inglês, por exemplo, a Host Family é seguramente uma excelente opção.

No entanto, você pode estar indo para o intercâmbio com um espírito um pouquinho diferente, e opções como “residência estudantil” e “morar sozinho” podem ser mais adequadas.

 

  • Residência estudantil

O ambiente é outro. Você vive entre estudantes que geralmente tem a mesma idade que a sua e possivelmente as mesmas pretensões e objetivos. As acomodações nessa modalidade podem variar entre quartos compartilhados ou individuais. Aqui, você já é um pouco mais dono do próprio nariz e deve menos satisfações. É uma rotina um pouco mais autônoma que a intimidade vivida em uma casa de família. As residências estudantis costumam ter excelentes infraestrutura e localizações centrais privilegiadas. Algumas incluem até mesmo a facilidade das três refeições diárias, já outras oferecem cozinhas e a infraestrutura necessária para que você mesmo faça a sua própria comida. Existem outros tipos de variações, como banheiros compartilhados ou não.

Uma vantagem da residência estudantil que se assemelha à casa de família é o fator convivência diária com a língua diferente da sua e que você provavelmente tenha imenso interesse em aprender.

Uma das principais desvantagens, principalmente em comparação com a casa de família é o preço. Residências estudantis costumam ser mais caras e também mais concorridas. Em alguns casos há filas de espera para conseguir uma vaga. Por mais esse motivo é importante fazer tudo com antecedência.

Lembre-se também do fator convivência. Como você dividirá os espaços e possivelmente seu quarto com diferentes pessoas das mais distintas culturas, é preciso haver uma conversa para que haja a responsabilidade devida, respeito e organização, a fim de evitar conflitos futuros.

Por outro lado, se você pretende ficar muito tempo no local de destino, esse é um ambiente ótimo para a sua chegada. Lá, você irá fazer amigos e encontrar possíveis colegas para dividir um apartamento, opção que oferece um pouco mais de privacidade e conforto, além de criar laços e amizades duradoras com pessoas de diversos lugares.

 

  • Morar sozinho

Eis a opção que exigirá uma disposição maior em desembolsar um valor a mais por mês. Morar sozinho tem qualidades evidentes que atraem qualquer um que deseja uma experiência de autonomia no exterior. No entanto, costuma ser a menos popular entre as opções mais comuns de moradia, principalmente tratando-se de intercâmbio estudantil. Além de ser mais caro na grande maioria dos casos, morar sozinho exige que você tenha mais autonomia em resolver todos os seus problemas de maneira independente. É preciso também ter um pouco mais de controle com gastos e pagamentos de contas.

No entanto, ter o seu próprio cantinho pode significar um prazer imenso para quem não abre mão de conforto, liberdade total e principalmente privacidade.

Se o local comportar, nada impede também que futuramente você também opte por dividir com uma ou mais pessoas, já que existirá a liberdade de fazer esse tipo de escolha. Essa opção cai bem não só pela companhia, caso você deseje, como também para dar uma folga nos gastos mensais da casa.

Agora que você já conhece as principais vantagens e desvantagens de cada uma das principais modalidades de hospedagem para o seu intercâmbio, entre em contato com a Travelmate e dê o primeiro passo para o seu sonho de morar fora!

Você conhece as bases Travelmate pelo mundo?

Postado por: Marketing Travelmate/ 926 0

Travelmate inaugura 2 novas bases, agora na Austrália e Irlanda

 

Chegar à um país diferente é sempre uma descoberta… Aprender um idioma, se adaptar a uma nova cultura, novas pessoas, fazem parte do processo que vai fazer com que o intercâmbio seja uma experiência inesquecível, e desafiadora.

E esse desafio pode trazer inseguranças e medos, então pensando nessa necessidade, inauguramos bases TravelMATE nos principais destinos para os programas de Study & Work, com o objetivo único trazer segurança aos nossos intercambistas.

Além de um espaço físico na principal cidade de cada país, contamos com uma equipe especializada nas demais cidades que recebem intercambistas.

Então se você vai embarcar para Austrália ou Irlanda, conte com a gente no seu destino.

 

Conheça as bases TravelMATE

 

A gente sabe o que é importate para você, por isso contamos com uma equipe especializada e preparada para acompanhar os alunos em todas as etapas após o embarque.

 

BASE IRLANDA – DUBLIN

 

Endereço: Dame Street, 30, Dublin

Parceiro: Service in Dublin

 

  • Pré embarque online 
  • Grupo oficial no WhatsApp com todos os alunos, facilitando networking, indicações e oportunidades
  • Induction Day –  Reunião presencial com a equipe após a chegada
  • City Tour pelos principais pontos turísticos 
  • Workshop sobre currículo e busca de empregos
  • Calendário de atividades mensais: viagens, festas, eventos
  • Suporte durante todo o intercâmbio

 

BASE AUSTRÁLIA – SYDNEY

 

Endereço: Victoria Street, 326, Sydney

Parceiro: Tagarela Intercâmbios

 

  • Pré embarque online 
  • Grupo oficial no WhatsApp com todos os alunos, facilitando networking, indicações e oportunidades
  • Induction Day –  Reunião presencial com a equipe após a chegada
  • Aula de inglês gratuita 1x por semana (para os alunos de Sydney)
  • Workshops
  • Calendário de atividades
  • Happy Hour e festas 
  • Suporte durante todo o intercâmbio

 

A gente sabe o que é importante para você, por isso a equipesua experiência, afinal, intercâmbio é para vida toda.

 

Conta com a gente agora, antes e depois do seu embarque! 

BENEFÍCIOS DE VIAJAR PARA O EXTERIOR

6 benefícios de viajar para o exterior, um deles é te deixar mais esperto!

Postado por: Tatiana Serbena/ 2115 2

Poucas pessoas têm a oportunidade de viajar – Existem algumas coisas irresistíveis sobre escapar da nossa rotina.

Uma recente pesquisa mostrou que viver no exterior pode não apenas fazer você se sentir bem, mas pode fazer você ficar mais esperto também.

Em 2013 um estudo encontrou que 3,2% da população do mundo vivem fora do seu país de nascença – Isso é 210 milhões de pessoas.

Um estudo de 50 anos de 3.400 intercambistas encontrou que 82% deles desenvolveu um caminho mais sofisticado de olhar o mundo após a viagem. Esse estudo foi feito pela Indiana University, no qual encontrou que pessoas que viajaram para o exterior usaram mais criatividade e inteligência para solucionar os problemas.

Aqui estão os 6 benefícios de viajar para o exterior, e porque – cientificamente – eles vão deixar você mais esperto que quando você viajou.

  1. Despertar criatividade

Quando estamos com o psicológico fora da nossa zona de conforto, novas possibilidades e resultados aparecerão. Isto é por causa do nosso cérebro que está em estado de ‘atenção relaxada’, na viagem, o cérebro possibilita você fazer ações de uma outra maneira.

  • 220 estudantes de MBA da Northwestern’s Kellogg School estavam perguntando como resolver um famoso jogo, o “duncker candle”. 60% dos estudantes que tinham vivido no exterior resolveram o problema e apenas 42% dos que não tinham viajado resolveram.

viajar

  1. Boa comunicação

Quando você não pode falar o idioma, você não tem escolha, precisa aprender a como se comunicar não verbalmente. Reconhecendo aquela comunicação seu multissensorial é forçado, você desenvolve alternativas, ainda efetivas, modos de comunicação. São habilidades transferidas para muitas outras coisas na vida.

  • Um estudo de 2014 baseado em chineses que viajaram, encontraram que a maioria dos participantes reportaram boas comunicações e relações sociais depois de viver no tempo no exterior.

TRAVELMATE BLOG

  1. Maiores chances no mercado de trabalho

Viver no exterior ajudará você a construir conexões estrangeiras e desenvolver seu entendimento sobre várias culturas – duas habilidades cruciais no mundo profissional.

  • Um estude de 10 meses feito pela INSEAD encontrou que quem foi inserido em culturas com ambientes diferentes estavam oferecendo mais trabalhando do que quem nunca viveu fora.BENEFÍCIOS DE VIAJAR PARA O EXTERIOR
  1. Habilidades do intelectual melhorado

Se você vive em um país com uma linguagem diferente por muito tempo, você aprenderá facilmente a linguagem, no qual melhora muito seu intelectual.

  • Em 2012 a Swedish MRI realizou um estudo onde encontrou que pessoas que estão aprendendo uma segunda linguagem mudam o tamanho e forma do cérebro pelo melhoramento da espessura cortical – a camada de massa dos neurônios responsável através de memórias e consciências.

  1. Aumento da produtividade

Enquanto muitas vezes achamos que trabalhar o tempo todo e até em feriados aumenta a produtividade, a pesquisa mostra que o tempo livre realmente ajuda para você voltar e ter produtividade no trabalho.

  • Países como a França, com 40 feriados no ano, tem uma econômica melhor do que países que possuem apenas 25 dias.

travelmate

  1. Aumento da autoconsciência

A autoconsciência é um dos muitos reconhecimentos traçados para o sucesso, e isto vem sem nenhuma surpresa para quem viveu no exterior, e encontrou e melhorou sua autoconsciência.

  • Um recente teste de psicológica distante concebeu sugestões que viajar ou planejar sua viagem e imaginando você mesmo em outra família e distante da sua localização, melhora sua autoconsciência.

Embora nossa casa ainda seja a mesma quando nós retornamos, através da viagem algumas coisas em nossas mentes têm sido mudadas, e que tem um poder de transformar qualquer coisa em nossas vidas.

Se abra para novos ambientes, tenha uma vida no exterior e encontre seu verdadeiro potencial intelectual.

Entre em contato com a Travelmate clicando aqui e realize seu sonho!

 

3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem

3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem

Postado por: Tatiana Serbena/ 1050 0
3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem: Todo viajante tem em mente a sua própria lista de aventuras, sejam elas radicais ou não. Essas aventuras podem incluir desde voar de balão na Capadócia a pular de Bungee Jump na Nova Zelândia.

Pensando nos aventureiros dispostos a encarar qualquer parada, criamos uma lista com 10 sugestões de aventuras que tem tudo para marcar a vida de quem mergulha de cabeça em cada experiência dessas. Lembrando que o tempero de cada experiência não precisa ser apenas radical. Você pode ficar completamente satisfeito e empolgado com diferentes maneiras de ver algumas das paisagens mais bonitas da terra.

Começaremos, portanto, com uma experiência já anteriormente citada e bastante conhecida para quem aterriza em terras turcas:

 

Voe de balão na Capadócia

É com certeza o passeio imperdível da Turquia. Além da sensação de voar em um balão, o que, diga-se de passagem, não é nem um pouco familiar, você terá aos seus pés uma paisagem indescritivelmente bela. Existe um silêncio que paira sobre o momento que transmite paz, tranquilidade e emoção ao mesmo tempo. A consciência de como a natureza é grandiosa é um dos legados mais bonitos dessa experiência. O passeio é concorrido, portanto, reserve-o antes de chegar lá.

capádocia balão travelmate

 

Mergulhe em um cenote mexicano

Os cenotes são espécies de cavernas ou grutas. A diferença é que estão cobertos por água da chuva, e com isso, são formados incríveis poços de água cristalina. No México existem vários deles, e é na Riviera Maia que você pode encontrar a maioria. Além de serem belíssimos, os cenotes tem história. Eles eram de extrema importância para a população Maia, pois além de fonte de água também serviam como local para cerimônias religiosas. Não é de surpreender, pois esses lugares são realmente divinos. Você pode comerçar por Tulum, onde está o famoso Cenote Dos Ojos ou conhecer o Gran Cenote, para ver de perto uma água incrivelmente cristalina e uma das representações mais bonitas da arquitetura gótica do mundo.

mexico travelmate

Acampe na Antártica

Parece impossível, mas não é. A Antártica pode ser considerada a fronteira limítrofe quando se trata de uma viagem de aventura. Por lá, existe vida e paisagens selvagens e é possível viver (nem que seja apenas por poucas noites) encarando toda essa novidade de perto. Diferente do que a maioria pensa, visitar o Continente Branco não é somente para cientistas ou pesquisadores. Para chegar na região mais fria do planeta, você precisa se deslocar até Ushuaia, na Argentina para então percorrer cerca de 1000 km de navio quebra-gelo. A melhor época para encarar essa aventura gelada é entre novembro e abril, pois as temperaturas estão um pouco mais amenas. Uma das sensações mais incríveis é quando bate meia noite e ainda é possível ver o sol no horizonte, pois o dia tem quase 24 horas. O lugar é inóspito e observar paisagens, animais e um campo vasto de água congelada vale mais do que uma visita a qualquer museu da face da terra.

3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem
3 incríveis aventuras que fazem valer a viagem

Conte com a Travelmate para embarcar rumo ao destino dos seus sonhos. Clique aqui e fale com a gente!

Três destinos para aprender inglês e economizar

Postado por: Tatiana Serbena/ 998 0

A chance de aprender inglês no exterior é uma oportunidade de ouro pra quem precisa dominar o idioma. A boa noticia é que você pode fazer isso, e ainda economizar dinheiro fugindo dos destinos mais populares do mapa caso volte os olhares para destinos mais alternativos. Países como a requisitada Austrália, a exótica África do Sul e a badalada Malta são as melhores opções para quem busca se aperfeiçoar no idioma, fazer turismo e economizar.

Além de serem países com uma excelente oferta de ensino de inglês, os três possuem uma vantagem em comum. A excelente estrutura turística de seus lugares exuberantes e atrativos fazem a motivação de estar lá, decolar. O apoio aos estudantes também é outro fator digno de ser considerado e pontuado como benéfico, pois em determinados países existem restrições ou uma burocracia demasiada que dificulta a permanência e liberdade do estudante do local.

Países como África do Sul e Malta por exemplo, possuem uma particularidade que pode ser bastante positiva se o seu objetivo é uma imersão total na língua inglesa. Nos dois existe um número reduzido de brasileiros, o que te proporciona um contato maior com estudantes estrangeiros e moradores nativos. Esse ponto com certeza impulsionará os ganhos do seu intercâmbio, em termos de aprendizado e experiências diferentes.

Já a Austrália, por suas mil e umas qualidades, costuma receber um número um pouquinho maior de brasileiros, no entanto, não é um fator que chegaria a ser prejudicial ao seu intercâmbio. Esse ponto vai muito da sua postura de imersão no idioma estrangeiro que acaba determinado pela nacionalidade que você mais conviverá.

Três destinos para aprender inglês e economizar
Três destinos para aprender inglês e economizar

 

Um outro ponto positivo da Austrália, além de ser um país com imensas qualidades e atrações, e por isso um pouco mais caro que os outros dois, é com relação à facilidade de obter visto que autorize o trabalho em meio período. Muitos estudantes buscam essa complementação na renda, e ir para a Austrália pode ser um fator determinante para essa conquista.

Na África do Sul, o destino mais comum é a Cidade do Cabo. O local garante um baixo custo de vida, visto que a moeda é desvalorizada em comparação com o real. Em Malta, você pode optar por Saint Julians. Mesmo sendo o euro a moeda oficial do país, por lá as coisas não costumam ser tão caras, principalmente se tratando de cidades pequenas e acolhedoras, como Saint Julians. Por lá, existem excelentes ofertas de ensino de inglês, visto que o inglês é um dos dois idiomas oficiais do país.

Cape Town

A Austrália é longe de ser uma opção barata. Mas se colocarmos a alta do dólar americano e do euro em questão, o destino passa a ficar um pouco mais atrativo se nos voltarmos para o custo/benefício. Lembre-se também do fator que estimula o trabalho meio período na Austrália, o que pode acabar ajudando muito no final das contas.

Entre em contato com a Travelmate e dê o primeiro passo para realizar o seu sonho de morar fora!

Juliane Paula Trevisol na Nova Zelândia

Postado por: Tatiana Serbena/ 2311 0

Esse é um relato de experiência pessoal, onde posso garantir que após um intercâmbio você nunca mais será o mesmo, você não terá as mesmas ideias sobre as coisas, você se tornará uma pessoa melhor em todos os aspectos pessoais.

Bom, meu nome é Juliane Trevisol, nasci na cidade de Itá Santa Catarina, cidade a qual vivi por toda minha vida até o ano de 2016 quando dei uma reviravolta em minha vida. Planejando casar, vivendo em uma cidade pacata de apenas 5 mil habitantes, onde tudo acontecia de uma maneira rotineira e a qual não me fazia sentir realizada e completa, faltava adrenalina, faltava emoção, tinha um sentimento que dizia: “vai guria, você pode mais do que isso, vai desistir dos seus sonhos por medo? Pelo que as pessoas dizem? “Eu sabia que não encontraria felicidade se continuasse reclamando da minha vida sem fazer nada para muda-la. Foi o que eu fiz.

Sempre tive um sonho de infância que era realizar um intercâmbio, comentei sobre a ideia com meu futuro marido na época, o mesmo me respondeu: “ Esse é um sonho seu e não meu” Lembro como se fosse hoje, isso significava que eu estava com uma pessoa que não compartilhava dos meus sonhos, e foi exatamente isso me impulsionou a tomar minha decisão, vi que nossos caminhos não estavam indo para mesma direção, decidi terminar o relacionamento, pedir demissão do meu trabalho, vender minhas coisas, resolver assuntos pendentes, e contar para minha família sobre minha decisão, isso foi o que eu fiz. Estava certa do que eu queria e nada e nem ninguém iriam fazer eu desistir. Manter o foco no objetivo é fundamental, não levar em conta as influencias, pois muitos tentaram fazê-lo desistir, ou desejar o seu fracasso, nessa hora você identifica quem são seus verdadeiros amigos, e são aqueles que ficaram ao seu lado quando ninguém mais está.

Após um planejamento e dicas de uma boa agencia de viagens chamada Travelmate de Chapecó, que me orientou sobre a melhor escolha, e quais as possibilidades seriam as melhores para mim eu decidi optar como destino a Nova Zelândia, um pais a aproximadamente 18.000 quilômetros da minha cidade Itá Santa Catarina. Arrumei as malas e com muita vontade de fazer acontecer, embarquei rumo ao desconhecido.

Chegando em Auckland uma das maiores cidades da Nova Zelândia me deparei com um mundo desconhecido, mas cheio de oportunidades, e eu precisava fazer com que as pessoas que aqui viviam percebessem que eu estava aqui, fazer o diferencial.

Após 2 meses procurando por trabalho, distribuindo currículo de porta em porta, consegui meu primeiro emprego em uma loja de cafés chamada Starbucks. Na época eu trabalhava três dias por semana, incluindo sábado e domingo, e estudava de terça a quinta, durante um ano e meio, na mesma empresa fui promovida a supervisora, e a dois meses consegui emprego em um dos maiores bancos da Nova Zelândia.

Recebi muitos nãos, mas a cada não que eu recebia me fortalecia ainda mais, eu sabia que eu conseguiria, eu acreditei em mim. Viver em um país que não é o seu é desafiador, e você precisa manter o pulso firme para não desistir, manter o pensamento positivo e acreditar que o amanhã será melhor que o hoje ajuda muito a equilibrar as emoções, essas que são muitas. A falta da família, dos amigos, da comida que sua mãe preparava, da sua cama, das festas, você irá enfrentar um turbilhão de emoções, mas mantendo o foco é possível ir em frente. A cada vitória é uma conquista, conquista que é somente sua e de mais ninguém.

Hoje sou um ser humano melhor, fazer um intercâmbio faz com que você aceite as diferenças, faz com que você aprenda a pedir ajuda, a dizer obrigada, agradecer e agradecer. Encarar os desafios e medos é muito mais fácil após um intercâmbio, é uma maneira de receber um aprimoramento pessoal vivenciando na pele, você literalmente precisa correr atrás dos objetivos e fazer acontecer, não é como no Brasil que ter uma boa classe social te ajuda em algumas situações, aqui não importa quem você é, se é rico ou pobre, filho de presidente ou não, aqui você é igual a todo mundo, buscando lugar ao sol.

Atualmente estou noiva de um indiano, com quem tenho casamento marcado para o próximo ano além de planos futuros. Ao longo da minha jornada conheci vários lugares e países ao redor do mundo como: França, China, Holanda, Amsterdã, London, Bélgica e claro não poderia faltar a Índia que era o meu maior sonho.

Hoje tenho amigos de toda parte do mundo, vivo um dia após o outro, e com uma nova descoberta a cada dia, a declaração acima é apenas um pequeno exemplo do que um intercâmbio pode trazer e mudar a sua vida, basta acreditar que desbravar o mundo é possível pra quem quer, arriscar sem medo de falhar, aprender com os erros irão te permitir ser feliz.

Certamente a decisão de fazer o intercâmbio foi o investimento mais proveitoso e assertivo que eu poderia ter feito na minha vida, encontrei minha felicidade e minha realização aonde eu jamais pensei que poderia encontrar. Tenho certeza que essa é somente a primeira página do meu livro da vida, tem muito mais por vir, basta lutar e se dedicar para isso.

Descubra o destino ideal do seu intercâmbio em 5 passos

Postado por: Tatiana Serbena/ 1709 0

Com tantas opções disponíveis, como ser certeiro ao escolher o destino do seu intercâmbio? Existem mais de 190 países no mundo e seguramente cada um deles possui uma particularidade, ou algumas delas, que fazem toda a diferença na hora de eleger o país ideal para a sua experiência como intercambista. Existem alguns passos que direcionam a escolha do seu destino, e as principais estão listadas abaixo:

  1. Idioma

Principalmente se a sua intenção for viajar em pouco tempo, impossibilitando o aprendizado necessário de uma segunda língua para se sentir preparado para viajar, considere o idioma que você já domina ou no mínimo, se vira bem. Pergunte-se: qual idioma você quer se aprofundar? Se for inglês, este fator já exclui todos os outros países que não tem o inglês como língua nativa.

  1. Distância

A distância do Brasil em relação ao futuro país de destino, é um fator de peso principalmente se você deseja visitar a sua família ou receber visitas durante o seu intercâmbio. Verifique o que seria possível, e exclua aqueles que ficariam inviáveis para as suas intenções.

  1. Estilo de vida

Entre Europa e Estados Unidos podem haver muitas diferenças se a questão for estilo de vida. Entre Nova York e Firenze, na Itália, existe um abismo. Vai de você entender o que mais se aproxima do estilo de vida que pretende levar no exterior, e então, deixar de lado os países que não se assemelham com o que você está idealizando. Uma agência de intercâmbio ajuda muito no processo de conhecimento de destinos.

Descubra o destino ideal do seu intercâmbio em 5 passos
Descubra o destino ideal do seu intercâmbio em 5 passos
  1. Orçamento

Definir um orçamento, ou seja, um planejamento com relação à quanto você pretende gastar no seu período de intercâmbio é outro fator que pode ser determinante na hora de escolher um destino e desconsiderar outro. Algumas cidades são um pouco (ou muito) mais caras que outras. Procure se aprofundar nas informações que dizem respeito ao custo de vida das cidades que você tem em mente. Você vai acabar tendo que deixar algumas delas de lado e dessa forma, as coisas vão se afunilando.

  1. Objetivos

Imagine-se na cidade de destino e reflita como determinada cidade pode ser benéfica e estar em consonância com os seus objetivos e intenções. Faça pesquisas sobre universidades e cursos disponíveis para a sua área de interesse. É importante, da mesma forma, refletir sobre o seu futuro e aspirações profissionais e pessoais. Assim, vai conseguir extrair o melhor que o seu intercâmbio poderia te proporcionar.

Para o seu conforto, o blog da Travelmate possui diversos conteúdos que respondem algumas dessas questões, não deixe de visitar! Conte com a Travelmate para auxiliá-lo neste processo inicial assim como acompanhá-lo em sua experiência como intercambista. Conheça nossos planos e pacotes disponíveis e boa viagem!

7 empresas que oferecem oportunidade de carreira internacional

Postado por: Tatiana Serbena/ 1400 0

Um intercâmbio profissional no exterior é considerado um benefício e um diferencial na carreira que pode fazer toda a diferença em seus planos futuros. Se a sua intenção for seguir carreira internacional, começar por um intercâmbio fora do Brasil pode ser o primeiro passo que o aproxime de uma carreira sem fronteiras.

empresas que oferecem oportunidade de carreira internacional
Empresas que oferecem oportunidade de carreira internacional

 

São vários os países que permitem esse tipo de experiência, como Estados Unidos, Austrália, França, Irlanda, Canadá, Nova Zelândia e diversos outros destinos. Uma agência de intercâmbio como a Travelmate pode te auxiliar em todo este processo de escolha e trâmites burocráticos, baseado no tipo de trabalho que você deseja exercer lá fora. É importante que você tenha claro os motivos que te levaram a escolher trabalhar no exterior, pois caso você não tenha um foco muito grande e não souber o real motivo da sua escolha, é bastante provável que você retorne ao Brasil nas primeiras dificuldades, porque elas existem.

 

Dentre as empresas que se destacam entre as que são abertas ao intercâmbio cultural, estão:

  1. General Motors (GM)

A empresa é conhecida por oferecer um aprendizado constante, bons salários e benefícios. A sede principal está localizada em Detroit, Michigan, EUA.

  1. Enel

A Enel é uma empresa italiana com sede em Roma, na Itália. Atua na geração e distribuição de energia elétrica e gás natural. Os pontos positivos mencionados por seus colaboradores são oportunidades internacionais, trabalho em equipe, bons salários e benefícios.

  1. Citibank

Fundado em 1812 como o “Banco da cidade de Nova York” hoje possui mais de 3 mil filiais em mais de 35 países ao redor do mundo, a maioria delas estão nos EUA. Os pontos positivos mais mencionados em relação à empresa são oportunidades internacionais, ambiente de trabalho estimulante e equipe competente.

  1. Siemens

A Siemens é uma empresa alemã e seus principais escritórios estão localizados na Alemanha, precisamente em Berlim, Munique e Erlangen. Os pontos positivos mais reconhecidos da empresa são as oportunidades de carreira internacional, salários, benefícios e ambiente de trabalho tranquilo.

  1. Nestlé

A Nestlé inicia sua história em 1866 na Suíça e em 2016 a empresa cumpriu os seus 150 anos, sem parar de inovar. Fora os clássicos da marca, a empresa lançou recentemente o sorvete Gelato, a linha Optifast e por aí vai. Os salários e benefícios, planos de carreira e oportunidades no exterior são os pontos positivos citados pelos colaboradores da empresa como os que se sobressaem.

  1. ABB

Asea Brown Boveri é uma multinacional com sede em Zurique que atua no ramo da tecnologia servindo a clientes industriais, concessionárias, transporte e infraestrutura de forma global. Os pontos que mais se destacam para os que trabalham na empresa é com relação ao ambiente de trabalho, possibilidade de mudança para outros países e flexibilidade de horários.

  1. Ernst & Young

A EY é uma empresa que atua basicamente nos ramos de Auditoria e Consultoria com sede principal em Londres. Presente em mais de 150 países e mais de 700 escritórios espalhados pelo mundo, as vantagens de se trabalhar lá se relacionam principalmente com a flexibilidade, exposição internacional e aprendizado constante.

Dê o primeiro passo para a sua carreira internacional. Fale com a Travelmate e conheça nossos planos e pacotes para um intercâmbio de trabalho no exterior.

Nova Zelândia: Cada vez mais um destino atrativo

Postado por: Tatiana Serbena/ 1814 0

Recentemente, a Nova Zelândia ultrapassou a vizinha Austrália e foi para a 4ª posição no ranking de países mais procurados por intercambistas, perdendo apenas para EUA (1º lugar), Canadá (2º lugar) e Reino Unido (3º lugar), segundo lista divulgada pela Pesquisa Selo Belta 2017. As razões pelo crescimento da procura não são difíceis de apontar: O país oferece excelência acadêmica no ensino do inglês, proporciona conciliar trabalho com estudo, todas as universidades estão classificadas entre as 450 melhores do mundo (segundo QS World University Rankings 2018) e possui uma coleção de cidades incríveis que não podem estar de fora da sua lista de prioridades.

 

Nova Zelândia

Por ser a cidade mais visitada da Nova Zelândia, há grandes chances de você já ter ouvido falar muito bem de Auckland, mas o país tem outras cidades bem conhecidas e tão interessantes quanto, são elas: Wellington, que é a capital, Christchurch e Queenstown. Cada uma com sua singularidade, magia e beleza própria, porém, com algumas características em comum: todas elas refletem a posição do país no topo do ranking das melhores qualidades de vida do mundo, excelente infraestrutura e uma natureza exuberante. Falando em natureza, o país coleciona apaixonados por suas paisagens espetaculares, e não é à toa que encaixou perfeitamente no cenário da trilogia que virou sucesso nos cinemas, o filme “O senhor dos anéis”. Um terço do território está coberto por parques e reservas naturais. Uma sinergia perfeita entre mar e montanhas, bosques com zonas verdes abertas, colinas e ovelhas, praias de areia rodeadas de vinhedos que sobem as ladeiras.

Uma vantagem deste encantador país é com relação ao custo de vida: Viver na Nova Zelândia costuma sair bem mais barato que países muito procurados para fazer intercâmbio, como Inglaterra, Austrália e Estados Unidos. Se compararmos por exemplo Auckland com Londres, você gastará pelo menos 35% a mais se escolher se mudar para a terra britânica. Além do custo de vida mais baixo em comparação com outros destinos procurados, ainda há um outro fator que favorece a escolha pela Nova Zelândia: o câmbio favorável. O dólar Neozeolandês (NZD) tem uma das cotações mais baixas entre os países da língua inglesa. Somado à isso, quem escolhe a convive ainda com a excelente reputação do país em recepcionar estudantes estrangeiros e não passa por tantas dificuldades para obtenção do visto. Uma curiosidade, principalmente para quem gosta de esportes radicais, é que vários deles nasceram na Nova Zelândia, como o bungee jumping, rapel, a escalada, paraquedismo, rafting e por lá, são bastante praticados.

 

 

A cultura do país é riquíssima e muito particular. Além da educação de seu povo e seus bonitos costumes, valorização e convívio com a natureza, a Nova Zelândia divide com Dinamarca e Finlândia o posto de país menos corrupto do mundo, de acordo com o Índice de Transparência Internacional.

Razões não faltam para você optar por passar um tempo neste encantador país. Seja pela cultura, qualidade de vida, paisagens fantásticas, trabalhar e estudar ao mesmo tempo com um custo de vida mais acessível, a Nova Zelândia será uma escolha acertada.

Clique aqui e conheça nossos pacotes para a Nova Zelândia!

7 filmes sobre viagens

Postado por: Tatiana Serbena/ 1588 0

Quer uma motivação ou está ansioso para viajar? Aqui vamos listar 7 filmes sobre viagens para você assistir.

filmes sobre viagens

1 – Little Miss Sunshine

O famoso filme Little Miss Sunshine foi dirigido pelo casal Jonathan Dayton e Valerie Faris em 2006, nos Estados Unidos. É considerado um clássico da comédia e uma das maiores surpresas cinematográficas, por ser feito por diretores e roteirista iniciantes.

O filme foi indicado a quatro Oscars, vencendo duas das categorias em que concorreu, Melhor Roteiro Original e Melhor Ator Coadjuvante para Alan Arkin.

  • Sinopse:

Diante de uma situação familiar pouco estável, com cada membro da família com suas peculiares diferenças e problemas, surge a notícia de que Olive (Abigail Breslin) foi classificada no concurso “A Pequena Miss Sunshine”, na Califórnia. Todos precisam levar a pequena Olive, sonhadora e desengonçada, com o único meio de locomoção que pode levar toda a família: uma Kombi amarela bastante usada. Na viagem de três dias entre o Novo México e a Califórnia, eles passam por diversos momentos de alegria, tristeza e descobertas.

Nada melhor que um filme clássico para dar mais vontade de ir conhecer o mundo, ein?

2 – Manhattan

Filmes sobre viagens também têm seus clássicos. Para aqueles que gostam de um filme antigo, Manhattan é perfeito!

O filme mostra muito sobre a Big Apple, pontos turísticos como Central Park, Time Square, entre outros.

Manhattan é um filme norte-americano de 1979, do gênero comédia romântica, dirigido por Woody Allen. Teve sua estreia no Festival de Cannes do mesmo ano. Foi indicado ao Oscar de melhor roteiro original e melhor atriz coadjuvante, e ao Globo de Ouro de melhor filme dramático. Foi vencedor do BAFTA de Melhor Filme e do César Awards de Melhor Filme Estrangeiro.

  • Sinopse:

Um escritor de meia-idade divorciado (Woody Allen) se sente em uma situação constrangedora, onde sua ex-mulher o largou para ficar com outra mulher e, além disso, está para publicar um livro, em que revela assuntos muito particulares de seu relacionamento. Neste período ele está apaixonado por uma jovem de 17 anos (Mariel Hemingway), que corresponde a este amor. No entanto, ele sente-se atraído por uma pessoa mais madura, a amante do seu melhor amigo, que é casado.

3 – Into the Wild

Gosta de drama combinado com viagem? Into the Wild vai te fascinar!

Into the Wild é um filme biográfico de drama estadunidense, 2007, escrito e dirigido por Sean Penn. É uma adaptação do livro de não-ficção de mesmo nome, por Jon Krakauer. Lançada em 1996, a obra é baseada nas viagens de Christopher McCandless pela América do Norte, e sua vida no deserto do Alaska no início da década de 1990.

O filme é estrelado por Emile Hirsch como McCandless; Marcia Gay Harden e William Hurt como seus pais; além de Catherine Keener, Vince Vaughn, Kristen Stewart, e Hal Holbrook no elenco. O filme estreou durante o Festival de Roma 2007 e mais tarde abriu em Fairbanks, Alaska, em 21 de setembro de 2007 e mais tarde foi nomeado para dois Globo de Ouro, e ganhou o prêmio de Melhor Canção Original “Guaranteed” de Eddie Vedder. Ele também foi indicado a dois Oscar, incluindo Holbrook para Melhor Ator Coadjuvante.

  • Sinopse:

Início da década de 90. Christopher McCandless (Emile Hirsch) é um jovem recém-formado, que decide viajar sem rumo pelos Estados Unidos em busca da liberdade. Durante sua jornada pela Dakota do Sul, Arizona e Califórnia ele conhece pessoas que mudam sua vida, assim como sua presença também modifica as delas. Até que, após dois anos na estrada, Christopher decide fazer a maior das viagens e partir rumo ao Alasca.

4 – Colegas

Não poderíamos deixar de colocar um filme nacional, né?

Colegas é um filme de aventura e comédia brasileiro dirigido e roteirizado por Marcelo Galvão. O longa estreou em 1º de março de 2013, e é estrelado por Ariel Goldenberg, Rita Pokk e Breno Viola. É o primeiro filme brasileiro protagonizado por atores com síndrome de Down. O filme possui inspiração no filme americano Little Miss Sunshine (2006) e em Thelma & Louise (1991).

  • Sinopse:

Colegas é uma divertida aventura que trata de forma poética coisas simples da vida, através dos olhos de três personagens com síndrome de Down. Eles são apaixonados por cinema e trabalham na videoteca do instituto onde vivem. Um dia, inspirados pelo filme “Thelma & Louise”, resolvem fugir no Karmann-Ghia do jardineiro (Lima Duarte) em busca de três sonhos: Stalone (Ariel Goldenberg) quer ver o mar, Aninha (Rita Pokk) quer casar e Márcio (Breno Viola) precisa voar. Nesta busca, se envolvem em inúmeras aventuras como se tudo não passasse de um maravilhoso sonho.

5 – O Verão da minha vida

Com um toque de romance, comédia e drama, O Verão da Minha Vida é um filme independente estadunidense, escrito e dirigido por Nat Faxon e Jim Rash. Estreou no Festival Sundance de Cinema de 2013, em que os direitos autorais para distribuição foram comprados por 9.75 milhões de dólares pela Fox Searchlight Pictures, a maior negociação de um filme feita desde 2006, com Little Miss Sunshine. Críticos disseram que a performance de Sam Rockwell foi merecedora de um Oscar.

  • Sinopse:

Duncan (Liam James) é um garoto de 14 anos que vive com a mãe e não suporta seu namorado, Trent (Steve Carell), que volta e meia o menospreza. Eles viajam para uma casa de praia durante o verão, juntamente com a filha de Trent, Laura (Devon Werden). Deslocado em meio aos amigos de Trent e até mesmo da própria mãe, Duncan passa os dias pedalando pelas redondezas. Num de seus passeios ele conhece Owen (Sam Rockwell), um cara despojado que trabalha no parque de diversões aquático local. Não demora muito para eles se aproximem, especialmente quando consegue um emprego de verão no mesmo parque.

6 – Wild

Livre (Wild) é um filme estadunidense de gênero dramático e biográfico, lançado em 2014, dirigido por Jean-Marc Vallée, escrito por Nick Hornby, e baseado no livro Livre – A Jornada de Uma Mulher Em Busca do Recomeço, de Cheryl Strayed.

O filme é estrelado por Reese Witherspoon e Laura Dern. Foi exibido no Festival de Telluride em 29 de agosto de 2014 e lançado nos cinemas norte-americanos no dia 3 de dezembro de 2014.

  • Sinopse:

Com o fim de seu casamento e morte de sua mãe, Cheryl Strayed perdeu toda a esperança. Depois de atitudes descuidadas e destrutivas, ela toma uma decisão extrema: com quase nenhuma experiência, guiada somente pela determinação, ela caminha por mais de mil milhas da Trilha de Crest Pacific sozinha. Wild captura muito bem os terrores e prazeres de uma jovem mulher que luta contra tudo que é esperado de uma jornada que enlouquece, reforça e finalmente a cura.

7 – Tirando o Atraso

Se você quer dar risada (e tem mais de 18 anos), esse filme vai ficar no seu TOP 1 filmes sobre viagens.

Com Robert De Niro e Zac Efron como principais personagens, o filme, com roteiro de John Ohillips e direção de Dan Mazer, causou bastante polêmica com suas piadas e cenas. Então já sabe, veja o filme com a mente aberta e relaxada.

  • Sinopse:

Um dia após o funeral de sua avó, Jason Kelly (Zac Efron) é encarregado de levar seu avô, Dick Kelly (Robert De Niro), até Boca Ratón, na Flórida. A viagem não o agrada nem um pouco, uma vez que em poucos dias ele irá se casar com a controladora Meredith (Julianne Hough) e, diante da proximidade do evento, tem várias pendências a resolver. Apesar disto, Dick insiste que o jovem viaje com ele. Logo o avô se revela bastante assanhado, já que não vê a hora de voltar a transar com uma jovem, algo que não faz há 15 anos.

E aí, preparado para a maratona de filmes sobre viagens? Quer planejar a sua? Clique aqui e comece a sua maratona pelo intercâmbio perfeito.

Seja criativo, faça intercâmbio!

Postado por: Tatiana Serbena/ 1673 0

Todos que começam a pensar na sua viagem de intercâmbio tem como objetivo aprender uma nova língua, ganhar experiência de vida, conhecer novas culturas, mas além de tudo isso, o intercâmbio pode te proporcionar diversos benefícios que talvez não seja muito percebido pelos estudantes.

Um intercâmbio traz para você a independência, mesmo que seja na marra, você ter que cumprir suas tarefas e objetivos em outra língua, em um lugar que você acabou de chegar. Sair da zona de conforto faz você desenvolver caráter, ter responsabilidades e pensar em coisas diferentes.

O intercâmbio é sinônimo de evolução. Falar que intercâmbio serve apenas para aprender uma nova língua é quase uma ofensa, toda a viagem faz com que o estudante abra horizontes.

intercâmbio

Um estudo feito no Journal of Personality and Social Psychology, mostrou que pessoas que estudam ou trabalham no exterior são mais criativas do que aqueles que não passaram pela experiência.

Estar em contato com a nova cultura estimula o processo criativo dos viajantes, pois faz a pessoa ver o mundo por uma lente mais amplificada. Isso porque quando se tem a oportunidade de viver em outro contexto social, por algum tempo, as pessoas são expostas a várias situações desafiadoras, com o contato com realidades de vida e comportamento muitas vezes singular e a necessidade de adaptação a uma nova maneira de pensar e agir é significativa. Tudo isso é um estimulo para a capacidade de buscar novas perspectivas para encarar estes problemas.

Para conseguir seu objetivo, é necessário correr atrás e arriscar. Fazer intercâmbio não é só estudar uma nova língua e sim ganhar conhecimentos e experiências únicas.

Quer saber mais sobre intercâmbio? Clique aqui e entre em contato com a Travelmate. Venha realizar seu sonho!

 

raiz nutella

Intercâmbio Raiz x Intercâmbio Nutella

Postado por: Tatiana Serbena/ 2300 0

Quer saber em qual intercâmbio você se encaixa? Veja agora como é um intercâmbio raiz x intercâmbio nutella.

  • PLANEJAMENTO

Raiz: Planeja o intercâmbio por 2 anos, entra em mais de 10 sites de agência, sabe todas as informações do país que vai, e nunca troca o país de escolha.

Nutella: Decide um mês antes da viagem que vai fazer intercâmbio, vai na agência mais cara, muda de opção 10 vezes antes de escolher a cidade certa e ainda reclama.

intercâmbio raiz x intercâmbio nutella

  • HOSPEDAGEM

Raiz: Escolhe casa de família compartilhada com 2 pessoas, não liga em dividir o banheiro, treina sua língua estrangeira com outras pessoas, faz amizade de anos com os novos amigos, dorme até com cachorro se precisar.

Nutella: Necessita de um hostel de 5 estrelas, banheiro tem que ser individual, só viaja com brasileiros, tem alergia a animais, não faz amizades novas, só fala inglês na escola.

accomodation

  • COMIDA

Raiz: O intercambista raiz só vai em fast food, come hambúrguer de 1 real, só toma coca cola, e raramente vai em restaurante turístico.

Nutella: Come todos os dias em buffet, janta em lugares caros da cidade, vai comer no lugar só por que é ponto turístico, só toma starbucks.

  • TRANSPORTE

Raiz: Só anda de metrô pela cidade, vai para a escola a pé, pega carona com o amigo que conheceu ontem, aluga bicicleta.

Nutella: Só anda de Uber, e tem que ser do black, não usa bicicleta e nem vai a pé para a escola para não chegar suado, tem medo de andar de ônibus, não anda com estranhos.

  • DINHEIRO

Raiz: O intercambista raiz começa a pagar 12 meses antes do intercâmbio, sempre descola um descontinho, vai com o dinheiro que achar em casa, pede moeda para a vó, tia, primo.

Nutella: Paga o intercâmbio a vista, tem dinheiro guardado desde 2012, a mãe deposita todo mês $500 na conta.

  • BAGAGEM

Raiz: O raiz sai de casa com a mochila de costas, três camisetas, um moletom, uma calça jeans, duas meias, RG e passaporte, uma garrafa de água, escova de dente sem a pasta e ainda esquece o carregador do celular.

Nutella: O nutella sai com duas mochilas de rodinha e uma mochila de costas, tem um look para cada dia de intercâmbio, pantufa e chinelo, escova e pasta de dente, escova de cabelo, gel, fones de ouvido, carregador, notebook, todos os documentos possíveis.

intercambio

  • COMPRAS

Raiz: Só compra o necessário, pega alguma coisa barata apenas para ficar de lembrança da viagem, único presente que traz para o Brasil é uma lembrancinha para a mãe.

Nutella: Metade do valor da viagem foi em compras, vem com celular novo, cada familiar recebe um presente, o cachorro ganha uma roupinha do USA.

Mas o que os dois tem em comum? Os dois tem o sonho de realizar o melhor e mais incrível intercâmbio de suas vidas, fazendo do seu jeito e tendo essa experiência para a vida toda.

Clique aqui e procure o intercâmbio perfeito para você!

intercâmbio raiz x intercâmbio nutella

 

Quanto custa um intercâmbio de 4 semanas?

Postado por: Tatiana Serbena/ 4124 0

Está pensando em fazer intercâmbio mas está com dúvidas com preço? Continue lendo e tenha tudo o que você precisa saber em mente.

Você estuda, trabalha ou não pode ficar muito tempo fora do Brasil? O intercâmbio de 4 semanas pode ser a opção para realizar este sonho, e não se preocupe, em 4 semanas você vai aproveitar muito e fazer valer a pena todo esse investimento. Vamos aos tópicos para você saber quanto custa um intercâmbio de 4 semanas:

País

O país que você vai estudar vai influenciar muito no total que você vai gastar, por isso se querer economizar, pesquise sobre o custo de vida dos países. Se você optar por estudar na América do Norte, o Canadá tem um custo de vida mais barato que o Estados Unidos. Na Europa quem se destaca com preço baixo é o país de Malta, que cresceu muito a ida de intercâmbistas nos últimos anos. Tem também a Nova Zelândia, que não possui um câmbio tão alto. A África do Sul, além de ter inúmeros lugares para se visitar, também tem um custo de vida baixo.

Todos os países possuem excelentes escolas e estruturas, então o fator preço é determinado pela localidade.

quanto custa um intercâmbio de 4 semanas

 

Escola

Todas as escolas possuem ótimas estruturas, professores e um bom reconhecimento. É claro que tem sempre as melhores, e isso pode influenciar no preço do intercâmbio, como também as horas de estudo que você vai fazer o seu inglês. Você pode fazer de 15 até 30 horas/aula por semana.

Quer conhecer as escolas parceiras da Travelmate? Clique aqui.

lal

 

Hospedagem

Um ponto importante para determinar quanto custa seu intercâmbio é onde você vai ficar hospedado. Tem diversos lugares que o pacote que você comprar pode te oferecer, como esses:

  • Residência estudantil: As residências estudantis funcionam como uma espécie de pensionato para estrangeiros. Os formatos variam bastante, mas a maioria oferece quarto individual. Banheiro e cozinha são coletivos. Pode ficar dentro da escola/universidade ou em prédios (geralmente) próximos ao local de estudo.

A interação com estudantes de várias partes do mundo. Na residência estudantil, você terá contato com pessoas como você, que estão ali para estudar e se divertir.

  • Casa de família: O estudante se hospeda na casa de uma família, que se inscreve previamente no programa e que, portanto, está “oficialmente” apta a receber um estrangeiro. Todas as famílias passam por avaliações, do governo e/ou da escola, antes de receberem um hóspede. A casa de família é mais barata que a residência estudantil.

Se estiver disponível, você pode escolher compartilhar a casa com outro intercâmbista, assim, o valor será menor do que um pacote individual.

Na casa de família, você também pode escolher as refeições que vai querer no dia, normalmente café da manhã e jantar são os escolhidos, assim você tem mais tempo para estudar e conhecer a cidade.

  • Apartamento: Caso você queira mais privacidade e liberdade, pode optar por alugar um apartamento.

Normalmente os estudantes que optam por apartamentos, eles dividem as contas entre eles.

  • Hostel: O albergue (também chamado de hostel) funciona como um hotel, mas os quartos e banheiros são compartilhados. Em alguns casos, existe a opção de hospedar-se em suíte individual.

 A bom do albergue são os jovens e o clima informal. Diferentemente de um hotel, os hóspedes, que vêm de diferentes países, costumam interagir. A administração do local incentiva isso, organizando atividades ou saídas entre os hóspedes, que podem também usar a cozinha do espaço. O preço é bem mais camarada em relação aos hotéis. Em cursos intensivos, de curta duração, pode ser uma boa opção de hospedagem.

 

O que vai fazer na cidade

Se você pretende aproveitar todos os momentos da sua viagem, leve um dinheirinho extra. Como de costume, os intercâmbistas aproveitam sua viagem para viajar e conhecer a cidade.

Fazer as compras também é muito comum, e claro, levar lembrancinhas para o Brasil.

Então, o que você for fazer na cidade também vai influenciar no preço do seu intercâmbio.

 

Pacotes

Depois de saber um pouco sobre um intercâmbio, que tal olhar alguns pacotes de 4 semanas para diferentes países?

Sevilha - Espanha
Sevilha – Espanha

 

Quer saber tudo sobre intercâmbio? Entre em contato com a Travelmate clicando aqui.

Nova Zelândia

Por quê fazer intercâmbio em Auckland?

Postado por: Tatiana Serbena/ 2036 0

A Nova Zelândia possui diversas cidades incríveis e Auckland não fica fora da lista. Auckland é a maior cidade da Nova Zelândia recebe muitos intercâmbistas durante o ano. Hoje você vai saber o porquê de fazer intercâmbio em Auckland.

Auckland

Curiosidade sobre Auckland:

  • Maior cidade da Nova Zelândia
  • Apelido: Cidade das Velas
  • População: quase um milhão e meio de habitantes
  • Tem 31% da população da Nova Zelândia
  • Fundação pelos europeus: 1840
  • Ocupada pelos nativos maoris: desde 1350
  • Localização: Situada na Ilha Norte, junto ao estreito que separa as duas ilhas
  • Principal centro econômico e financeiro do país

Educação

A primeira coisa a saber é se a educação é boa, e como em todo o país da Nova Zelândia, Auckland possui as melhores escolas de inglês do mundo, e na categoria de universidades não fica de fora.

As escolas na Nova Zelândia além de oferecerem um excelente nível de educação também possuem uma extraordinária estrutura preparada para integração total do estudante internacional com a cultura local. Com um leque variado de atividades extra-classe, onde além de aprender inglês, os estudantes têm a oportunidade de viajar pelo país e conhecer essa maravilhosa mistura étnica e cultural.

Vistos

Quem possui passaporte brasileiro pode passar até 03 meses (da data de chegada até a data de partida) na Nova Zelândia sem a necessidade de emissão de um Visto de Visitante antes de sua chegada.

O Visto de Estudante da Nova Zelândia é destinado aos estudantes matriculados em cursos com mais de 3 meses de duração e período integral (pelo menos 20 horas semanais). Alunos matriculados em cursos “part time” (menos de 20 horas semanais) deve aplicar para um visto de visitante com permissão para estudo. Esse tipo de visto é válido por no máximo 9 meses.

Para saber mais sobre vistos na Nova Zelândia, clique aqui.

Região

A região de Auckland inclui quatro cidades – Auckland, Manukau, North Shore e Waitakere; e três distritos – Franklin, Rodney e Papakura.

Trinta minutos para qualquer lugar. Em só meia hora você pode estar quase em qualquer lugar – velejando para uma ilha, caminhando por uma floresta tropical, fazendo piquenique em um vulcão, provando vinhos em um vinhedo ou vagando por uma selvagem praia de areia preta.

Também conhecida por “The City of Sails” ou a cidade das velas. Auckland é a principal porta de entrada dos Brasileiros e de centenas de outras nacionalidades. Uma metrópole que pode ser considerada uma babilônia cultural devido ao grande número de imigrantes que se estabilizam por lá. Auckland é a maior cidade Polinésia do mundo. Em torno de 62% dos seus residentes são descendentes de Europeus, 12% são Maoris, 11% são descendentes das Ilhas do Pacífico e há uma crescente população Asiática em torno de 9%.

intercambio em auckland

Pontos Turísticos

  • Sky Tower: A Sky Tower é uma torre de comunicação e observação erguida na cidade, durante a década de 1990.
  • Ilha Waiheke: A ilha Waiheke é uma ilha no golfo de Hauraki. Fica a 35 minutos de viagem por ferry de Auckland.
  • Kelly Tarlton’s Underwater World: É misto de museu, aquário e mini parque temático. Como tudo na Nova Zelândia, o Kelly Tarlton’s é despretensioso, mas interessante.
  • Museu Memorial da Guerra de Auckland: É um dos mais importantes museus e memoriais de guerra da Nova Zelândia.
  • Auckland Domain: O Auckland Domain é o parque mais velho da cidade de Auckland, com 75 hectares, o maior da cidade.
  • Queen Street: É uma das principais ruas de comercio da cidade.

Existem outros diversos pontos turísticos em Auckland, esses são apenas alguns dessa maravilhosa cidade.

auckland domain

Custo de Vida

Em média, estudantes internacionais na Nova Zelândia gastam aproximadamente NZ$250 (R$500,00) por semana, incluindo acomodação, alimentação, lavanderia, telefone, internet, transporte e custos incidentais. Mesmo sendo está uma estimativa real, é importante lembrar que as circunstâncias individuais podem variar pela localização, curso e estilo de vida de cada aluno.

Essa é uma estimativa de Auckland, mas pode variar dependendo da região que vai se acomodar.

Valores de Pacotes

Em um pacote, qualquer coisa pode variar o preço, vamos listar 3 pacotes com diferentes semanas de curso:

  • 4 semanas: NZD 2.140,00 para saber mais sobre o pacote, clique aqui!
  • 14 semanas: NZD$ 5.555,00 para saber mais sobre o pacote, clique aqui!
  • 16 semanas: NZD$ 5.535,00 para saber mais sobre o pacote, clique aqui!

Quer fazer um orçamento personalizado? Clique aqui e converse com a Travelmate.

Conheça também outros destinos da belíssima Nova Zelândia clicando aqui.

trump

O que fazer para entrar no país do Donald Trump?

Postado por: Tatiana Serbena/ 1730 0

Após Donald Trump assumir a presidência dos Estados Unidos, muitas pessoas estavam se perguntando, “ Como vou fazer meu intercâmbio para os Estados Unidos? ” Agora a Travelmate vai acalmar você e te dar a solução para esse problema.

O que fazer para entrar no país do Donald Trump?

Sabemos que o Estados Unidos é o sonho de qualquer intercâmbista, mas já pensou que existe mais de 40 países para você conhecer, estudar e fazer a viagem mais importante da sua vida?

Bom, vamos ver quais os melhores países para curar essa dor de talvez não poder ir mais ao lugar onde fica a Disney, Estátua da Liberdade, Hawaii, Hollywood entre outras coisas.

O que fazer para entrar no país do Donald Trump

 

Um país calmo, bonito e com muita coisa para se ver, o Canadá é um dos países que mais recebe intercâmbistas. O país possui uma das melhores educações do mundo e a segurança do lugar é incrível.  Caso esteja pensando em morar lá, saiba que o Canadá foi considerado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) como 3º melhor país em qualidade de vida em 2016.

O melhor de tudo é que o governo do Canadá já demostrou que quer muito receber intercâmbistas, facilitando a emissão de vistos. Caso você queira estudar ou viajar par ao Canadá, você consegue facilmente um visto de 6 meses, o Temporary Resident Visa. Para mais tempo você precisa fazer o Study permit e para trabalhar é necessário o Work Permit.

Uma curiosidade, é que logo após Donald Trump assumir a presidência dos Estados Unidos, o site de imigração do Canadá recebeu tantos acessos que o site caiu e ficou um tempo fora do ar.

Ottawa

 

Atravessando o mundo, a Austrália é mais um país que vai fazer você esquecer rapidinho o USA. A Austrália é um país desenvolvido e o turismo é um ponto forte deles. Para fazer a emissão de vistos você precisa entra no site ImmiAccount, onde você faz o processo online.

Se você for estudar por 12 semanas ou menos, o visto para Austrália de turista é suficiente. Se quiser estudar e trabalhar na Austrália, recomendamos que você pegue um pacote de estudo com mais de 14 meses, sendo assim você poderá legalmente trabalhar.

Austrália é um país encantador por sua natureza e tecnologia, e suas faculdades não deixam a desejar, tendo várias entre as melhores do mundo. E o melhor, você encontra passeios incríveis e vai poder ver os famosos cangurus!

Sydney
Sydney

 

  • Europa

Vai dizer que você nunca pensou em ir para a Europa e viver aquele clima chique? Então vamos ver alguns países que são os mais visitados pelos nossos intercâmbistas.

Começamos com a Inglaterra, terra da Rainha, o país tem histórias incríveis e uma cultura gigante. Para turismo ou estudos por menos de 6 meses não precisam de visto para a Inglaterra. Se você for estudar por mais de 6 meses será necessário obter visto de estudante.

 

Londres
Londres

 

A Irlanda possui 6 milhões de habitantes e a língua oficial é o inglês, mas caso você vá para lá, não ache estranho se alguém estiver falando irlandês. Confirmando a matrícula e a acomodação, o oficial da imigração lhe dará um visto provisório que pode variar entre 30 e 90 dias. Porém, estudantes que permanecerão na Irlanda por período maior que os três meses precisam se registrar na Garda National Immigration Bureau (GNIB), que é o escritório geral da imigração no país, para receber o visto para o período subsequente.

No país da Torre mais famosa do mundo, os brasileiros que vão apenas turistas não precisam de vistos para um período de até 90 dias. Se pretende ficar mais de 3 meses, você deverá solicitar um visto de longa permanência (long séjour).

Dublin
Dublin

 

Já pensou em estudar em uma Ilha? Malta vai te proporcionar isso e muito mais. Nos últimos anos vem crescendo muito a taxa de intercambio para Malta, e não por menos, o país comparado com os outros na Europa, ele é barato e muito chamativo.

Se você pretende estudar ou apenas viajar, até 90 dias de estadia não é necessário o visto para Malta. Porém, se quiser prorrogar esse período de estudos, a própria escola que você se matriculou te ajuda na obtenção do visto e na extensão do prazo de estudos. Caso queira trabalhar, saiba que vai ser mais difícil, pois você vai precisar do seu empregador, que vai te ajudar no processo afirmando que você irá trabalhar para ele.

malta
Malta

 

Ao lado da Austrália, a Nova Zelândia é um país afastado, mas que possui vistas incríveis e que se você for, não esquecerá tão fácil assim. País do Rugby, que por sinal já foram campeões mundiais várias vezes, a Nova Zelândia é mais um dos países que levam a educação a sério, sendo uma das melhores do mundo.

Para cursos de até 3 meses não é necessário solicitar o visto antes de embarcar. Após isso, é necessário o visto no país. O visto de trabalho só é dado para quem conseguiu um emprego na Nova Zelândia, sendo assim, você só vai para trabalhar na Nova Zelândia saindo aqui do Brasil já com o empregador definido.

Auckland
Auckland

 

Mas eai, se eu ainda querer ir para os Estados Unidos?

Temos uma boa notícia para você, o atual presidente pode ter dificultado as coisas, mas é claro que você vai poder ir estudar, viajar e conhecer os Estados Unidos. Veja agora como ficou para tirar o seu visto para os USA:

  • O processo de solicitação de renovação de visto na mesma categoria que, a partir de agora, terá entrevista. Antes, os solicitantes que pediam a renovação eram dispensados da entrevista se o pedido fosse feito até 48 meses após o vencimento.
  • Além disso, as regras para isenção de entrevistas sofreram mudanças. Agora, somente quem tem menos de 14 anos ou mais de 79 está dispensado. Antes, os adolescentes de 14 e 15 anos e idosos acima de 66 anos que pediam o visto pela primeira vez não precisavam realizar a entrevista no consulado.
  • A renovação de visto na mesma categoria para solicitantes que tiveram o documento expirado há menos de 12 meses não necessita de entrevista.
  • O visto de estudante tem duração de 4 anos e a escola de inglês ou universidade vai fornecer a documentação para comprovar que você vai criar um vínculo estudantil. Um destes documentos é o Formulário I-20, ele é enviado até 4 semanas após a sua matrícula.
Los Angeles
Los Angeles

 

Existem alguns tipos de vistos de estudante nos Estados Unidos. Vamos aos mais importantes:

  •  Visto F-1 – Para quem deseja estudar em uma faculdade ou universidade americana ou estudar inglês em alguma escola ou faculdade credenciada.
  • Visto J-1 – Se for participar de algum programa de intercâmbio educacional ou cultural.
  • Visto M-1 – Se for realizar a sua matrícula em um programa profissionalizante ou não acadêmico.

Bom, vimos que ainda é possível viajar para os Estados Unidos, mas não se prenda somente lá, o mundo tem lugares incríveis para você conhecer e fazer o melhor intercâmbio de todos.

Clique aqui e confira os melhores pacotes para você estudar fora do Brasil.

 

 

 

Translate »